Ibovespa vira com juros nos EUA e atraso no impeachment; juros sobem e dólar atinge R$ 3,27

LinkedIn

Após abrir o pregão com leve alta diante das expectativas sobre a trajetória dos juros dos Estados Unidos, o Índice Bovespa perdeu força e fechou em queda de 0,01%, para 57.716 pontos. Ainda assim, o volume financeiro da bolsa totalizou R$ 7,3 bilhões, acima da média diária anual de R$ 7 bilhões. Na semana, o Ibovespa acumulou queda de 2,34% e, no mês, de alta de 0,71%. Até o último dia 24 deste mês, os investidores estrangeiros tiraram R$ 1,550 bilhão da Bovespa.

Com os investidores locais de olho no andamento do julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, as ações preferenciais (PN, sem voto) do Itaú Unibanco (BOV:ITUB4) subiram 1,22%, Bradesco (BOV:BBDC4), 1,38%, os papéis ordinários (ON, com voto) do Banco do Brasil (BOV:BBAS3), 2,05%, e as units (recibos de ações) do Santander (BOV:SANB11) 0,27%. Há uma preocupação de que o julgamento atrase e vá além dos 180 dias máximos previstos pela lei. Nesse caso, há o receio de que o processo poderia ser cancelado.

Na análise do impedimento da petista, quem espera uma mudança radical do presidente interino Michel Temer após a votação, com mudanças de equipe e movimentações mais drásticas no Congresso para aprovar reformas, deve se frustrar, segundo a consultoria MCM. O economista Luiz Gonzaga Belluzzo disse hoje que Dilma foi excessivamente responsável com as medidas fiscais de 2015 e afirmou que “o afastamento da presidente pelos motivos alegados é um atentado à democracia”.

Vale, que puxou a bolsa brasileira para baixo, viu suas ações ON (BOV:VALE3) perderem  2,59% e as PNA (BOV:VALE5), 2,21%, como reflexo da forte desvalorização de 3,75% do minério de ferro, para US$ 59,13 a tonelada. Mesmo com a trajetória fraca do petróleo lá fora, Petrobras ON e PN ganharam (BOV:PETR3) 0,74% e (BOV:PETR4) 0,16%. Negociado em Nova York, o WTI ficou estável em US$ 47,33, enquanto o barril do Brent, de Londres, ganhou apenas 0,06%, para US$ 49,70.

Cesp cai 4% e Usiminas avança 6%

Sem contar Vale ON, os piores desempenhos do Ibovespa no dia ficaram com Cesp PNB (BOV:CESP6) 4,45%, Copel PNB (BOV:CPLE6) 3,28%, Natura ON (BOV:NATU3) 2,61%, e Weg ON (BOV:WEGE3) 2,37%. As companhias de energia recuaram em meio à notícia de que, pelo sexto mês seguido, a bandeira tarifária que será aplicada nas contas de luz será verde, o que significa que não haverá nenhum valor adicional a ser pago pelos consumidores brasileiros.

Na ponta positiva, os maiores ganhos do índice foram de Usiminas PNA (BOV:USIM5), 6,55%, Fibria ON (BOV:FIBR3), 2,64%, JBS ON (BOV:JBSS3), 2,24%, e Cyrela ON (BOV:CYRE3), 2,05%, sem contar BB ON. As empresas exportadoras Usiminas, Fibria e JBS se beneficiaram da alta da divisa americana.

EUA têm sentidos mistos; Europa ganha quase 1%

No exterior, o principal destaque ficou as declarações da presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Janet Yellen, sobre as possíveis elevações dos juros americanos nos próximos meses. Ela falou sobre uma “relevante probabilidade de alta adicional das taxas”, sem especificar quando isso aconteceria, e puxou a bolsa brasileira para cima mais cedo. Já o vice-presidente do Fed, Stanley Fischer, disse que as declarações de Yellen abrem espaço para os juros do país avançarem já em setembro, o que pressionou as bolsas estrangeiras e a local para baixo.

Por lá, o indicador de confiança do consumidor da Universidade de Michigan passou de 90 pontos para 89,8 pontos em agosto, pior do que a prévia de 90,4 pontos. Além disso, a segunda estimativa do crescimento do PIB americano no segundo trimestre do ano ficou em linha com o esperado, alta de 1,1% na base anual, mas abaixo do 1,2% da estimativa anterior. O Dow Jones perdeu 0,29% e o S&P 500, 0,16%. Já o índice da Nasdaq teve alta de 0,13%.

Na Europa, os investidores repercutiram a expectativa de estabilidade para o PIB francês no segundo trimestre do ano, em linha com o esperado. No Reino Unido, a prévia do crescimento do PIB foi de 0,6% no trimestre e de 2,2% na comparação anual. Lá, o Stoxx 50 ganhou 0,76%, o britânico Financial Times, 0,31%, o francês CAC, 0,80%, e o alemão DAX, 0,55%.

Juros sobem e dólar atinge R$ 3,27

Hoje, os juros futuros válidos até janeiro de 2017 passaram de 13,99% ao ano para 14%. Para 2018, as projeções subiram de 12,73% para 12,77%, assim como as taxas com vencimento no início de 2021, de 11,99% para 12,17%. Os juros avançaram apesar do recuo de 0,03% do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) na cidade de São Paulo, na terceira prévia de agosto.

Depois das falas da presidente do Fed, Janet Yellen, sobre os juros americanos, o dólar comercial fechou com alta de 1,20%, para R$ 3,27 na venda, seguido pelo dólar turismo, com 1,04%, sendo vendido por R$ 3,41. Como nas demais intervenções feitas durante a semana, o Banco Central (BC) realizou leilão de 10 mil contratos de swap cambial reverso, de US$ 500 milhões), com vencimentos para 1º de setembro, 3 de outubro e 1º de novembro deste ano e 2 de janeiro do ano que vem.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.