Semanário Bovespa: Ibovespa reage e termina segunda semana de julho com leve alta

LinkedIn

São Paulo, 12 de Julho de 2013 – Na segunda semana de julho, o Ibovespa (principal índice de ações da bolsa de valores de São Paulo) registrou leve alta de 0,71%. No ano, porém, o indicador acumula uma queda de 25,30%.

Comportamento do Ibovespa entre 08 de julho de 2013 e 12 de julho de 2013

 

Ibovespa

FEC

ABE

MÍN

MÁX

08/07/2013

45.075,5

45.211,4

44.838,9

45.740,4

09/07/2013

45.075,5

45.075,5

45.075,5

45.075,5

10/07/2013

45.483,4

45.081,8

45.081,8

45.955,3

11/07/2013

46.626,3

45.493,6

45.493,6

46.719,0

12/07/2013

45.533,2

46.624,2

45.528,7

46.624,2

 

 

Segunda-Feira (08/07/2013) – Ibovespa fecha com leve queda em dia de poucos negócios

 

O principal índice de referência da bolsa de valores de São Paulo fechou o primeiro pregão da semana em leve queda, numa sessão volátil e de fraco giro financeiro. O Ibovespa recuou 0,30%, encerrando o dia a 45.075 pontos, após oscilar bastante ao longo da sessão. O giro financeiro do pregão foi de R$ 4,95 bilhões, bem abaixo da média diária de 2013, de cerca de R$ 7,90 bilhões.

O horário do pregão regular voltou a ser encurtado em trinta minutos a partir desta segunda-feira, fechando às 17h.

O pregão morno precedeu o feriado da Revolução Constitucionalista em São Paulo na terça-feira, e em meio a uma agenda semanal carregada de eventos relevantes para o mercado, como a decisão do Banco Central sobre a taxa básica de juros do país na quarta-feira.

Da mesma forma que subiram no meio do dia, sem explicação lógica, as principais ações do Ibovespa mudaram de sinal a poucos minutos do fechamento e acabaram levando a bolsa brasileira a encerrar no vermelho. Vale lembrar que, a partir desta segunda-feira, o Mercado Bovespa voltou a fechar às 17 horas, o que reduziu a duração do pregão em meia hora.

Nesta sessão, as ações das blue chips Vale e Petrobras foram as principais influências  negativas para o Ibovespa. Vale PNA recuou 1,39%, para R$ 26,08, enquanto Petrobras PN perdeu 1,12%, a R$ 14,98, renovando sua mínima em quase cinco anos.

O Bank of America Merrill Lynch cortou o preço-alvo dos recibos de ações (ADRs) da Petrobras, negociados na Bolsa de Nova York, de US$ 28,00 para US$ 25,00 no caso das PN, e de US$ 27,50 para US$ 24,50 no caso dos recibos lastreados em ON. A mudança, segundo o banco, reflete a maior percepção de risco no Brasil e as menores estimativas para 2013 e 2014, com uma abordagem mais conservadora para o câmbio, adotada recentemente pela equipe de economistas do banco.

A queda do índice Ibovespa foi limitada pela alta da petroleira OGX, do empresário Eike Batista, que avançou quase dois por cento. A OGX ON seguiu volátil e terminou em alta de 1,96%, para R$ 0,52.

Os papéis da MMX lideraram as baixas do Ibovespa, com queda de mais de quatro por cento.  A lista de maiores baixas trouxe  MMX ON (-4,37%), PDG Realty ON (-2,71%) e Braskem PNA (-2,46%). O Citibank reduziu a recomendação das ações da PDG de neutra para venda, e cortou o preço-alvo de R$ 3,20 para R$ 1,50. A instituição prevê que 2013 e 2014 ainda serão anos difíceis em termos de resultados para a construtora e estima um consumo do caixa neste ano da ordem de R$ 800 milhões.

Já na outra ponta, as ações da Gol foram os destaques de alta, com valorização de mais de cinco por cento, após a agência de classificação de risco Standard & Poor’s retirar a companhia aérea da lista de observação para um possível rebaixamento de rating. A lista de maiores altas trouxe Gol PN (5,21%), Eletropaulo PN (4,78%) e Brookfield ON (4,10%).

 

Terça-Feira (09/07/2013) – Mercado Bovespa fecha devido ao feriado estadual da Revolução Constitucionalista de 1932

 

Na terça-feira, o Mercado Bovespa permaneceu fechado devido ao feriado estadual da Revolução Constitucionalista de 1932. Na Bolsa de Valores de Nova York, os papéis brasileiros foram negociados normalmente, na forma de ADRs (recibos de ações).

 

Quarta-Feira (10/07/2013) – Ibovespa fecha em alta na expectativa pela reunião do Copom

 

O Mercado Bovespa encerrou o pregão desta quarta-feira em alta, mas com fraco volume de negócios, com investidores na expectativa pela decisão sobre a taxa básica de juros do país e avaliando a ata da última reunião do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos.

O Ibovespa fechou em alta de 0,90%, a 45.483 pontos, com operadores citando movimentos de ajuste após o feriado em São Paulo na véspera, quando as ações globais avançaram. O giro do pregão foi de 5,5 bilhões de reais, abaixo da média diária de 2013, de cerca de 7,9 bilhões de reais.

Na máxima da sessão, o Ibovespa chegou a subir dois por cento, mas o movimento perdeu força à tarde, um pouco depois da divulgação da ata do Federal Reserve. O documento mostrou que o banco central norte-americano quer mais garantias de recuperação do emprego nos EUA antes de reduzir seu programa de compra de ativos. No entanto, o consenso entre as autoridades do Fed é de começar a diminuir em breve as medidas de estímulo econômico.

No entanto, a grande expectativa do mercado girou realmente em torno da decisão do Copom sobre os próximos passos de política monetária no país. Após reunião de dois dias, o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciaria na noite desta quarta-feira sua decisão sobre a taxa Selic, com o mercado estimando uma elevação de 0,5 ponto percentual do juro básico do país.

Nesta sessão, a petroleira OGX foi o destaque de alta do Ibovespa, com operadores citando a notícia de que o grupo EBX, de Eike Batista, confirmou a reestruturação de seu acordo com a Mubadala, fundo soberano de Abu Dhabi, reduzindo a dívida da holding com o investidor. Ainda em meio à reestruturação do grupo, a OGX fez consulta à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) sobre a possibilidade de dar como garantia o óleo de Tubarão Martelo para os direitos adquiridos no último leilão de áreas de exploração.

Copel também subiu forte na sessão, após o órgão regulador do setor elétrico, Aneel, aprovar o aumento médio de 9,55 por cento neste ano, deixando o restando do reajuste médio de 14,61 por cento para entrar no cálculo da tarifa de 2014. Em sentido oposto, as ações do grupo de telefonia Oi e da construtora e incorporadora PDG Realty ficaram entre as principais baixas do índice.

 

Quinta-Feira (11/07/2013) – Mercado Bovespa fecha em forte alta estimulado por aposta em continuidade de política monetária dos Estados Unidos e por bom desempenho das ações da Petrobras

 

O discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Ben Bernanke, na noite de quarta-feira em Boston, mudou a percepção do mercado sobre o início da retirada dos estímulos da economia americana e trouxe os investidores de volta aos mercados emergentes nesta quinta-feira. As ações da Petrobras subiram mais de 7%, puxando a valorização do índice.

Ben Bernanke disse que “pode-se apenas concluir que uma política monetária altamente acomodatícia para o futuro previsível é o necessário a economia americana”. Em outras palavras, os estímulos devem continuar por mais tempo, garantindo um maior volume de dólares em circulação nos mercados.

Além do discurso de Ben Bernanke, o primeiro-ministro chinês, Li Kenqiang, também colaborou para o otimismo dos mercados, ao afirmar que a China precisa garantir um limite mínimo para o crescimento econômico, e que a inflação não pode romper um teto, embora não tenha dito quais seriam esses limites.

A bolsa brasileira subiu forte, assim como outros mercados emergentes, como China (3,23%), Rússia (1,62%) e México (1,20%). Em Wall Street, o dia também foi de ganhos, com o S&P 500 (1,36%) e o Dow Jones (1,11%) batendo novos recordes de fechamento.

No pregão desta quinta-feira, o Ibovespa fechou em forte alta de 2,51%, a 46.626 pontos, com volume de R$ 7,058 bilhões. Sem notícias negativas e sendo a pior bolsa do mundo, a Bovespa teve um dia de euforia, de recuperação.

As ações preferenciais das blue chips Vale e Petrobras foram as principais influências positivas para o Ibovespa nesta quinta-feira.

Destaque principal para o salto de mais de 7% da ação ordinária da Petrobras, com operadores citando maior otimismo com as perspectivas para o pagamento de dividendos após a petroleira estatal anunciar mudança em sua prática contábil. A alteração vai evitar que a estatal tenha perdas de R$ 7 bilhões no segundo trimestre, em valores de mercado do fim de junho. A BES Securities acredita que as despesas financeiras atingiriam R$ 10 bilhões de abril a junho caso a regra antiga continuasse a ser utilizada. Com a adoção do pronunciamento contábil, os gastos cairiam para R$ 3 bilhões. Petrobras PN ganhou 3,87%, para R$ 15,80, mas a ON disparou 7,24%, para R$ 14,80 e liderou os ganhos do Ibovespa.

Porém, as ON da Petrobras não foram as únicas a subir mais que as PN hoje. O mesmo fenômeno aconteceu em outras empresas relevantes que possuem as duas classes de papéis, como Vale e Bradesco. Operadores comentaram que o avanço das ON foi reflexo da forte entrada de investidores estrangeiros, que preferem esse tipo de ação.

O otimismo com a China impulsionou as commodities e, por tabela, as ações da Vale e das siderúrgicas. Vale PNA subiu 4,16%, para R$ 27,54, enquanto Vale ON teve alta de 4,65%, para R$ 30,32. Também mereceu destaque a alta de Bradesco ON (5,0%, a R$ 30,24), que ficou ligeiramente acima do avanço de Bradesco PN (4,94%, a R$ 27,36).

A lista de maiores altas do Ibovespa trouxe, além de Petrobras ON, CSN ON (7,06%), MRV ON (5,73%) e Gol PN (5,05%).

Na ponta negativa ficaram a volátil OGX (-6,77%), que chegou a figurar entre as maiores altas por alguns momentos, JBS ON (-2,29%) e Natura ON (-2,16%). Com a piora do cenário macroeconômico e as vendas fracas registradas pela Natura, a Brasil Plural Corretora reduziu as estimativas de receita e lucro para a empresa de cosméticos no segundo trimestre e em todo o ano de 2013.

Para os analistas, é pouco provável que os resultados do segundo trimestre tragam uma perspectiva de melhora. Eles destacam os desafios concorrenciais, as limitações de inovação e o cenário sombrio pela frente.

 

Sexta-Feira (12/07/2013) – Ibovespa cai forte com novo tombo das ações de Eike Batista

 

O principal índice acionário da Bovespa caiu mais de dois por cento nesta sexta-feira, com novos sinais de fragilidade da economia brasileira minando o apetite de investidores por ações locais e pressionada pelo novo tombo das ações das empresas de Eike Batista.

O Ibovespa encerrou a sessão com recuo de 2,34%, a 45.533 pontos, após a trégua dos dois últimos pregões.

Nesta sessão, ações das empresas de Eike Batista lideraram as perdas do Ibovespa, com destaque para a petroleira OGX, que perdeu quase 22%. Os papéis da LLX e da MMX também caíram mais de 20%. Operadores atribuíram o movimento às persistentes preocupações do mercado sobre o futuro do grupo EBX. Nesta sexta-feira, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) disse que vai analisar os três poços que a OGX tem em Tubarão Azul, para estabelecer se são economicamente viáveis, e poderá retomar a área petrolífera.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) divulgado pela manhã também assustou investidores, ao mostrar que a economia brasileira teve em maio a maior retração desde 2008. A prévia do PIB apontou recuo de 1,4% no mês, pressionada pela fraqueza da produção industrial. É mais uma evidência do baixo crescimento que o Brasil está tendo, abaixo das projeções do mercado.

Diante de um cenário mais desafiador para a economia doméstica, estrategistas do Bank of America Merrill Lynch cortaram a estimativa para o Ibovespa no fim de 2013 para 50 mil pontos, de 65 mil pontos anteriormente.

 

Petrobras

 

Na segunda semana de julho, as ações da Petrobras fecharam em forte alta. As ações preferenciais da empresa (PETR4) terminaram a semana cotadas a R$ 15,36 – uma valorização de 1,39%. Já as ações ordinárias (PETR3) tiveram um desempenho ainda melhor, fechando a semana com uma valorização de 5,99%.

08/07/2013 – 12/07/2013

FEC

ABE

MÍN

MÁX

PETR3

14,50

13,76

15,15

13,50

PETR4

15,36

15,20

14,97

15,92

 

De um modo geral, as ações da Petrobras valorizaram-se pela volta dos investidores estrangeiros à bolsa de valores brasileira. O mercado está um pouco mais tranqüilo, após o banco central americano dar a entender que manterá por mais algum tempo sua política monetária de estímulo ao crescimento econômico. Especificamente em relação à alta de quase seis por cento das ações ordinárias da Petrobras, o ótimo desempenho se explica pela alteração contábil realizada no balanço da empresa, gerando um maior otimismo com as perspectivas para o pagamento de dividendos por parte dos acionistas.

 

Vale

 

Na semana, as ações preferenciais da Vale (VALE5) subiram 2,12%, fechando cotadas em R$ 27,01. Já as ações ordinárias da empresa, VALE3, fecharam a segunda semana de julho cotadas a R$ 29.83 – valorização de 3,94% em relação ao preço de fechamento da semana anterior (R$ 28,70).

08/07/2013 – 12/07/2013

FEC

ABE

MÍN

MÁX

VALE3

29,83 28,75 28,17 30,48

VALE5

27,01

26,26

26,01

27,58

 

 

Deixe um comentário