Com quedas de até 4%, Vale, Petrobras e bancos derrubam Ibovespa; Oi cai quase 10% e dólar volta aos R$ 3,84

LinkedIn

No dia em que o mercado local reflete a renúncia do presidente do BTG Pactual André Esteves, depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) transformou sua prisão temporária em preventiva frente as denúncias de que o executivo teria pago R$ 45 milhões ao deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para defender interesses do banco, o Índice Bovespa abriu em queda. Às 11h15, o principal indicador de ações do país caía 1,54%, para 45.164 pontos. Esteves, que também participava do Conselho de Administração da BM&FBovespa, deixou o cargo nesta manhã.

Apesar de anotação apreendida pela Polícia Federal (PF) provando o repasse de dinheiro para Cunha, o deputado negou a acusação, além de falar em uma “armação” contra ele. Segundo o jornal Valor Econômico, os fundos abertos do BTG encolheram R$ 4,4 bilhões dois dias antes da prisão do presidente do banco. Ainda de acordo com a publicação, a instituição teria passado todo o fim de semana tentando vender sua participação de aproximadamente 12% na Rede D’Or para o Fundo Soberano de Cingapura (GIC). O acordo que visa capitalizar o banco desde a grande saída de capital por conta do escândalo envolvendo Esteves pode ser fechado hoje. No mesmo horário, as units (recibos de ações) do BTG tinham baixa de mais de 10%, cotadas a R$ 20,47. O assunto já foi citado por publicações internacionais como The Wall Street Journal e Bloomberg.

No início do pregão, pioravam o cenário brasileiro as perdas das ações ordinárias (ON, com voto) e preferenciais da série A (PNA, sem voto) da Vale, que recuavam 4,51% e 4,42%, respectivamente. Com forte peso no Ibovespa, Bradesco PN recuava 2,65%, assim como Itaú Unibanco PN, 0,91%, Banco do Brasil ON, 2,66%, e as units do Santander, 0,96%. Petrobras ON, por sua vez, perdia 1,61%, como Petrobras PN, 1,84%, mesmo com alguma valorização da commodity no exterior.

Por aqui, os investidores também repercutiam os resultados do setor público consolidado em outubro. No período, houve déficit primário de R$ 11,5 bilhões apontou hoje o Banco Central (BC). O Governo Central apresentou déficit de R$ 12,3 bilhões, enquanto os governos regionais e as empresas estatais apresentaram superávits primários de R$ 775 milhões e R$ 11 milhões.

Destaques do Ibovespa

As piores quedas do índice eram de Oi PN, 9,94%, Bradespar PN, 8,83%, Gerdau Metalúrgica PN, 5,05%, e Usiminas PNA, 4,40%. Enquanto a operadora Oi recuava sem razões específicas, as mineradoras e siderúrgicas perdiam com notícias de instabilidade econômica na China, com suspeitas de intervenção do governo. Na contramão, as maiores alta do indicador ficavam com Braskem PNA, 3,59%, Kroton ON, 0,86%, Gerdau PN, 0,66%, e Embraer ON, ,0,41%.

Petróleo, EUA e Europa têm leve avanço

Entre as commodities, o petróleo WTI, negociado em Nova York, tinha alta de 1,22%, para US$ 42,22, acompanhado pelo Brent, de Londres, que avançava 1,20%, para US$ 45,40. No mercado futuro americano, o Dow Jones tinha recuo de 0,08%, mas o S&P 500 ganhava 0,06%, como o índice da Nasdaq, 0,22%.

Na Europa, mesmo com queda de 0,4% das vendas alemãs no varejo em outubro, pior do que o esperado pelo mercado (+0,4%), o Stoxx 50, dos 50 papéis mais líquidos do bloco, subiam 0,69%, seguidos pelo britânico Financial Times, 0,13%, o francês CAC, 0,63%, e o alemão DAX, 0,90%.

Juros sobem e dólar atinge R$ 3,84

As taxas de juros futuros dos contratos válidos até janeiro de 2016 abriram o dia com recuo em 14,15% ao ano, ante 14,16% da semana passada. Para 2017, as projeções subiram de 15,70% para 15,77%. No longo prazo, 2021 tinha taxas de 15,96%, contra 15,91% da última sexta-feira. No mercado de câmbio, o dólar comercial tinha valorização de 0,47%, para R$ 3,84 na venda, enquanto o dólar turismo ficava estável em R$ 3,95. A moeda chegou a ter alta de 1,5%, próxima dos R$ 3,90.

Deixe um comentário