Relatório sobre os resultados operacionais e financeiros da Elektro (EKTR3 e EKTR4) no 3° trimestre de 2015

LinkedIn

Em 27 de Outubro de 2015, a Elektro divulgou relatório sobre seus resultados operacionais e financeiros durante o terceiro trimestre de 2015. As informações financeiras e operacionais contidas nesse relatório, exceto quando indicado de outra forma, são apresentadas em bases consolidadas, em reais brasileiros, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, incluindo a Legislação Societária e a convergência às normas internacionais do IFRS. As comparações realizadas neste comunicado levam em consideração o terceiro trimestre de 2014, exceto quando especificado em contrário.

Elektro (BOV:EKTR3 e BOV:EKTR4) está principalmente envolvida na transmissão, distribuição e geração de energia elétrica para vários setores, incluindo industrial, residencial, rural e setor público. A empresa distribui energia elétrica para 228 municípios no estado de São Paulo e cinco cidades do estado do Mato Grosso do Sul.

 

 

Conjuntura Econômica da Elektro no 3° Trimestre de 2015

Nos primeiros nove meses de 2015 a Elektro (EKTR3 e EKTR4) alcançou o EBITDA de R$ 575,8 milhões e um Lucro Líquido de R$ 267,8 milhões.

A partir de dezembro de 2014, os valores a receber e a devolver de Parcela A (referentes às variações entre os gastos não gerenciáveis efetivamente incorridos e os gastos reconhecidos no momento da fixação da tarifa nas revisões tarifárias e/ou nos reajustes tarifários) foram reconhecidos no resultado da Companhia, refletindo sua real situação econômica, antes impactada temporariamente por estes gastos.

Em março de 2015 foi aprovada a Revisão Tarifária Extraordinária com o objetivo de garantir o equilíbrio econômico e financeiro das  distribuidoras de energia em um cenário de elevados custos de energia. O reajuste médio aplicado nas tarifas da Elektro foi de 24,25%.

Em março de 2015 a Elektro realizou captação de R$ 300,5 milhões por meio do instrumento de Lei nº 4.131, com prazo de vencimento de três anos e custo médio de 93,6% do CDI.

Em agosto de 2015 foi concluído o processo de Revisão Tarifária da Elektro, com reajuste médio aplicado nas tarifas de 4,20%, a partir de 27 de agosto de 2015. A 4ª Revisão Tarifária representou avanços importantes como o aumento da remuneração do capital (WACC), de 7,50% para 8,09%, e contribuiu para a consolidação do modelo regulatório do setor elétrico brasileiro.

 

 

A Receita da Elektro no 3° Trimestre de 2015

No terceiro trimestre de 2015, a receita líquida da Elektro (EKTR3 e EKTR4) atingiu R$ 4.093,6 bilhões, um aumento de 36,0% da receita líquida na comparação com o terceiro trimestre de 2014, quando registrou R$ 3.010,3 bilhões.

A receita bruta da Elektro no terceiro trimestre de 2015 foi de R$ 6.928,5 bilhões sendo 67,0% superior ao terceiro trimestre de 2014: R$ 4.149,2 bilhões.

 

 

O EBITDA da Elektro no 3° Trimestre de 2015

No terceiro trimestre de 2015, o EBITDA da Elektro (EKTR3 e EKTR4) atingiu R$ 575,8 milhões sendo 180,4% superior ao EBITDA do terceiro trimestre de 2014: R$ 205,4 milhões.

A margem EBITDA da Elektro no terceiro trimestre de 2015 foi de 14,1% sendo 7,2 ponto porcentual superior ao terceiro trimestre de 2014: 6,8%.

 

 

As despesas da Elektro no 3° Trimestre de 2015

Os Gastos e Despesas Operacionais somaram R$ 594,7 milhões até o terceiro trimestre de 2015 frente a R$ 518,9 milhões no mesmo período de 2014. Este resultado decorre pelo repasse parcial da inflação e pelo aumento das Provisões para Devedores Duvidosos.

No período, a Elektro (EKTR3 e EKTR4) apresentou Despesa Financeira de R$ 39,5 milhões, redução de 10,6% frente ao mesmo período do ano anterior (R$ 44,2 milhões).

 

 

O Lucro Líquido da Elektro no 3° Trimestre de 2015

A Elektro (EKTR3 e EKTR4) registrou lucro líquido de R$ 267,8 milhões no terceiro trimestre de 2015, com incremento superior à 1000,0% quando comparado ao mesmo período de 2014 (R$ 1,2 milhão).

 

 

O Endividamento da Elektro no 3° Trimestre de 2015

A Elektro (EKTR3 e EKTR4) encerrou os nove primeiros meses de 2015 com endividamento líquido de R$ 1.878,5 milhões (16,2% além da posição encerrada em 31 de dezembro de 2014, quando o endividamento líquido era de R$ 1.617,2 milhão), resultado do endividamento total de R$ 2.585,4 milhões e saldo de caixa, aplicações financeiras e caução de fundos de R$ 706,9 milhões.

A dívida de curto prazo corresponde a 19% do endividamento total. De janeiro a setembro de 2015 foi liberado o montante de R$ 54,1 milhões referente ao contrato de financiamento junto ao BNDES e Banco do Brasil, firmado em dezembro de 2013 na modalidade FINEM, no montante de R$ 348,4 milhões destinados à implantação do Plano de Investimentos 2013-2014 com prazo de financiamento de 10 anos e carência de 2 anos.

Em fevereiro de 2015, a Companhia alongou por 19 meses o prazo de vencimento do financiamento em moeda estrangeira (via Lei nº 4131), contratado em junho de 2014 junto ao Citibank, no montante de R$ 150,0 milhões. O prazo inicial que era junho de 2016 passou para janeiro de 2018 e as taxas de juros foram mantidas as mesmas aplicadas no contrato original.

Em março de 2015, utilizando o instrumento financeiro da Lei nº 4.131, de 3 de setembro de 1962, a Companhia contratou duas novas linhas de financiamento denominadas em moeda estrangeira no montante total de R$ 300,5 milhões com o prazo de vencimento de 3 anos, sendo R$ 187,5 milhões junto ao Banco Mizuho e R$ 113,0 milhões com o Banco de Tokyo. Os pagamentos dos juros ocorrerão trimestralmente para ambas contratações, enquanto os pagamentos do principal acontecerão a partir de março de 2017, sendo anual para o Banco Mizuho e trimestralmente para o Banco de Tokyo, com custo médio final de 93,6% do CDI.

Objetivando a neutralização de qualquer risco cambial derivado dessas operações, foram contratadas operações de swap com o mesmo fluxo de liquidação do financiamento, resultando, assim, em uma operação denominada em moeda nacional atrelada à variação dos Certificados de Depósitos Interbancários (CDI).

Em maio de 2015, a Companhia alongou por 24 meses o prazo de vencimento do financiamento em moeda estrangeira (via Lei nº 4131), contratado em junho de 2014 junto ao Banco de Tokyo, no montante de R$ 100,0 milhões. O prazo inicial que era junho de 2016 passou para junho de 2018 e a taxa reduziu de 103% do CDI para 100,5% do CDI.

 

 

Os dividendos e juros sobre capital próprio da Elektro em 2015

Em 30 de abril de 2015, a Elektro (EKTR3 e EKTR4) efetuou o pagamento de R$ 333,8 milhões relativos a dividendos anuais e dividendos mínimos obrigatórios do exercício social de 2014, aprovado previamente na Assembleia Geral Ordinária de 9 de abril de 2015. Este montante já está deduzido dos valores de dividendos intermediários (R$ 12,7 milhões) e juros sobre capital próprio (R$ 94,1 milhões) pagos em 2014.

Em Reunião do Conselho de Administração, realizada em 16 de julho de 2015, foi aprovada a distribuição de dividendos intermediários no valor total de R$ 184,5 milhões, com base no resultado apurado no primeiro semestre de 2015. O pagamento está sendo efetuado em três parcelas, sendo que a primeira ocorreu em 31 de agosto e as seguintes estão programadas para 30 de outubro e 30 de dezembro de 2015.

Em Reunião do Conselho de Administração do dia 27 de outubro de 2015, foi aprovada a distribuição aos acionistas de Juros sobre Capital Próprio para o exercício social de 2015, no montante de R$ 115,6 milhões, o qual será pago conforme disponibilidade de caixa, precedido de aviso aos acionistas publicado para esta finalidade.

 

 

A Elektro no mercado de capitais

Negociada no Mercado Bovespa desde 08 de Julho de 1998, a EKTR3 ainda não migrou para nenhum dos segmentos especiais de listagem da BM&FBOVESPA – Bovespa Mais, Novo Mercado, Nível 2 e Nível 1. Todos esses segmentos prezam por rígidas regras de governança corporativa e asseguram determinados direitos e garantias aos acionistas, bem como a divulgação de informações mais completas para controladores, gestores da companhia e participantes do mercado, reduzindo o risco de investimento.

Mesmo não configurando em nenhum desses segmentos de listagem, a Elektro Eletricidade e Serviços assegura ao investidor detentor de ações ordinárias EKTR3, o direito de tag along de 80% sobre o preço pago pelas ações do acionista controlador no caso de venda do controle acionário da empresa. Atualmente, das 91.880.972 ações ações ordinárias que compõem o capital social da Elektro, 25.147 estão em circulação no mercado.

Dentre os direitos que a Elektro garante ao acionista EKTR3, estão: o direito ao dividendo mínimo obrigatório sobre o lucro líquido de cada exercício social; o direito a voto pleno; o direito a reembolso de capital; e a restrição a circulação de ações.

No caso de liquidação da Elektro, os acionistas detentores de ações preferenciais (EKTR4) terão prioridade no recebimento de pagamentos relativos a reembolso do capital, na proporção de suas participações no capital social, após o pagamento de todas as obrigações da companhia.

Já sobre a restrição a circulação de ações ordinárias, o Estatuto Social estipula que o acionista da Elektro, que figure como interveniente do Contrato de Concessão de Distribuição de Energia Elétrica celebrado com a União, por intermédio da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, fica obrigado a não transferir, ceder ou de qualquer forma alienar as ações de controle, direta ou indiretamente, gratuita ou onerosamente, sem a prévia concordância da referida Agência, exceto na medida em que mantenham, em sua propriedade, pelo menos 51% (cinqüenta e um por cento) do total de ações ordinárias da companhia.

Vale ressaltar que a Elektro não adota critérios para alteração dos direitos assegurados pelas ações de sua emissão além daqueles previstos na Lei das Sociedades por Ações, a qual prescreve que nem o Estatuto Social da companhia nem as deliberações tomadas em assembleia geral podem privar os acionistas do direito de: participar dos lucros sociais; participar, na hipótese de liquidação da companhia, da distribuição de quaisquer ativos remanescentes, na proporção de sua participação no capital social; fiscalizar a gestão da companhia, nos termos previstos na Lei das Sociedades por Ações; preferência na subscrição de futuros aumentos de capital, exceto em determinadas circunstâncias previstas na Lei das Sociedades por Ações e no estatuto social; e retirar-se da Companhia nos casos previstos na Lei das Sociedades por Ações.

Além das ações ordinárias EKTR3, o investidor também pode negociar ações preferenciais da Elektro Eletricidade e Serviços S/A na BM&FBOVESPA, através dos códigos de negociação EKTR4.

Elektro Eletricidade e Serviços S/A não possui valores mobiliários disponíveis para negociação no exterior.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.