Tesouro Direto: rentabilidade dos títulos públicos federais em janeiro de 2015

LinkedIn

Os títulos públicos negociados no Tesouro Direto fecharam o primeiro mês de 2015 com rentabilidade média acumulada nos últimos doze meses de 15,79% ao ano. Essa é a quarta maior taxa anual aferida para o índice desde 2005. A maior taxa de rentabilidade média acumulada em 12 meses foi registrada, justamente, em 2005: 18,1% ao ano. Entre os diferentes tipos de títulos negociados, a maior taxa de rentabilidade anualizada foi registrada pelas Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-B), que fecharam janeiro de 2015 em 21,33%. A segunda maior taxa de remuneração anualizada foi registrada pelas Notas do Tesouro Nacional Série C (NTN-C), que encerraram o primeiro mês do ano em 19,00% ao ano. Na terceira posição, aparecem os títulos públicos com rentabilidade prefixada – as Letras do Tesouro Nacional (LTN) e as Notas do Tesouro Nacional Série F (NTN-F). A rentabilidade média acumulada nos últimos doze meses por esses títulos foi de 13,50% ao ano. Por fim, os títulos que fecharam janeiro de 2015 com a menor taxa de rentabilidade anualizada foram as Letras Financeiras do Tesouro (LFT): 10,96% ao ano.

Rio de Janeiro, 25 de Fevereiro de 2015 – Com relação à rentabilidade dos títulos públicos federais negociados no Tesouro Direto, a maior taxa de retorno foi registrada pelos títulos indexados pela taxa básica de juros – a Taxa SELIC. A rentabilidade desses títulos aumentou 0,14 ponto percentual em janeiro de 2015. Os títulos prefixados, por sua vez, tiveram um aumento de 2,1 pontos percentuais. Já o títulos indexados pelo Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M), apresentaram um acréscimo mensal de 6,96% à sua taxa de remuneração. Por fim, os títulos públicos indexados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) registraram um aumento de 6,79 pontos percentuais.

O Índice Geral, também conhecido como Índice de Mercado Anbima (IMA), apresentou um acréscimo de 3,43 pontos percentuais em janeiro de 2015. Esse índice, criado pela Anbima em parceira com o Tesouro Nacional, afere a rentabilidade de uma carteira de investimentos teórica formada, exclusivamente, por títulos públicos em circulação no mercado. É considerado um parâmetro eficiente para avaliar a evolução da rentabilidade dos títulos públicos, imprimindo maior dinamismo aos mercados primário e secundário da dívida mobiliária federal.

Notícias Relacionadas

– Brasil: dívida pública federal cai 2,09% no primeiro mês de 2015

– Estoque de títulos públicos no Tesouro Direto sobe 0,60% no primeiro mês de 2015

– Instituições financeiras e fundos de investimento reduzem exposição aos títulos da dívida brasileira em janeiro de 2015

– Brasil: perfil de vencimento dos títulos da dívida pública federal em janeiro de 2015

– Brasil: custo médio da dívida pública federal em janeiro de 2015

– Tesouro Direto: volume negociado pelos títulos públicos federais em janeiro de 2015

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.