Dollar Week: Dólar ganha 0,83% na terceira semana de Fevereiro de 2016

LinkedIn

Na terceira semana de fevereiro, o dólar voltou a ser cotado acima de quatro reais. Foram dois pregões de baixa da moeda norte-americana, contra três de alta.

A semana havia começado favorável para as divisas dos países emergentes, após o banco central chinês promover uma forte valorização do yuan, logo na volta da semana de feriado em celebração do Ano Novo Lunar. Isso acalmou os investidores, que temiam por uma forte valorização do dólar logo após a reabertura do mercado financeiro do gigante asiático. O petróleo também reagiu bem ao longo da semana, distanciando-se da casa dos trinta reais, à medida que um acordo entre os principais países produtores da commodity, para reduzir sua produção mundial, vem se concretizando.

Mesmo assim, a moeda dos Estados Unidos ganhou força por aqui. No final da tarde de quarta-feira, a agência de classificação de risco Standard & Poor’s rebaixou novamente a nota de risco de crédito brasileira. Além disso, o governo federal continua bastante titubiante em promover os ajustes necessários para equilibrar as contas públicas. Os investidores perderam completamente a confiança de que as autoridades do país terão a responsabilidade de adotar as medidas necessárias para que o país encerre o ano superavitário e, de quebra, economizando recursos para cobrir, ao menos, parte dos altíssimos juros que incidirão sobre a nossa dívida soberana.

Em fevereiro, já são oito pregões de alta contra cinco pregões de baixa da moeda norte-americana, com uma leve desvalorização mensal de 0,04% da divisa dos Estados Unidos frente ao real. No ano, o dólar sobe 1,89%.

 

Variação diária do dólar na sexta semana de 2016

Data Compra Venda Variação Variação
15/02/16 3,9953 3,9963 0,17% 0,0068
16/02/16 4,0680 4,0705 1,86% 0,0742
17/02/16 3,9919 3,9940 -1,88% -0,0765
18/02/16 4,0460 4,0490 1,38% 0,0550
19/02/16 4,0217 4,0227 -0,65% -0,0263

 

O dólar em 15 de Fevereiro de 2016, segunda-feira

Em dia de feriado nos Estados Unidos, a moeda norte-americana registrou seu quinto pregão consecutivo de alta. Mesmo assim, a divisa conseguiu se manter abaixo do patamar de quatro reais. A nova alta do dólar ante o real não seguiu o movimento internacional da moeda, que perdeu valor frente às demais moedas de países emergentes, depois da forte valorização do yuan, promovida pelo Banco Central da China. Apesar de artificial, a medida adotada pelo governo chines conseguiu acalmar o animo dos investidores, que estavam muito preocupados com a reabertura do mercado financeiro do pais, apos ter permanecido fechado durante toda a ultima semana.

Dólar registra quinta alta consecutiva, mas ainda consegue se manter abaixo de R$ 4,00

 

O dólar em 16 de Fevereiro de 2016, terça-feira

A moeda norte-americana voltou a se valorizar frente ao real nesta terça-feira. Foi a sexta alta consecutiva do dólar, o que fez com que a divisa voltasse a ser cotada acima de quatro reais. A alta de hoje foi influenciada por novo impasse na tentativa de acordo entre os principais produtores mundiais de petróleo para reduzir o estoque da matéria-prima. Isso fez o preço do barril de petróleo cair forte, assim como o humor dos investidores.

Dólar emplaca sexta alta consecutiva e volta a ser cotado acima de R$ 4,00

 

O dólar em 17 de Fevereiro de 2016, quarta-feira

A moeda norte-americana encerrou o dia em forte queda frente ao real brasileiro nesta quarta-feira. Foi a primeira desvalorização da divisa apos seis pregões consecutivos de alta. O preço da moeda foi puxado para baixo à medida que a tentativa de se obter um acordo internacional para redução dos níveis de produção do petróleo aproxima-se de um desfecho positivo. Hoje foi a vez do Irã acenar para a Rússia e a Arabia Saudita que concorda em congelar sua produção nos niveis do mês anterior. Nos últimos meses, a commoditie energética alcançou suas menores cotações dos últimos doze anos e meio. Para contornar este fator de forte desequilíbrio na economia mundial, e necessário que as cotações do petróleo voltem a subir.

Dólar recua forte nesta quarta-feira, voltando a ser cotado abaixo de quatro reais

 

O dólar em 18 de Fevereiro de 2016, quinta-feira

Depois de ter registrado, na véspera, a maior desvalorização diária no ano, a moeda norte-americana voltou a subir forte nesta quinta-feira, com os investidores ainda tentando digerir o novo corte da nota de crédito brasileira, imposto na véspera pela agência de classificação Standard & Poor’s. Com isso, a oscilação do real brasileiro ante o dólar descolou totalmente do movimento das moedas dos demais países emergentes frente à divisa dos Estados Unidos. O clima dos investidores no mercado internacional era de bastante otimismo, depois de nova elevação nos preços do petróleo e da esperança de que o Federal Reserve demore um pouco mais para voltar a elevar a taxa de juros norte-americana.

Investidores digerem mal corte da nota de crédito do Brasil na véspera, e dólar volta a subir forte

 

O dólar em 19 de Fevereiro de 2016, sexta-feira

A moeda norte-americana emplacou mais uma sessão de baixa nesta sexta-feira, com os investidores brasileiros, mais uma vez, confiando no discurso do presidente do banco central, Alexandre Tombini, de que os juros não devem ser reduzidos neste ano. Mesmo assim, o dólar ainda continuou cotado acima de quatro reais.

Dólar cai, mas fecha terceira semana de Fevereiro ainda cotado acima de R$ 4,00

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.