Relatório sobre os resultados operacionais e financeiros da Embraer (EMBR3) no 1° trimestre de 2015

LinkedIn

Em 30 de Abril de 2015, a Embraer divulgou relatório sobre seus resultados operacionais e financeiros durante o primeiro trimestre de 2015. As informações financeiras e operacionais contidas nesse relatório, exceto quando indicado de outra forma, são apresentadas em bases consolidadas, em reais brasileiros, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, incluindo a Legislação Societária e a convergência às normas internacionais do IFRS. As comparações realizadas neste comunicado levam em consideração o primeiro trimestre de 2014, exceto quando especificado em contrário.

Embraer (EMBR3) atua na fabricação de  aeronaves comerciais e no fornecimento de aeronaves de defesa para a Força Aérea Brasileira (FAB). A empresa já vendeu aeronaves para as forças armadas da Europa, Ásia e América Latina. Além dos negócios associados a defesa e segurança, a Embraer também possui uma linha de jatos executivos nas categorias entry-level, light, ultra large e medium-light: a família Phenom 100/300, o Lineage 1000 e a família Legacy 450/500, respectivamente.

 

 

Conjuntura Econômica da Embraer no 1° Trimestre de 2015

No 1º trimestre de 2015, a Embraer (EMBR3) entregou 20 aeronaves comerciais e 12 executivas (sendo dez jatos leves e dois grandes).

A carteira de pedidos firmes (backlog) terminou o trimestre em US$ 20,4 bilhões, comparada aos US$ 19,2 bilhões do primeiro trimestre de 2014 e aos US$ 20,9 bilhões do final de 2014.

Como resultado das entregas de aeronaves bem como da receita do negócio de Defesa & Segurança, a Receita líquida atingiu R$ 3.068,3 milhões no primeiro trimestre de 2015.

As margens EBIT e EBITDA atingiram 7,5% e 14,0%, respectivamente no primeiro trimestre de 2015- maiores que os 7,4% e 12,1%, respectivamente, alcançados no primeiro trimestre de 2014.

O Prejuízo líquido atribuído aos acionistas da Embraer foi de R$ 196,0 milhões e o Prejuízo por ação foi de R$ 0,2676 no primeiro trimestre de 2015.

O Lucro líquido ajustado (excluídos o Imposto de renda e contribuição social diferidos)3 foi de R$ 131,2 milhões no primeiro trimestre de 2015.

A Embraer encerrou o  primeiro trimestre de 2015 com uma posição de Caixa total de R$ 5.800,0 milhões, com um Total de financiamento de R$ 7.665,4 milhões, resultando em uma Dívida líquida de R$ 1.865,4 milhões no trimestre.

 

 

A Receita Líquida e a Margem Bruta da Embraer no 1° Trimestre de 2015

No primeiro trimestre de 2015, a Embraer (EMBR3) entregou 20 aeronaves comerciais e 12 executivas (dez jatos leves e dois grandes), ante 14 aeronaves comerciais e 20 executivas (17 jatos leves e três jatos grandes) entregues no primeiro trimestre de 2014. As receitas no  primeiro trimestre de 2015 totalizaram R$ 3.068,3 milhões, representando crescimento de 5% em relação ao primeiro trimestre de 2014. Tal crescimento se deu principalmente devido à valorização do Dólar frente ao Real no período e pelo maior número total de E-Jets entregues no período. Esses dois fatores, aliados a um ganho de eficiência na produção dos E175, contribuíram para que a margem bruta subisse de 21,6% no primeiro trimestre de 2014 para 23,7% no primeiro trimestre de 2015. Esses efeitos positivos compensaram a baixa diluição do custo fixo nos segmentos de Defesa & Segurança e Aviação Executiva no período.

 

 

O Custo de produtos e serviços vendidos da Embraer no 1° Trimestre de 2015

Em 31 de março de 2015, as despesas da Embraer (EMBR3) foram de R$ 2.348,8 milhões, 2,34% superior ao custo do mesmo período no ano anterior (R$ 2.295,0 milhões), e -45,86% inferior ao custo do quarto trimestre de 2014: R$ 4.338,3 milhões.

 

 

O Resultado Operacional e a Margem Operacional da Embraer no 1° Trimestre de 2015

No primeiro trimestre de 2015, o Lucro operacional e a Margem operacional da Embraer (EMBR3) foram de R$ 229,0 milhões e 7,5% respectivamente, comparados ao Lucro operacional de R$ 215,4 milhões e Margem operacional de 7,4% registrados no primeiro trimestre de 2014. A depreciação do Real frente ao Dólar norte-americano no período, de 21%, foi o principal fator contribuinte para o aumento das despesas administrativas e comerciais no primeiro trimestre de 2015, quando comparadas ao primeiro trimestre de 2014. As despesas administrativas totalizaram R$ 123,7 milhões no primeiro trimestre de 2015, representando aumento em relação aos R$ 112,5 milhões relatados no primeiro trimestre de 2014, considerando entre outros aspectos o aumento salarial anual ocorrido no período, porém em linha com o compromisso contínuo da Empresa com a eficiência e gestão enxuta. As despesas comerciais foram de R$ 247,8 milhões no primeiro trimestre de 2015, comparadas aos R$ 218,5 milhões do primeiro trimestre de 2014. As despesas com Pesquisa foram de R$ 21,2 milhões no primeiro trimestre de 2015 e permaneceram estáveis em relação aos R$ 22,0 milhões do primeiro trimestre de 2014. A rubrica Outras receitas (despesas) operacionais, líquidas apresentou despesa de R$ 97,5 milhões, comparada à despesa de R$ 65,4 milhões no primeiro trimestre de 2014, devido principalmente à diminuição das multas contratuais relacionadas ao cancelamento de aeronaves.

 

 

O Lucro da Embraer no 1° Trimestre de 2015

O lucro bruto da Embraer (EMBR3) no primeiro trimestre de 2015 foi de R$ 719,5 milhões, (13,5%) superior ao mesmo período de 2014 (R$ 633,8 milhões) e (-21,19%) inferior ao quarto trimestre de 2014: R$ 913,0 milhões.

O lucro (prejuízo) líquido no primeiro trimestre de 2015 foi de -R$ 188,0 milhões, (- 177,54%) inferior ao primeiro trimestre de 2014, quando apresentou um lucro líquido de R$ 262,8 milhões. O resultado do primeiro trimestre foi de (-174,99%) inferior ao quarto trimestre de 2014: R$ 250,7 milhões.

 

 

O Resultado Líquido da Embraer no 1° Trimestre de 2015

No primeiro trimestre de 2015, o Prejuízo líquido atribuído aos Acionistas da Embraer (EMBR3) foi de R$ 196,0 milhões e o Prejuízo por ação foi de R$ 0,2678. A Margem líquida ficou negativa em 6,4% no primeiro trimestre de 2015, comparada à margem positiva de 8,8% alcançada no mesmo período do ano passado, em grande parte devido a uma despesa de imposto de renda mais elevada, de R$ 350,9 milhões no primeiro trimestre de 2015, comparada a uma receita de R$ 41,3 milhões no primeiro trimestre de 2014. O aumento dessa despesa no primeiro trimestre de 2015 se deu principalmente em razão do efeito da variação cambial ocorrida no período, que gerou uma maior despesa de imposto de renda e contribuição social sobre itens não monetários em relação ao mesmo período do ano anterior. O Lucro líquido ajustado no primeiro trimestre de 2015, excluindo o imposto de renda e a contribuição social diferidos foi de R$ 131,2 milhões, o que representa uma margem líquida ajustada de 4,3% no trimestre.

 

 

O Endividamento da Embraer no 1° Trimestre de 2015

A Embraer (EMBR3) encerrou o primeiro trimestre de 2015 com uma posição de Dívida líquida de R$ 1.865,4 milhões, comparada a uma Dívida líquida de R$ 224,2 milhões ao final de 2014 e ao Caixa líquido de R$ 119,3 milhões do primeiro trimestre de 2014. A queda de R$ 1.641,2 milhões na posição de Caixa líquido no primeiro trimestre de 2015 é consequência do impacto negativo do Uso livre de caixa no trimestre.

No primeiro trimestre de 2015, o Caixa líquido usado pelas atividades operacionais, líquido de investimentos financeiros e ganhos (perdas) não realizados foi de R$ 551,1 milhões, levando a um Uso livre de caixa de R$ 983,4 milhões, comparados aos respectivos usos de R$ 649,6 milhões e R$ 959,2 milhões do primeiro trimestre de 2014.

No primeiro trimestre de 2015, o endividamento da Empresa totalizou R$ 7.665,4 milhões, comparado aos R$ 6.662,0 milhões do quarto trimestre de 2014. Esse aumento se deu basicamente pela valorização do Dólar frente ao Real ocorrida no período. As dívidas de longo prazo totalizaram R$ 6.829,5 milhões, enquanto que as dívidas de curto prazo foram de R$ 835,9 milhões. Considerando o perfil atual da dívida, o prazo médio de endividamento foi de 5,3 anos no primeiro trimestre de 2015, em linha com o ciclo de negócios da Companhia. O custo das dívidas em Dólar entre quarto trimestre de 2014 e primeiro trimestre de 2015 permaneceu estável em 5,56% ao ano, enquanto o custo das dívidas em Reais subiu de 6,01% para 6,12% ao ano, devido ao aumento das taxas de juros na economia brasileira. A relação do EBITDA nos últimos 12 meses versus as despesas sobre os juros no trimestre ficou em 5,88, comparada ao valor de 6,01 do quarto trimestre de 2014. Ao final do primeiro trimestre de 2015, 31% da dívida total era denominada em Reais. A estratégia de alocação de caixa da Embraer continua sendo uma das principais ferramentas para a mitigação do risco cambial. Ajustando a alocação do caixa em ativos denominados em Reais ou Dólares  norteamericanos, a Companhia busca neutralizar sua exposição cambial sobre as contas do balanço. Ao final do primeiro trimestre de 2015, o caixa alocado em ativos denominados em Dólar Norte-Americano era de 41%.

 

 

As Receitas por Segmento da Embraer no 1° Trimestre de 2015

No primeiro trimestre de 2015, o mix de Receita líquida por segmento da Embraer (EMBR3) alterou-se em relação ao primeiro trimestre de 2014. O segmento de Aviação Comercial teve crescimento de 47% em relação à sua participação no total das receitas, crescendo de 44,7% no primeiro trimestre de 2014 para 62,8% no primeiro trimestre de 2015. As receitas dos segmentos de Defesa & Segurança, Aviação Executiva e Outros negócios representaram respectivamente 20,0%, 16,0% e 1,2% da Receita líquida total do primeiro trimestre de 2015, comparado às participações no primeiro trimestre de 2014 de 31,8%, 21,5% e 2,0% respectivamente. Essa queda de participação ocorreu devido à menor receita desses segmentos no período, quando comparadas ao mesmo período do ano anterior.

 

 

Os Ativos Totais da Embraer no 1° Trimestre de 2015

Os ativos totais da Embraer (EMBR3) no primeiro trimestre de 2015 foram de R$ 32.611,2 milhões, 17,93% superior ao quarto trimestre de 2014: R$ 27.653,6 milhões.

 

 

O Patrimônio Líquido da Embraer no 1° Trimestre de 2015

O patrimônio líquido da Embraer (EMBR3) no primeiro trimestre de 2015 foi de R$ 12.099,9 milhões, 17,87% superior ao quarto trimestre de 2014: R$ 10.265,4 milhões.

 

 

A Embraer no mercado de capitais

Negociada no Mercado Bovespa desde 23 de Maio de 2006, a EMBR3 pertence à lista de ativos do Novo Mercado da principal bolsa de valores brasileira. A listagem nesse segmento especial assegura ao investidor detentor de ações ordinárias da Embraer o direito de tag along de 100% sobre o preço pago pelas ações ordinárias do acionista controlador no caso de venda do controle acionário da empresa.

Ainda de acordo com o regulamento de listagem no segmento Novo Mercado da BM&FBOVESPA, a empresa também se compromete a manter em circulação uma parcela mínima de ações representando 25% de seu capital social (free float mínimo de 25%). Atualmente, das 740.465.044 ações ordinárias que compõem o capital social da Embraer (EMBR3), 734.705.564 estão em circulação no mercado.

Outros direitos garantidos pela Embraer (EMBR3)ao acionista EMBR3 são: o direito ao dividendo, excetuando as ações que se encontram em tesouraria; e o direito a voto restrito, no qual nenhum acionista poderá exercer votos em número superior a 5% da quantidade de ações que compõem o capital social da companhia.

Embraer S/A também possui valores mobiliários disponíveis para negociação no principal mercado de ações norte-americano, a Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE). Nesse mercado, o investidor pode comprar e vender American Depositary Receipts (ADRs) da Embraer utilizando o código de negociação ERJ. Esse mesmo ADR também pode ser negociado na Bolsa de Valores do México (BMV) através dos códigos de negociação ERJN. Também pode ser negociado no mercado de ações da Deutsche Boerse (XETRA), utilizando o código A1C2PZ.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.