Brasil: Receita do setor de serviços cresce 0,8% em fevereiro de 2015. Resultado de janeiro também foi revisado para cima

LinkedIn

Rio de Janeiro, 20 de Abril de 2015 – De acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) realizada mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o setor de serviços brasileiro fechou o segundo mês de 2015 com um crescimento da receita nominal de 0,8%, na comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Esta foi a menor variação da série histórica do índice iniciada em janeiro de 2012 – inferior à taxa registrada em dezembro de 2014 (4,0%) e à taxa revisada de janeiro de 2015 (1,8%). A taxa acumulada no ano é de 1,3%, enquanto que a taxa acumulada nos últimos doze meses é de 4,7%.

No segundo mês de 2015, os serviços prestados às famílias registraram crescimento de 6,8%. Os serviços de informação e comunicação obtiveram alta de 0,6% e os serviços profissionais, administrativos e complementares fecharam fevereiro de 2015 com valorização de 3,6%. Por outro lado, o setor de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio apresentou variação negativa de -1,9%. O mesmo para a categoria outros serviços, que fechou o segundo mês de 2015 com -0,2% de crescimento frente ao mesmo mês no ano anterior.

A Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), primeiro indicador conjuntural mensal que investiga o setor de serviços no país, abrange as atividades do segmento empresarial não financeiro, exceto os setores da saúde, educação, administração pública e aluguel imputado (valor que os proprietários teriam direito de receber se alugassem os imóveis onde moram).

O segmento de serviços prestados às famílias registrou, no Brasil, uma variação de 6,8% em fevereiro sobre igual mês do ano anterior, inferior às taxas de janeiro (8,9%) e dezembro (8,8%). A variação acumulada no ano ficou em 7,9% e em 12 meses, 8,3%. Os serviços de alojamento e alimentação registraram variação nominal de 6,4% e outros serviços prestados às famílias, 9,4%.

Os serviços de informação e comunicação registraram variação nominal de 0,6% em fevereiro, na comparação com igual mês do ano anterior, contra -1,9% de janeiro e -2,0% de dezembro. A variação acumulada no ano ficou em -0,6% e em 12 meses, 2,0%. Os serviços de tecnologia da informação e comunicação-TIC, que abrangem os serviços de telecomunicações e de tecnologia da informação, apresentaram taxa de 1,6% e os serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias, apresentaram variação negativa de -5,3%.

O crescimento dos serviços profissionais, administrativos e complementares foi de 3,6% em fevereiro, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, inferior às variações de janeiro (5,4%) e dezembro (11,0%). A variação acumulada no ano ficou em 4,5% e em 12 meses, 7,8%. Os serviços técnico-profissionais, correspondentes aos serviços intensivos em conhecimento, registraram decréscimo de -6,5% e os serviços administrativos e complementares, que abrangem as atividades intensivas em mão-de-obra, cresceram 7,2%.

O segmento de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio registrou uma variação nominal negativa de -1,9% em fevereiro, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Em janeiro e dezembro, o segmento registrou variações positivas de 2,1% e 4,9%, respectivamente. A variação acumulada no ano ficou em 0,2% e em 12 meses, 4,5%. Por modalidade, os resultados foram: transporte terrestre, com -2,5%, transporte aquaviário, com 12,0% e transporte aéreo, com -4,5%. A atividade de armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio apresentou taxa de -1,9%.

O segmento outros serviços apresentou variação nominal negativa de -0,2%, sendo que em janeiro não houve variação significativa (0,0%) e em dezembro, 3,4%. A variação acumulada no ano ficou em -0,1% e em 12 meses, 5,7%.

Revisão de Resultado

O IBGE, através de Pesquisa Mensal de Serviços divulgada em fevereiro de 2015, revisou uma série de dados referentes ao desempenho do setor de serviços brasileiro ao longo de janeiro. De acordo com o instituto de pesquisas, o setor de serviços nacional cresceu 1,8% no primeiro mês do ano, 0,2% a mais do que o resultado divulgado no relatório de janeiro. Todas as categorias do setor de serviços também tiveram suas taxas de crescimento revisadas: serviços de alojamento e alimentação (de 8,6% para 8,9%); serviços de informação e comunicação (de -2,5% para -1,9%); serviços profissionais. administrativos e complementares (de 5,3% para 5,4%); serviços de transporte, auxílio de transporte e correio de 2,1% para 2,2%); e outros serviços (-0,1% para 0,0%).

Notícias Relacionadas

– IBGE: 16 dos 27 estados brasileiros perderam receitas no setor de serviços em fevereiro de 2015. Estado do Tocantins foi o que registrou a maior taxa de crescimento (7,9%)

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.