Relatório sobre os resultados operacionais e financeiros da Brasil Foods (BRFS3) no 2° trimestre de 2015

LinkedIn

No dia 30 de julho de 2015, a Brasil Foods (BRF) divulgou relatório sobre seus resultados operacionais e financeiros durante o segundo trimestre de 2015. As informações financeiras e operacionais contidas nesse relatório, exceto quando indicado de outra forma, são apresentadas em bases consolidadas, em reais brasileiros, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, incluindo a Legislação Societária e a convergência às normas internacionais do IFRS. As comparações realizadas neste comunicado levam em consideração o segundo trimestre de 2014, exceto quando especificado em contrário.

Brasil Foods é uma empresa de alimentos focada na produção e venda de carne de aves, carne suína, cortes de carne bovina, leite e derivados e produtos de alimentos processados sob diversas marcas. Os produtos processados incluem carnes de ave (chester e peru) marinadas e congeladas, carnes especiais, carnes processadas congeladas, entradas preparadas e congeladas, produtos em porções e produtos fatiados. Também vende margarina, sucos, produtos à base de soja, ração para animais, massas frescas, sobremesas e sanduíches. A empresa é resultado da fusão das empresas Sadia e Perdigão.

 

 

Desempenho Operacional da Brasil Foods no 2° Trimestre de 2015

A receita operacional líquida da BRF (BRFS3) atingiu R$ 7,9 bilhões no segundo trimestre do ano, incremento de 12,8% na comparação com igual período de 2014, divulgou hoje a companhia. O EBITDA, por sua vez, avançou 43,6% na mesma comparação, totalizando R$ 1,4 bilhão. O fluxo de caixa simplificado foi de R$ 3,7 bilhões no acumulado dos 12 meses.

No Brasil, a receita líquida de produtos processados ficou 15,2% maior, comparada a igual período de 2014. Mesmo com o cenário macroeconômico adverso, o mercado brasileiro apresentou aumento de 9,4% em volumes de alimentos processados na comparação com o ano anterior. “Estou muito contente por informar o que acreditamos ser resultados bons e fortes, tanto nos nossos negócios no Brasil quanto, principalmente, nos nossos negócios no mercado internacional”, comemora Pedro Faria, CEO global da BRF.

A margem EBITDA sobre o resultado global chegou a 17,4%, aumento de 3,7 pontos percentuais no período analisado. A margem bruta ficou em 31,9%, ante os 27,1% do mesmo período de 2014 e 30,7% do trimestre anterior. Já o ROIC (return on invested capital) acumulado nos últimos 12 meses (LTM) atingiu 13,3%, ante 7,9% do segundo trimestre de 2014.

O desempenho conquistado no mercado internacional merece destaque, sobretudo no Oriente Médio, beneficiado por mudanças estruturais implementadas no ano passado, bem como do ciclo favorável. Os volumes registraram 7,6% de alta em aves na comparação com o ano anterior, acompanhados de preços mais elevados, levando a um aumento de 42% nas receitas para esse segmento. No Oriente Médio e África, a margem EBIT chegou a 18,3%.

A dívida líquida global ficou em R$ 5,9 bilhões no segundo trimestre do ano, 4,5% abaixo da registrada em 31.03.15, o que resultou em uma dívida líquida sobre EBITDA (12 meses) de 1,12x ante 1,26x no trimestre anterior. Importante ressaltar, ainda, a emissão de €500 millhões em green bonds, a primeira por companhia brasileira.

 

 

Receita Operacional Líquida da Brasil Foods no 2° Trimestre de 2015

A receita líquida da BRF (BRFS3) no segundo trimestre de 2015, de R$ 7.913 bilhões, foi 12,8% maior que a do segundo trimestre de 2014, quando gerou R$ 7.015 bilhões. Já na comparação do segundo trimestre de 2015, com o primeiro trimestre do mesmo ano (R$ 7.048), houve variação de 12,3%.

 

 

EBITDA da Brasil Foods no 2° Trimestre de 2015

O EBTIDA da BRF (BRFS3) no segundo trimestre de 2015, de R$ 1.380 bilhão, foi 43,6% maior que a do segundo trimestre de 2014 (R$ 961 milhões) e 45,1% maior que a do primeiro semestre de 2015: R$ 951 milhões.

 

 

Retorno da Perdigão no 2° Trimestre de 2015

O segundo semestre de 2015 marca um momento muito importante, com o retorno dos principais produtos da Perdigão que foram suspensos nos últimos três anos. A partir de agora, a BRF (BRFS3) poderá operar em sua total capacidade, com um portfólio completo de marcas no país.

 

 

Margem bruta da Brasil Foods no 2° Trimestre de 2015

No segundo trimestre de 2015 a margem bruta da BRF (BRFS3) foi de 31,9%, 4,8 pontos porcentuais acima do segundo trimestre do ano anterior: 27,1%. A margem bruta do primeiro trimestre de 2015 foi de 30,7%.

 

 

Lucro Líquido da Brasil Foods no 2° Trimestre de 2015

O Lucro Líquido da BRF (BRFS3) no segundo trimestre de 2015 foi de R$ 364 milhões, 46,6% maior que a do segundo trimestre de 2014 (R$ 249 milhões). Já se compararmos com o primeiro trimestre de 2015, o resultado foi 21,0% negativo: R$ 462 milhões.

 

 

Lucro Bruto da Brasil Foods no 2° Trimestre de 2015

O Lucro Bruto da BRF (BRFS3) no segundo trimestre de 2015 foi de R$ 2.525 bilhões, 32,8% maior que a do segundo trimestre de 2014 (R$ 1.901 bilhão). Já se compararmos com o primeiro trimestre de 2015, o resultado foi 16,7% maior: R$ 2.164 bilhões.

 

 

Despesas operacionais da Brasil Foods no 2° Trimestre de 2015

As despesas operacionais da BRF (BRFS3) do segundo trimestre de 2015 foram 12,3% maiores em comparação ao mesmo período do ano anterior, em decorrência do aumento das despesas com vendas (+12,2%), devido a maiores gastos com fretes, salários e trade marketing, em linha com a estratégia da Companhia de melhorar seu posicionamento no ponto de venda, através da intensificação das ações de merchandising. Além de um aumento de 13,1% nas despesas administrativas em relação ao segundo trimestre de 2014. Na comparação com o trimestre anterior, as despesas operacionais tiveram um aumento de 6,6%. Como percentual da ROL, as despesas operacionais ficaram praticamente estáveis ano por ano, mas caíram 0,9% na comparação trimestral. Deve-se considerar que, a linha de despesas operacionais passou a consolidar as despesas da Federal Foods  (distribuidora adquirida no Oriente Médio em abril de 2014), Alyasra (distribuidora no Oriente Médio na qual a BRF detém 75% de participação desde novembro de 2014) e Invicta (adquirida pela BRF em maio de 2015).

 

 

Resultado Operacional (EBIT) da Brasil Foods  no 2° Trimestre de 2015

No segundo trimestre de 2015, o EBIT consolidado da BRF (BRFS3) atingiu R$1,1 bilhão, 58,6% acima na comparação com o mesmo período do ano anterior e 65,0% na comparação trimestre atual contra trimestre anterior, principalmente devido ao crescimento do lucro bruto (32,8%ano atual versus ano anterior), o que mais do que compensou o aumento nas despesas operacionais (+12,3% ano atual versus ano anterior, maiores despesas líquidas na linha de outros resultados operacionais (+64,9%ano atual versus ano anterior), e também o impacto do resultado de equivalência patrimonial, que passou de uma receita de R$11 milhões no segundo trimestre de 2014 para uma despesa de R$8 milhões no segundo trimestre de 2015. A margem operacional consolidada totalizou 13,4%, ante 9,5% no segundo trimestre de 2014, um crescimento de 3,9% ano atual versus ano anterior e 4,3% na comparação trimestre atual contra trimestre do ano anterior, resultado das iniciativas e mudanças estruturais implementadas durante os últimos doze meses.

 

 

Dívida Líquida da Brasil Foods no 2° Trimestre de 2015

A dívida líquida da BRF (BRFS3) ficou em R$5,9 bilhões no segundo trimestre de 2015, 4,5% abaixo da registrada em 31.03.15, o que resultou em uma dívida líquida sobre EBITDA (últimos doze meses) de 1,12x ante 1,04x no quarto trimestre de 2014 e 1,26x no primeiro trimestre de 2015. A BRF teve uma forte geração de resultado operacional no período, bem como um impacto positivo oriundo de variação cambial. Por outro lado, a dívida líquida foi negativamente impactada pela
recompra das ações, com valor de R$264 milhões e pelo prêmio pago na recompra dos bonds de US$100 milhões (equivalente a R$310 milhões).

 

 

Programa de investimento da Brasil Foods no 2° Trimestre de 2015

Os investimentos da BRF (BRFS3) realizados no trimestre totalizaram R$645 milhões, 37,2% acima na comparação ano atual e ano anterior e 106,4% superior no trimestre atual e trimestre anterior, sendo R$382 milhões destinados para a eficiência, crescimento e suporte, R$144 milhões para ativos biológicos e R$120 milhões para outros investimentos e arrendamento mercantil.

 

 

Desempenho da Brasil Foods no Mercado de Capitais no 2° Trimestre de 2015

Negociada no mercado Bovespa desde 17 de Fevereiro de 2006, a BRFS3 pertence à lista de ativos do Novo Mercado da principal bolsa de valores brasileira. A listagem nesse segmento especial assegura ao investidor detentor de ações ordinárias da Brasil Foods o direito de tag along de 100% sobre o preço pago pelas ações ordinárias do acionista controlador no caso de venda do controle acionário da empresa. Atualmente, das 872.473.246 ações ordinárias que compõem o capital social da Brasil Foods, 832.081.344 estão em circulação no mercado.

Outros direitos garantidos pela Brasil Foods ao acionista BRFS3 são: o direito ao dividendo; o direito a voto pleno; e o direito a reembolso de capital.

BRF S/A também possui valores mobiliários disponíveis para negociação no principal mercado de ações norte-americano, a Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE). Nesse mercado, o investidor pode comprar e vender American Depositary Receipts (ADRs) da Brasil Foods utilizando o código de negociação BRFS. Esse mesmo ADR também pode ser negociado na Bolsa de Valores do México (BMV) através dos códigos de negociação BRFSN.

 

 

Dividendos da Brasil Foods no 2° Trimestre de 2015

A reunião extraordinária do Conselho de Administração realizada em 18.06.15 aprovou a distribuição de R$426 milhões referente a juros sobre capital próprio, correspondente a R$0,5024 por ação em circulação, sujeitos à retenção do imposto de renda na fonte, mediante aplicação da alíquota cabível. Os proventos serão pagos aos acionistas no dia 14 de agosto de 2015, com base na posição acionária de 30 de junho de 2015.

 

Notícias Relacionadas

Comentários

  1. andrea diz:

    caros

    estou fazendo um trabalho de faculdade onde tenho que mensurar os pontos fortes e fracos da BRF. |Idenifico que os ponto fortes está em relação a eficiencia operacional onde teve o resultado operacional positivo em relação a 2014. Investiu fortemente na exepansão e produtos conseguindo emprestimos a longo prazo com boas taxas nao comprometendo o passivo de financiamentos

  2. andrea diz:

    estou certa na analise encamiNhada?

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.