IPCA: inflação aferida em Brasília é a maior do país em Setembro de 2015

LinkedIn

São Paulo, 08 de Outubro de 2015 – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês de setembro de 2015 apresentou oscilação mensal de 0,54%. Essa taxa de variação é 0,32% maior que a valorização registrada no mês anterior (0,22%). Dentre treze regiões metropolitanas pesquisadas para elaboração do indicador, nove aceleraram, e quatro regiões registraram desaceleração da variação mensal. A maior variação mensal dentre as regionais pesquisadas foi registrada pela região metropolitana de Brasília (1,25%).

Na capital brasiliense, o índice foi pressionado em virtude da alta de 11,70% nas contas de energia elétrica, na alta de 22,83% das passagens aéreas e ônibus urbano, com reajuste de 33,34%.

O menor índice foi registrado em Campo Grande (-0,28%), onde a energia elétrica apresentou queda de 6,80%, os preços dos combustíveis (-3,20%), com o litro da gasolina 3,23% mais barato e o do etanol, 7,97%.

Confira abaixo as variações percentuais do IPCA nas treze capitais aferidas pelo indicador:

– O índice de preços aferido no Rio de Janeiro registrou alta de 0,49% em setembro e baixa de -0,02% em agosto (diferença de variação de 0,51%).

– O índice de preços aferido em São Paulo registrou alta de 0,71% em setembro e alta de 0,24% em agosto (diferença de variação de 0,47%).

– O índice de preços aferido em Campo Grande registrou baixa de -0,28% em setembro e alta de 0,25% em agosto (diferença de variação de -0,53%).

– O índice de preços aferido em Goiânia registrou alta de 0,67% em setembro e alta de 0,23% em agosto (diferença de variação de 0,44%).

– O índice de preços aferido em Vitória registrou alta de 1,13% em setembro e alta de 0,25% em agosto (diferença de variação de 0,88%).

– O índice de preços aferido em Porto Alegre registrou alta de 0,56% em setembro e alta de 0,28% em agosto (diferença de variação de 0,28%).

– O índice de preços aferido em Fortaleza registrou alta de 0,57% em setembro e alta de 0,32% em agosto (diferença de variação de 0,25%).

– O índice de preços aferido em Belo Horizonte registrou alta de 0,41% em setembro e alta de 0,05% em agosto (leve diferença de variação de 0,36%).

– O índice de preços aferido em Belém registrou alta de 0,13% em setembro e alta de 0,32% em agosto (diferença de variação de -0,19%).

– O índice de preços aferido em Curitiba registrou alta de 0,54% em setembro e alta de 0,47% em agosto (diferença de variação de 0,07%).

– O índice de preços aferido em Salvador registrou alta de 0,27% em setembro e alta de 0,41% em agosto (diferença de variação de -0,14%).

– O índice de preços aferido em Brasília registrou alta de 1,25% em setembro e baixa de -0,16% em agosto (diferença de variação de 1,41%).

– O índice de preços aferido em Recife registrou alta de 0,17% em setembro e alta de 0,18% em agosto (diferença de variação de -0,01%).

O IPCA é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desde 1980 e se refere às famílias com rendimento monetário mensal de 01 (um) a 40 (quarenta) salários mínimos. A coleta de preços é realizada em estabelecimentos comerciais, prestadores de serviços, domicílios e concessionárias de serviços públicos.

Para cálculo do IPCA em maio de 2015 foram comparados os preços coletados no período de 30 de agosto a 27 de setembro de 2015 (referência) com os preços vigentes no período de 30 de julho a 29 de agosto de 2015 (base).

Notícias Relacionadas

Inflação: IPCA acelera em Setembro e registra menor variação para o mês desde 2013

IPCA: inflação anual de 9,49% acumulada até Setembro é a maior registrada desde 2003

Veja quais foram os itens que mais pressionaram o aumento da inflação medida pelo IPCA em Setembro de 2015

IPCA: inflação aferida em Brasília é a maior do país em Setembro de 2015

Comentários

  1. jose celso rabello neto diz:

    Como bancário, venho buscar informações reais sobre a inflação do período pelo fato de estarmos vivenciando uma greve onde os banqueiros, como todos sabem, foram os que mais ganhos obtiveram e são intransigentes com a categoria, sem sequer ter a dignidade de propor reajuste que contemple a inflação. Uma vergonha.
    Agradeço os esclarecimentos que certamente servirão de argumento para que possamos obter sucesso nas negociações. Obrigado.

Deixe um comentário