Com Vale e bancos, Ibovespa recua 1% e volta aos 47 mil pontos

LinkedIn

Às 12h05, o Índice Bovespa recuava 1,15%, para 47.593 pontos. As perdas das ações da Vale e dos bancos, principalmente, pressionavam o indicador para baixo.

Os papéis ordinários (ON, com voto) do Banco do Brasil tinham queda de 1,71%, como as ações preferenciais (PN, sem voto) do Bradesco, 2,33%, Itaú Unibanco PN, 2,12%, e as units (recibos de ações) do Santander, 1,97%. Já Vale ON e PNA caíam 2,32% e 1,94%, respectivamente.

Com importante peso no Ibovespa, Petrobras ON seguia estável, enquanto seus papéis PN perdiam 0,62%, apesar da alta do petróleo no exterior. No mesmo sentido, Ambev ON tinha recuo de 1,10%.

Da agenda brasileira de indicadores, o desemprego alcançou 8,9% no terceiro trimestre (julho, agosto e setembro) de 2015, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a maior taxa da série iniciada em 2012. Já a Dívida Pública Federal (DPF) teve, em outubro de 2015, queda de 3,22%, em comparação ao mês anterior. No total, a dívida caiu de R$ 2,734 trilhões para R$ 2,646 trilhões. Foi a primeira redução do endividamento público, computado mês a mês, desde janeiro deste ano.

Grupo chinês investirá R$ 1,7 bilhão na Azul

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras informou hoje que o chinês HNA Group deverá investir R$1,7 bilhão na companhia brasileira, cerca de 23,7% do valor econômico da empresa, com direito a assento no conselho da aérea. Com o novo acordo, a Azul passará a valer R$ 7 bilhões.

Altas e baixas do Ibovespa

As piores quedas do índice ficavam com TIM ON,  3,16%, JBS ON, 3,15%, Kroton ON, 2,91%, e Itaúsa PN, 2,72%. Na contramão, as maiores altas eram de Gerdau PN, 2,26%, Ecorodovias ON, 1,75%, Usiminas PNA, 1,19%, e Fibria ON, 0,88%.

Europa tem fortes perdas e petróleo sobe quase 2%

Num dia de recuperação entre as commodities, o petróleo WTI, negociado em Nova York, teve valorização de 1,94%, para US$ 42,56, acompanhado pelo barril do tipo Brent, de Londres, que ganhava 2,14%, para US$ 45,79.

Na zona do euro, os investidores refletem hoje uma nova estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) alemão no terceiro trimestre, um avanço 1,8% na comparação anual. Além disso, o Índice de Clima de Negócios do Instituto IFO passou de 108,2 para 109 pontos em novembro, em linha com as estimativas de estabilidade dos analistas. O Stoxx 50, dos 50 papéis mais líquidos da região, caía 1,82%, como o Financial Times, de Londres, 1,19%, o CAC, de Paris, 2,16%, e o DAX, de Frankfurt, 1,83%.

No mercado futuro americano, o Dow Jones tinham perdas de 0,17%, seguido pelo S&P 500, 0,12%, e pelo índice da Nasdaq, 0,05%.

Juros seguem direções opostas; dólar cai para R$ 3,72

Pela manhã, as taxas de juros futuros válidas até janeiro de 2016 ficavam estáveis em 14,17% ao ano. Para 2017, as projeções subiam de 15,10% para 15,13%, enquanto os contratos com vencimento no início de 2021 registravam taxas de 15,23%, ante 15,25% de ontem. Já o dólar comercial marcava queda de 0,50%, sendo vendido por R$ 3,72, como o dólar turismo que também perdia 0,50%, para R$ 3,91 na venda.

Deixe um comentário