Substituição: sai Crise na Ucrânia, entra reunião do Federal Reserve (Fed)

LinkedIn

Bolsas de Valores da Ásia

 

Os principais índices de ações das bolsas de valores asiáticas subiram nesta terça-feira, com os investidores oscilando entre o alívio provocado pela diminuição da ameaça de um conflito militar imediato na Ucrânia e a ansiedade pelo resultado da reunião do Comitê de Política Monetária (Fomc) do Federal Reserve (Fed).

O índice Nikkei 225, principal referência da Bolsa de Valores de Tóquio, fechou em alta de +0,94%, cotado em 14.411 pontos. O índice se recuperou da mínima das últimas seis semanas, atingida na véspera.

O índice SSE Composite, principal referência da Bolsa de Valores de Xangai, fechou em alta de 0,08%, cotado em 2.025 pontos.

O índice Hang Seng, principal referência da Bolsa de Valores de Hong Kong, em alta de 0,49%, cotado em 21.586 pontos.

O índice Sensex (BSE 30), principal referência da Bolsa de Valores de Mumbai, fechou em baixa de 0,10%, cotado em 21.833 pontos.

 

Crise na Ucrânia

 

Os Estados Unidos e a União Europeia impuseram sanções, incluindo congelamento de ativos e proibição de viagens, contra um grupo pequeno de autoridades da Rússia e da Ucrânia após o referendo do final de semana que foi favorável, com ampla margem, à Crimeia se unir à Rússia.

Por enquanto, o apetite por risco se elevou à medida que diminuiu a probabilidade de um conflito militar imediato.

O índice RTSI, principal referência da Bolsa de Valores de Moscou, fechou novamente com forte valorização (4,18%), cotado em 1.161 pontos.

No período da tarde, ou seja, após o fechamento do mercado asiática, uma nova declaração do presidente russo trouxe ainda mais alívio para os investidores: Vladimir Putin afirmou que não planeja ocupar quaisquer outras regiões da Ucrânia.

 

Federal Reserve

 

Nesta terça-feira, os agentes de mercado voltaram suas atenções à perspectiva econômica dos Estados Unidos e ao resultado da reunião de dois dias do Comitê de Política Monetária (Fomc) do Federal Reserve (Fed), que será divulgado amanhã.

A expectativa é de que o Fed continue a reduzir suas compras mensais de ativos em mais 10 bilhões de dólares e possa alterar sua orientação futura em seu pronunciamento.

 

Tesouro Direto

 

A variação dos preços unitários dos títulos públicos negociados no Tesouro Direto nesta terça-feira foi bastante sintomática: valorização dos títulos de curto prazo (pré-fixados e indexados pelo IPCA) e dos títulos indexados pela taxa selic – um espelho do último Boletim Focus divulgado na véspera, que aponta para um maior crescimento da inflação em 2014.

Parece que os investidores concordaram com a opinião dos analistas consultados pelo Banco Central para elaboração do relatório: pelo menos no curto prazo, a inflação subirá, aproximando-se cada vez mais do teto da meta de 6,5%.

Os investidores também passaram a apostar em alta da taxa selic, visto que a valorização média diária das Letras Financeiras do Tesouro aumentou de 0,04% para 0,20%. O curioso é que os analistas consultados pelo Bacen continuam apostando que o teto da alta da taxa básica de juros não passará de 11,0% até o final de 2014. Atualmente, a taxa encontra-se em 10,75%.

Na dúvida, os investidores também mantiveram suas apostas nos títulos pré-fixados de curto prazo (Letras do Tesouro Nacional), que oferecem rentabilidade de quase treze por cento ao ano, independentemente de variação das taxas de inflação e de juros.

 

Bolsas de Valores da Europa

 

As ações europeias fecharam em alta nesta terça-feira, trocando de sinal no fim da sessão, após declarações do presidente russo, Vladimir Putin, aliviarem preocupações com a possível escalada das tensões na Ucrânia.

Em Londres, o índice Financial Times (FTSE 100) fechou em alta de 0,56%, cotado a 6.605 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX (DAX 30) subiu 0,67%, para 9.242 pontos. Em Paris, o índice CAC (CAC 40) ganhou 0,97%, para 4.313 pontos. Já em Milão, o índice Ftse Mib (FTSE MIB) teve valorização de 0,86%, fechando cotado em 21.038 pontos.

As bolsas de valores respiraram aliviadas após Vladimir Putin, desafiando protestos ucranianos e sanções ocidentais, assinou tratado na tornando a Crimeia parte da Rússia mas afirmou que não planeja ocupar quaisquer outras regiões da Ucrânia.

A notícia alimentou expectativas de que o mercado retomará o recente rali após cair por tensões geopolíticas na Ucrânia e preocupações com a desaceleração da economia chinesa.

Outra boa notícia foi a recuperação da balança comercial da zona do euro em janeiro, demonstrando que o bloco econômico está no rumo certo para recuperar-se da maior crise de sua breve história.

 

Emprego

 

O mercado de trabalho brasileiro registrou a abertura de 260.823 novas vagas com carteira assinada em fevereiro. Foi o melhor resultado para o mês desde 2011 e o sétimo mês consecutivo de expansão, na comparação com o mesmo período do ano anterior.

A performance do último mês superou com sobras a registrada em fevereiro de 2013, quando foram criados 123 mil postos de trabalho. Em relação a janeiro, quando tinham sido criados 29.595 vagas com carteira, a alta de fevereiro foi quase nove vezes. O resultado surpreendeu o s analistas de mercado, que esperavam pela abertura de 110 mil novos postos de trabalho.

Considerando apenas a geração de empregos na indústria, o setor recuperou a estabilidade após dois meses consecutivos de queda, de 0,4% em dezembro e 0,1% em novembro. Frente a janeiro de 2013, houve queda de 2,0% – vigésimo-oitavo resultado negativo nesse tipo de comparação, e o mais intenso desde dezembro de 2009, quando foi de 2,4%. Em 12 meses, a queda acumulada é de 1,2%.

 

Alexandre Tombini

 

O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini afirmou, nesta terça-feira, que os efeitos dos aumentos da taxa básica de juros (Selic) nos preços ainda estão por vir.

O presidente do BC lembrou que a taxa selic vem sendo ajustada desde abril do ano passado e voltou a dizer que os efeitos da elevação são cumulativos e defasados. Atualmente, a taxa selic está em 10,75% ao ano.

 

Dólar

 

O dólar fechou queda de 0,34% nesta terça-feira, cotado a R$ 2,3420 na venda e R$ 2,3400 na compra. É o menor valor desde 06 de março, quando a moeda norte-americana encerrou o dia a R$ 2,321.

No contexto nacional, a queda do dólar foi influenciada pelas constantes intervenções do Banco Central e por declarações do presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini.

No cenário internacional, investidores estavam atentos à crise na Crimeia e a declarações do presidente russo, Vladimir Putin.

 

Mercado Bovespa

 

O Ibovespa, principal índice da bolsa de valores brasileira, fechou em alta pelo segundo dia seguido nesta terça-feira, com valorização de 2,29%, a 46.150,96 pontos. É a maior alta desde 06 de fevereiro, quando a Bolsa encerrou o dia com ganhos de 2,39%.

Com isso, a Bovespa registrou uma leve recuperação após ter fechado, na sexta-feira, ao menor nível dos últimos cinco anos.

Das 72 ações que compõem o Ibovespa, apenas quatro fecharam em queda.

A alta do Ibovespa foi puxada, principalmente, pelo bom desempenho da Petrobras, da Vale e dos bancos Itaú Unibanco e Bradesco, que estiveram entre as ações mais negociadas.

 

Bolsas de Valores de Nova Iorque

 

Os principais índices de ações dos Estados Unidos fecharam em alta pelo segundo dia consecutivo nesta terça-feira, com o índice Standard & Poor’s 500 fechando próximo de seu nível recorde, após declarações do presidente da Rússia, Vladimir Putin, aliviarem preocupações com a possibilidade de que as tensões na Ucrânia se intensifiquem.

Os ganhos foram amplos, com nove dos dez índices setoriais do S&P 500 terminando no azul. O índice de tecnologia do S&P, com alta de 1,4%, liderou o avanço, impulsionado pela ação da Microsoft, que avançou cerca de quatro por cento ao longo do dia.

O índice Dow Jones avançou 0,55%, para 16.336 pontos. O índice Standard & Poor’s 500  teve valorização de 0,72%, para 1.872 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq Composite subiu 1,25%, para 4.333 pontos.

Deixe um comentário