Dollar Week: Dólar cai 3,65% na quarta semana de Abril de 2016

LinkedIn

A última semana de Abril foi marcada por um forte movimento de baixa do dólar ante o real brasileiro: queda semanal de 3,65%. O novo derretimento da cotação da moeda norte-americana foi puxado pelo grande entusiasmo dos investidores com a cada vez mais próxima saída de Dilma Rousseff da Presidência da República e com os entusiasmados rumores sobre como seria composto e, mais importante, sobre as prioridades de um eventual (e provável) governo Michel Temer. Outro fator que auxiliou a livre flutuação (para baixo) do dólar nos últimos cinco dias foi a não intervenção do Banco Central nos quatro primeiros dias da semana. Com isso, a divisa dos Estados Unidos emplacou a nona semana de desvalorização no ano (foram, ao todo, dezessete pregões até aqui).

Em 2016, após oitenta e um pregões, o dólar acumula uma queda de 12,86% ante o real. São trinta e seis pregões de alta contra quarenta e cinco de baixa. No ano passado, a divisa dos Estados Unidos fechou cotada a R$ 3,9470 para compra e a R$ 3,9480 para venda.

No mês abril, após vinte pregões, a moeda norte-americana acumulou uma desvalorização de 4,34%. Foram onze pregões de baixa contra nove de alta. No último pregão de março, o dólar fechara cotado a R$ 3,5935 para compra e a R$ 3,5963 para venda.

 

Variação diária do dólar na décima sétima semana de 2016

Data Compra Venda Variação % Variação
29/04/16 3,4382 3,4401 -1,64% -0,0575
28/04/16 3,4959 3,4976 -0,76% -0,0267
27/04/16 3,5217 3,5243 0,15% 0,0052
26/04/16 3,5186 3,5191 -0,83% -0,0294
25/04/16 3,5471 3,5485 -0,61% -0,0218

 

O dólar em 25 de Abril de 2016, segunda-feira

A moeda norte-americana encerrou em queda o pregão desta segunda-feira, cotado abaixo de R$ 3,55. A sessão foi marcada pela a ausência de intervenções do Banco Central e com investidores atentos aos possíveis nomes da equipe econômica de um eventual governo de Michel Temer.

Dólar abre última semana de Abril em queda, após especulações sobre nomes de um eventual Governo Temer

 

O dólar em 26 de Abril de 2016, terça-feira

O dólar fechou em baixa nesta terça-feira, pelo segundo pregão consecutivo, após o Banco Central não anunciar qualquer intervenção sobre o mercado de câmbio, também pelo segundo dia seguido. Além disso, os investidores continuaram atentos à cena política do país, monitorando os próximos passos do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado e a formação da equipe econômica de um eventual governo de Michel Temer.

Banco Central volta a dar refresco e dólar consegue emplacar segunda baixa consecutiva

 

O dólar em 27 de Abril de 2016, quarta-feira

A moeda norte-americana fechou com leve valorização ante o real nesta quarta-feira, com o Banco Central não anunciando intervenção no mercado cambial pelo terceiro dia seguido e com os investidores atentos à cena política no Brasil. Além disso, no exterior, o mercado de câmbio foi bastante influenciado pela decisão do Federal Reserve, banco central norte-americano, de manter a taxa básica de juros nos Estados Unidos.

Mesmo sem ação do Banco Central (pelo terceiro dia seguido), dólar fecha em alta nesta quarta-feira

 

O dólar em 28 de Abril de 2016, quinta-feira

A cotação do dólar voltou a fechar em queda nesta quinta-feira, na quarta sessão seguida sem intervenção do Banco Central e em linha com o movimento da moeda norte-americana no exterior. Os investidores também foram influenciados pela cena política do país, aguardando os próximos passos do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado.

Dólar volta a cair forte nesta quinta-feira, fechando abaixo de R$ 3,50

 

O dólar em 29 de Abril de 2016, sexta-feira

A moeda norte-americana encerrou o último pregão de abril em forte baixa, negociado abaixo de R$ 3,45. A forte desvalorização do dólar ocorreu a despeito da volta das intervenções do Banco Central (BC) no câmbio, tentando segurar o forte movimento de baixa e não obtendo sucesso. Foi a primeira ação do BC em toda a semana. Os investidores continuam entusiasmados com, a cada vez mais concreta, possibilidade de troca de governo: sai Dilma, entra Temer. E mais que isso, entusiasmam-se com o suposto plano de ajuste econômico e com a suposta equipe que deve gerir a economia brasileira nos próximos meses.

Dólar desaba nesta sexta-feira, último pregão de Abril, mesmo com Banco Central voltando a intervir no câmbio

Deixe um comentário