Desemprego: Como reagir a este momento?

LinkedIn

Os primeiros meses de 2016 trouxeram um marco negativo e uma preocupação para a população brasileira: O número de desempregados no país subiu para 11,4 milhões de pessoas, segundo dados do IBGE referentes a Fevereiro, Março e Abril.

Com um percentual de 11,2%, o trimestre representa a maior taxa de desemprego desde 2012, quando iniciaram as pesquisas do IBGE.

 

Isso significa:

  • 18,6% a mais em relação ao trimestre anterior (encerrado em janeiro);
  • 42,1% a mais em relação ao mesmo trimestre de 2015.

São números alarmantes que potencializam a preocupação do brasileiro frente ao cenário de crise política e econômica que enfrentamos.

Sabemos que já é esperado que a crise se arraste ainda por algum tempo, sem perspectivas de grandes melhoras no curto prazo. Sendo assim, o que podemos fazer para nos protegermos da sombra do desemprego?

Como se proteger com o aumento do desemprego?

Infelizmente pouco podemos fazer neste momento. Inúmeras empresas enfrentam cenários críticos que fazem do aumento do desemprego algo inevitável.

Poderíamos então dizer que você deve adotar uma postura positiva frente ao momento, mostrar proatividade e eficiência em seu trabalho ou buscar por novos conhecimentos que ampliem a gama de tarefas que você pode executar, mas nada disso seria novidade ou te daria, de forma prática, uma solução.

O que muita gente não sabe é como reagir a este momento caso o pior cenário se concretize. Como proteger o seu capital e como encontrar novas alternativas em meio ao desemprego?

 

Veja agora 3 dicas para sair do buraco:

 

1) Faça uma reserva

Em um momento instável como este, economizar e fazer uma reserva financeira se torna essencial! Assim, caso seja atingido pelo desemprego, você não ficará desesperado sem condições de honrar suas contas e compromissos, podendo se manter até que a situação se estabilize e você encontre uma nova saída.

 

2) Fuja da inflação

Uma grande cilada que muitas pessoas ainda caem: não guarde seu dinheiro na poupança!

Ao economizar e montar sua reserva, é muito importante que você também proteja seu dinheiro da inflação, ou você ficará eternamente juntando dinheiro com a sensação de que ele não é o suficiente para nada.

Essa sensação, na verdade, é a alta inflação corroendo o seu dinheiro e diminuindo o seu poder de compra. Isso quer dizer que se hoje você conseguiria comprar um carro, daqui a um ano o mesmo capital já não seria o suficiente para comprar o mesmo carro.

Por isso procure guardar seu dinheiro onde ele possa crescer mais que a inflação, como investir na bolsa de valores ou em títulos de renda fixa por exemplo.

 

3) Crie seu próprio emprego

E se você tem uma reserva e pretende realizar um investimento para multiplicar seu capital e protegê-lo da inflação, por que não se tornar um verdadeiro investidor e fazer disso a sua profissão?

Muita gente não sabe, mas existem pessoas que vivem exclusivamente de investimentos na bolsa. E isso não é tão difícil quanto parece. Aprender sobre a bolsa de valores é bastante fácil e pode te proporcionar oportunidade de ganhos acima de muitos investimentos. Na internet você pode encontrar inúmeros cursos que ensinam como iniciar seus investimentos.

 

Mas neste momento você pode se perguntar:

Mas como investir dinheiro na bolsa em um momento de crise?

E então vou te contar um segredo: Nos momentos de incerteza surgem as maiores oportunidades.

 

A bolsa de valores precifica tudo. Por isso, neste momento de adversidade, inúmeras empresas se encontram abaixo do seu valor de mercado. Ou seja, suas ações estão mais baratas do que deveriam estar, o que muitas vezes pode ser uma boa oportunidade de comprá-las em baixa e vendê-las quando retomarem seu valor real.

Com o conhecimento necessário e uma boa estratégia, você pode se tornar um investidor profissional e viver da bolsa de valores. E essa pode ser uma forma de mudar o rumo da sua carreira e lidar com a crise.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.