IBGE: Apenas 4 dos 27 estados brasileiros tiveram aumento de volume no setor de serviços em Setembro de 2015

LinkedIn

No nono mês do ano, o setor de serviços no Brasil registrou queda de -4,8% em relação ao mesmo mês do ano anterior no volume dos serviços e não variou na mesma comparação referente a receita nominal dos serviços. No que se refere aos resultados regionais de setembro, na comparação com igual mês do ano anterior, apenas quatro Unidades da Federação apresentaram variações positivas de volume, isto é, Rondônia (6,5%), Mato Grosso (5,7%), Roraima (4,7%) e Mato Grosso do Sul (3,3%).

Entre todas as unidades federativas do país, o estado de Rondônia apresentou a maior contribuição, fechando o mês de setembro com alta de 6,5% no volume dos serviços do setor. Por outro lado, o Amapá registrou a maior queda entre os estados: -13,4%.
No mês anterior, também foram os dois estados Rondônia e Amapá que representaram os maiores e menores resultados, respectivamente.

Os estados que apresentaram as maiores taxas negativas foram: Amapá (-13,4%), Amazonas (-13,3%) e Maranhão (-12,9%). Na região Sudeste, São Paulo registrou queda de (-6,1%) e Rio de Janeiro (-2,8%), Minas Gerais (-5,6%) e Espírito Santo (-6,8%).

Os dados acima foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que realiza mensalmente uma Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) – o primeiro indicador conjuntural responsável por investigar o setor de serviços no país. Esta pesquisa abrange as atividades do segmento empresarial não financeiro, exceto os setores da saúde, educação, administração pública e aluguel imputado (valor que os proprietários teriam direito de receber se alugassem os imóveis onde moram).

Notícias Relacionadas

Brasil: Volume do setor de serviços caiu 4,8% em Setembro de 2015

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.