Relatório sobre os resultados operacionais e financeiros da JBS (JBSS3) no 1° trimestre de 2015

LinkedIn

Em 13 de Maio de 2015, a JBS divulgou relatório sobre seus resultados operacionais e financeiros durante o primeiro trimestre de 2015. As informações financeiras e operacionais contidas nesse relatório, exceto quando indicado de outra forma, são apresentadas em bases consolidadas, em reais brasileiros, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, incluindo a Legislação Societária e a convergência às normas internacionais do IFRS. As comparações realizadas neste comunicado levam em consideração o primeiro trimestre de 2014, exceto quando especificado em contrário.

JBS (JBSS3) é a líder mundial em processamento de carne bovina, ovina e de aves, além de possuir uma forte participação na produção de carne suína. A empresa atua nas áreas de alimentos, couro, biodiesel, colágeno, embalagens metálicas e produtos de limpeza. A JBS também é a maior exportadora do mundo de proteína animal, vendendo para mais de 150 países.

Diversas marcas são controladas pelas empresas do grupo JBS. As mais conhecidas são: Swift, Friboi, Maturatta, Cabana Las Lilas, Pilgrim’s, Gold Kist Farms, Pierce, 1855, Seara, Fiesta, Doriana, Rezende, LeBon e Frangosul.

 

 

Conjuntura Econômica da JBS no 1° Trimestre de 2015

A receita líquida da JBS (JBSS3) no período foi de R$33,8 bilhões, o que representa um aumento de 28% em relação ao primeiro trimestre de 2014.

O lucro bruto no primeiro trimestre de 2015 foi de R$4,8 bilhões, 39,6% superior ao mesmo período do ano passado.

O EBITDA no no primeiro trimestre de 2015 foi de R$2,76 bilhões, crescimento de 57,6% sobre o no primeiro trimestre de 2014. A margem EBITDA foi de 8,2%.

A JBS (JBSS3) obteve lucro líquido de R$1,39 bilhão no no primeiro trimestre de 2015, equivalente a R$0,482 por ação.

No no primeiro trimestre de 2015, a geração de caixa operacional foi de R$4,5 bilhões e a geração de caixa livre anterior às aquisições foi de R$3,8 bilhões.

A JBS (JBSS3) encerrou o no primeiro trimestre de 2015 com uma dívida líquida de R$33,2 bilhões, isto após a aquisição do Grupo Primo, da Big Frango e do pagamento dos dividendos extraordinários da PPC, que totalizam um valor de R$5,5 bilhões, aproximadamente.

A alavancagem ao final do trimestre ficou em 2,3x, sendo que esse número seria 1,9x quando analisado antes das aquisições e dos dividendos extraordinários.

A aquisição do Grupo Primo foi concluída no último dia do primeiro trimestre de 2015.

Com receita anual de aproximadamente US$1,4 bilhão e EBITDA de US$110 milhões, os resultados da Primo não estão contemplados nos resultados da JBS (JBSS3).

 

 

A Receita Líquida da JBS no 1° Trimestre de 2015

A receita líquida da JBS (JBSS3) totalizou no primeiro trimestre de 2015 R$ 33.819 milhões, uma queda de -1,41% em relação ao quarto trimestre de 2014 (R$ 34.303,2 milhões) e um aumento de 28,00% em relação ao primeiro trimestre de 2014: R$ 26.419,1 milhões.

No primeiro trimestre de 2015, a receita líquida da JBS Foods foi de R$ 3,9 bilhões, aumento de 39,4% em relação ao primeiro trimestre de 2014.

No primeiro trimestre de 2015, a receita líquida da JBS Mercosul foi de R$ 6,8 bilhões, aumento de 18,5% em relação ao primeiro trimestre de 2014.

No primeiro trimestre de 2015, a receita líquida da JBS USA Carne Bovina foi de US$ 5,2 bilhões, aumento de 14,8% em relação ao primeiro trimestre de 2014.

No primeiro trimestre de 2015, a receita líquida da JBS USA Suínos foi de US$ 762,3 milhões, redução de 15,0% em relação ao primeiro trimestre de 2014.

No primeiro trimestre de 2015, a receita líquida da PPC foi de US$ 2,05 bilhões, aumento de 1,7% em relação ao primeiro trimestre de 2014.

Os destaques foram a JBS Foods, que registrou aumento na receita de 39,4%, a JBS Mercosul, com crescimento de 18,5% e a operação da JBS USA de Carne Bovina, que registrou crescimento de 14,8%, comparado ao primeiro trimestre de 2014. No primeiro trimestre de 2015, aproximadamente 71% das vendas globais da JBS foram realizadas nos mercados domésticos em que a Companhia atua e 29% por meio de exportações.

 

 

O EBITDA da JBS no 1° Trimestre de 2015

O EBTIDA ajustado  da JBS (JBSS3) no primeiro trimestre totalizou R$ 2,757,8 milhões, -16,17% inferior ao quarto trimestre de 2014 (R$ 3.289,7 milhões), e 57,62% superior ao primeiro trimestre de 2014: R$ 1.749,7 milhões.

O EBITDA da JBS Foods no trimestre foi de R$ 616 milhões, aumento de 62,2% comparado ao primeiro trimestre de 2014. A margem EBITDA foi de 15,9%.

O EBITDA da JBS Mercosul no trimestre foi de R$ 376,4 milhões, redução de 36,8% comparado ao primeiro trimestre de 2014. A margem EBITDA foi de 5,6%.

O EBITDA da JBS USA Carne Bovina no trimestre foi de US$ 186,6 milhões, revertendo o resultado do primeiro trimestre de 2014. A margem EBITDA foi de 3,6%.

O EBITDA da JBS USA Suínos no trimestre foi de US$ 93,2 milhões, 12,4% superior ao primeiro trimestre de 2014. A margem EBITDA foi de 12,2%.

O EBITDA da PPC no trimestre foi de US$ 363,5 milhões, 77,2% superior ao primeiro trimestre de 2014. A margem EBITDA foi de 17,7%.

O resultado é reflexo da melhora expressiva no EBITDA da JBS Foods e da PPC, que registraram aumento de 62,2% e de 77,2%, respectivamente, quando comparado ao primeiro trimestre de 2014, aliado à melhora continua das operações de bovinos nos Estados Unidos, que passaram de um EBITDA de US$ 22,5 milhões negativos no primeiro trimestre de 2014 para US$ 186,6 milhões no primeiro trimestre de 2015.

 

 

O lucro bruto da JBS no 1° Trimestre de 2015

O lucro bruto da JBS (JBSS3) no primeiro trimestre foi de R$ 4.777,8 milhões, -12,11% inferior ao quarto trimestre de 2014, quando registrou um lucro bruto de R$ 5.436,2 milhões. Já na comparação com o primeiro trimestre de 2014, quando registrou um lucro bruto de R$ 3.421,3 milhões, 39,65% inferior ao trimestre atual.

 

 

As despesas da JBS no 1° Trimestre de 2015

As despesas com vendas da JBS (JBSS3) no primeiro trimestre de 2015 foram de – R$ 1.955,2 milhões, -6,17% inferior ao quarto trimestre de 2014 (- R$ 2.083,8 milhões) e +21,86% superior ao primeiro trimestre de 2014: – R$ 1.604,4 milhões.

As despesas administrativas e gerais no primeiro trimestre de 2015 foram de – R$ 843,3 milhões, -26,43% inferior ao quarto trimestre de 2014 ( – R$ 1.146,2 milhões) e +22,57% ao primeiro trimestre de 2014: – R$ 688,0.

 

 

O resultado financeiro líquido da JBS no 1° Trimestre de 2015

A JBS (JBSS3) registrou no primeiro trimestre de 2015 uma receita financeira líquida de R$ 83,9 milhões. A despesa de variações cambiais ativas e passivas foi de R$ 3.757,0 milhões, compensada pelo resultado financeiro com derivativos de R$ 4.489,0 milhões. Os juros passivos foram de R$ 825,6 milhões negativos, enquanto que os juros ativos foram de R$ 229,4 milhões positivos. Impostos, contribuições, tarifas e outros resultaram em uma despesa de R$ 52,0 milhões.

 

 

O resultado operacional da JBS no 1° Trimestre de 2015

O resultado operacional da JBS (JBSS3) no primeiro trimestre de 2015 foi de R$ 2.089,4 milhões, +52,70% superior ao quarto trimestre de 2014 (R$ 1.368,3 milhões) e +704,54 % superior ao primeiro trimestre de 2014: R$ 259,7 milhões.

 

 

Imposto de Renda e Contribuição Social da JBS no 1° Trimestre de 2015

O imposto de renda e contribuição social (IR/CS) da JBS (JBSS3) no período foi de R$ 561,3 milhões, equivalente a uma alíquota efetiva de 26,9%. A redução da alíquota sobre o quarto trimestre de 2014 é devido à contabilização de IR/CS diferidos sobre prejuízo fiscal acumulado em subsidiárias adquiridas nos últimos anos e que até o fechamento do exercício de 2014 não atendiam os critérios necessários para contabilização.

 

 

O lucro líquido da JBS no 1° Trimestre de 2015

O lucro líquido da JBS (JBSS3) no primeiro trimestre de 2015 foi de R$ 1393,7 milhões, +125,23% superior ao quarto trimestre de 2014 (R$ 618,8 milhões) e +1.891 % superior ao primeiro trimestre de 2014: R$ 70,0 milhões.

 

 

O endividamento da JBS no 1° Trimestre de 2015

A JBS (JBSS3) encerrou o primeiro trimestre de 2015 com uma dívida líquida de R$ 33,2 bilhões, isto após a aquisição do Grupo Primo, da Big Frango e do pagamento dos dividendos extraordinários da PPC, que totalizam um valor de R$ 5,5 bilhões, aproximadamente.

A alavancagem no primeiro trimestre de 2015 ficou em 2,3x, comparado a 2,1x no quarto trimestre de 2014. O aumento da alavancagem decorre do pagamento das aquisições da Primo Smallgoods e da Big Frango, bem como do pagamento de dividendos extraordinários aos minoritários da Pilgrim’s, compensado pela geração de caixa operacional do período. A alavancagem ficaria em 1,9x quando analisado antes das aquisições e dos dividendos extraordinários.

A JBS (JBSS3) encerrou o trimestre com R$ 14.120,8 milhões em caixa, equivalente a 104% da dívida de curto prazo, aproximadamente. Além disso, a JBS USA possui US$ 1,5 bilhão em linhas de crédito rotativas e garantidas que somadas as disponibilidades de caixa equivalem a 140% da dívida de curto prazo.

A porcentagem da dívida de Curto Prazo (CP) em relação à dívida total ficou em 29% no primeiro trimestre de 2015. No final do período, 88% da dívida consolidada da Companhia era denominada em dólares americanos com um custo médio de 5,23% ao ano. O percentual da dívida em reais, 12% da dívida consolidada, apresentou um custo médio de 11,45% ao ano.

 

 

Os ativos da JBS no 1° Trimestre de 2015

Os ativos totais da JBS (JBSS3) no primeiro trimestre de 2015 foram de R$ 92.460.550 milhões, 12,70% superior ao quarto trimestre de 2014 ( R$ 82.043.682 milhões).

 

 

O patrimônio líquido da JBS no 1° Trimestre de 2015

O patrimônio líquido da JBS (JBSS3) no primeiro trimestre de 2015 foi de R$ 27.539.945 milhões, 7,40% superior ao quarto trimestre de 2014 ( R$ 25.642.525 milhões).

 

 

A JBS no mercado de capitais

Negociada no Mercado Bovespa desde 29 de Março de 2007, a JBSS3 pertence à lista de ativos do Novo Mercado da principal bolsa de valores brasileira. A listagem nesse segmento especial assegura ao investidor detentor de ações ordinárias da JBS (JBSS3) o direito de tag along de 100% sobre o preço pago pelas ações ordinárias do acionista controlador no caso de venda do controle acionário da empresa.

Ainda de acordo com o regulamento de listagem no segmento Novo Mercado da BM&FBOVESPA, a empresa também se compromete a manter em circulação uma parcela mínima de ações representando 25% de seu capital social (free float mínimo de 25%). Atualmente, das 2.944.425.560 ações ordinárias que compõem o capital social da JBS (JBSS3), 1.676.252.804 estão em circulação no mercado.

Outros direitos garantidos pela JBS ao acionista JBSS3 são: o direito ao dividendo mínimo obrigatório de 25% do lucro líquido de cada exercício social; o direito a voto pleno; e o direito de preferência na subscrição de ações, debêntures conversíveis em ações ou bônus de subscrição.

JBS S/A também possui valores mobiliários disponíveis para negociação no mercado de balcão organizado norte-americano. Nas plataformas OTCQX OTCGM, adminstradas pela Pink OTC Market, o investidor pode comprar e vender American Depositary Receipts (ADRs) da JBS utilizando os códigos de negociação JBSAY e JBSAF.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.