Após cair forte durante quase todo o dia, dólar reage e emplaca a décima alta em 2016

LinkedIn

O dólar operou em queda durante quase todo o dia, com os investidores esperançosos de que o Federal Reserve (Fed), o Banco Central dos Estados Unidos, não aumentaria novamente a taxa básica de juros do país, com receio do novo enfraquecimento da economia mundial. Com a a reunião do Fed dominando mentes e corações, não houve nem tempo de comemorar a nova alta do barril de Petróleo, que fez os preços ultrapassarem a barreira dos US$ 32,00. No entanto, quase no fim do pregão, a moeda norte-americana começou a reagir, terminando a última quarta-feira do mês com nova alta – a décima em dezoito pregões realizados em 2016.

 

Dólar Hoje

O dólar subiu 0,39% ante o real nesta quarta-feira, 27 de Janeiro de 2016, negociado a R$ 4,0843 para compra e a R$ 4,0859 para venda. Ao longo do dia, a cotação da moeda norte-americana oscilou entre R$ 4,0335 (valor mínimo) e R$ 4,1168 (valor máximo).

 

Cenário Internacional

O dia foi de poucos negócios, uma vez que os investidores evitaram realizar grandes operações antes do encerramento da reunião de política monetária do Federal Reserve, que definiria o novo (ou velho) patamar da taxa de juros no país.

Como a decisão só sairia às 17 horas, horário de fechamento do mercado de câmbio brasileiro, toda a movimentação dos investidores foi baseada em especulações. Será que o Federal Reserve manterá a taxa de juros entre 0,25% e 0,5%? No fim do ano passado, o banco central norte-americano optou por promover a primeira alta da taxa básica de juros em uma década.

Na verdade, o que mais interessa aos investidores no momento é o tom do comunicado no qual o Fed anuncia sua escolha. O comunicado do Fed deve trazer pistas sobre o quanto a forte desvalorização dos preços do petróleo e os crescentes sinais de desaceleração da economia chinesa afetaram sua política monetária.

Qualquer sinal de que o banco central norte-americano não tem mais intenção de elevar a taxa de juros do país no curto prazo diminuiria bastante a pressão sobre as moedas emergentes. Isso ocorre porque os juros mais altos nos EUA podem atrair para lá recursos atualmente investidos em outros países, onde os negócios não são considerados tão seguros, como é o caso do Brasil.

No entanto, operadores ressaltam que a tendência do dólar continua sendo de alta. Podendo ser mais forte ou mais fraca, dependendo das intenções do Fed.

Enquanto aguardavam o comunicado do Fed, os investidores puderam aproveitar mais uma forte alta nos contratos futuros do petróleo. O preço da commodity subiu forte mesmo após a confirmação de um novo aumento nos estoques dos EUA. Em Londres e em Nova York, o barril foi negociado acima de US$ 32,00.

 

Federal Reserve

No final do dia, finalmente, os interlocutores do Fed acabaram com a agonia dos investidores. Na reunião encerrada nesta quarta-feira, a autoridade manteve as taxas de juros inalteradas e deu sinais de que pode mantê-las assim por um tempo maior agora diante das dificuldades econômicas dos Estados Unidos.

O comunicado do Fed afirma que o crescimento econômico desacelerou desde a sua última reunião em dezembro de 2015 e que é pouco provável que a inflação suba rapidamente em direção a sua meta de dois por cento ao ano, indicando um tom mais dovish, que sugere que o banco não vai ser rápido para elevar os juros novamente.

O banco central também citou a turbulência do mercado de ações nos EUA e na China, dizendo que está monitorando de perto os desenvolvimentos econômicos e financeiros globais. No entanto, apesar de perspectivas de curto prazo mais moderadas, o Fed disse que espera que a economia continue a crescer a um ritmo moderado, ajudado por um fortalecimento do mercado de trabalho. A votação foi de 10 a 0 pela manutenção da taxa de juros.

Em votação em separado, o Fed alterou os seus objetivos nas política de longo prazo para dizer formalmente que a sua meta de inflação de 2% era simétrica e não um teto. O presidente do Fed de Saint Louis, James Bullard, não concordou com esta mudança, dizendo que a nova linguagem não está suficientemente centrada nos desvios futuros esperados da inflação em relação à meta.

O Federal Reserve vai se reunir novamente nos dias 15 e 16 de março, enquanto a presidente da autoridade monetária, Janet Yellen, vai depor no Congresso sobre as perspectivas para a economia e as taxas de juros nos dias 11 e 12 de fevereiro.

 

Cenário Nacional

No cenário local, incertezas sobre a política econômica ainda deixam os investidores brasileiros receosos. Nesta quinta-feira, o Banco Central (BC) divulgará a ata da reunião da semana passada do Comitê de Política Monetária (Copom), quando decidiu pela manutenção dos juros apesar de ter sinalizado repetidamente que pretendia elevá-los. Na opinião dos investidores, a decisão do BC foi bastante controversa.

 

Banco Central

Na manhã desta quarta-feira, o Banco Central seguiu seu programa diário de interferência no câmbio e realizou mais um leilão de rolagem dos swaps cambiais com vencimento em 01 de fevereiro, vendendo a oferta total de até 11,6 mil contratos. Até o momento, o BC já rolou o equivalente a US$ 10,431 bilhões bilhões.

Por meio dos contratos de swap cambial, o BC realiza uma operação financeira que equivale à uma venda de moeda no mercado futuro (derivativos), o que reduz a pressão sobre a alta dessa moeda.

Os swaps são contratos para troca de riscos: o BC oferece um contrato de venda de dólares, com data de encerramento definida, mas não entrega a moeda norte-americana. No vencimento desses contratos, o investidor se compromete a pagar uma taxa de juros sobre o valor deles e recebe do BC a variação do dólar no mesmo período.

Esses contratos servem também para proteger os agentes que têm dívida em moeda estrangeira – neste caso, quando o dólar sobe, eles recebem do BC o valor dessa variação.

O BC vem usando os contratos de swap cambial desde junho de 2013, quando o dólar atingiu R$ 2,40. Quando o dólar sobe, o BC registra perdas. Se o dólar cair, no entanto, o BC tem lucro com esses contratos.

 

Variação da Cotação do Dólar Comercial em 27 de Janeiro de 2016

Data Compra Venda Variação % Variação Máximo Mínimo
16:59:00 4,0843 4,0859 0,3910% 0,0159 4,0873 4,0335
16:49:00 4,0873 4,0884 0,4520% 0,0184 4,0873 4,0335
16:39:00 4,0853 4,0869 0,4150% 0,0169 4,0853 4,0335
16:29:00 4,0840 4,0850 0,3690% 0,0150 4,0840 4,0335
16:19:00 4,0763 4,0785 0,2090% 0,0085 4,0763 4,0335
16:09:00 4,0736 4,0736 0,0880% 0,0036 4,0736 4,0335
15:59:00 4,0686 4,0691 -0,0220% -0,0009 4,0686 4,0335
15:49:00 4,0615 4,0640 -0,1470% -0,0060 4,0667 4,0335
15:39:00 4,0625 4,0650 -0,1230% -0,0050 4,0667 4,0335
15:29:00 4,0585 4,0610 -0,2210% -0,0090 4,0667 4,0335
15:19:00 4,0565 4,0595 -0,2580% -0,0105 4,0667 4,0335
15:09:00 4,0577 4,0584 -0,2850% -0,0116 4,0667 4,0335
14:59:00 4,0545 4,0570 -0,3190% -0,0130 4,0667 4,0335
14:49:00 4,0551 4,0563 -0,3370% -0,0137 4,0667 4,0335
14:39:00 4,0532 4,0539 -0,3960% -0,0161 4,0667 4,0335
14:29:00 4,0556 4,0568 -0,3240% -0,0132 4,0667 4,0335
14:19:00 4,0650 4,0657 -0,1060% -0,0043 4,0667 4,0335
14:09:00 4,0645 4,0666 -0,0840% -0,0034 4,0667 4,0335
14:00:00 4,0662 4,0669 -0,0760% -0,0031 4,0667 4,0335
13:50:00 4,0585 4,0610 -0,2210% -0,0090 4,0667 4,0335
13:39:00 4,0542 4,0549 -0,3710% -0,0151 4,0667 4,0335
13:29:00 4,0615 4,0640 -0,1470% -0,0060 4,0667 4,0335
13:19:00 4,0667 4,0679 -0,0520% -0,0021 4,0667 4,0335
13:09:00 4,0572 4,0579 -0,2970% -0,0121 4,0572 4,0335
12:59:00 4,0506 4,0512 -0,4620% -0,0188 4,0506 4,0335
12:49:00 4,0433 4,0445 -0,6270% -0,0255 4,0468 4,0335
12:39:00 4,0468 4,0479 -0,5430% -0,0221 4,0468 4,0335
12:29:00 4,0438 4,0449 -0,6170% -0,0251 4,0438 4,0335
12:19:00 4,0415 4,0445 -0,6270% -0,0255 4,0432 4,0335
12:09:00 4,0428 4,0439 -0,6410% -0,0261 4,0432 4,0335
12:00:00 4,0403 4,0409 -0,7150% -0,0291 4,0432 4,0335
11:49:00 4,0340 4,0352 -0,8550% -0,0348 4,0432 4,0335
11:39:00 4,0345 4,0357 -0,8430% -0,0343 4,0432 4,0335
11:29:00 4,0355 4,0375 -0,7990% -0,0325 4,0432 4,0335
11:19:00 4,0335 4,0360 -0,8350% -0,0340 4,0432 4,0335
11:09:00 4,0355 4,0380 -0,7860% -0,0320 4,0432 4,0340
10:59:00 4,0381 4,0391 -0,7590% -0,0309 4,0432 4,0340
10:49:00 4,0350 4,0362 -0,8300% -0,0338 4,0432 4,0340
10:39:00 4,0360 4,0390 -0,7620% -0,0310 4,0432 4,0340
10:29:00 4,0340 4,0350 -0,8600% -0,0350 4,0432 4,0340
10:19:00 4,0421 4,0434 -0,6540% -0,0266 4,0432 4,0359
10:09:00 4,0380 4,0410 -0,7130% -0,0290 4,0432 4,0359
10:00:00 4,0381 4,0387 -0,7690% -0,0313 4,0432 4,0359
09:49:00 4,0432 4,0439 -0,6410% -0,0261 4,0432 4,0359
09:39:00 4,0376 4,0393 -0,7540% -0,0307 4,0426 4,0359
09:29:00 4,0359 4,0370 -0,8110% -0,0330 4,0426 4,0359
09:20:00 4,0416 4,0426 -0,6730% -0,0274 4,0426 4,0416
09:09:00 4,0426 4,0443 -0,6310% -0,0257 4,0426 4,0426

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.