Com Fomc, Ibovespa fecha em alta de 1,14% e retoma os 58 mil pontos; dólar cai

LinkedIn

O Índice Bovespa encerrou o dia em alta pelo terceiro pregão consecutivo, depois de registrar queda durante o dia. O Ibovespa terminou o dia com ganho de 1,14%, aos 58.393 pontos, acumulando na semana ganho de 2,30% em três dias de negociação. A alta de hoje foi alimentada pela decisão sobre os juros americanos, que impulsionou também as bolsas americanas e derrubou o dólar. O volume negociado na bolsa brasileira foi de R$ 7,328 bilhões.

Hoje à tarde, o Comitê de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve (Fed, banco central americano) anunciou a manutenção das taxas de juros básicas no país em 0,5% ao ano. Mas, em seu comunicado ao mercado, o BC americano disse que o cenário de uma alta dos juros no fim deste ano foi reforçado, apesar de o Fed esperar que o crescimento da economia seja mais lento este ano, assim como no longo prazo. A combinação entre previsões menos otimistas para a economia com ajuste nos juros levou o mercado a trabalhar com um cenário de taxas subindo muito lentamente neste ano e no próximo nos EUA.

O comunicado fez as bolsas americanas e de países emergentes, bem como as commodities, acentuarem a alta, enquanto o dólar recuava diante de outras moedas e os juros americanos perdiam fôlego.

Vale sobe 6% e fica entre maiores altas

No Brasil, as ações da Vale foram destaque,com alas de 5,69% no papel ordinário (ON, com voto) (BOV:VALE3) e de 6,34% no preferencial série A (PNA, sem voto) (BOV:VALE5). A mineradora foi beneficiada pela alta das commodities e por um relatório do banco Barclays, recomendando a compra da ação. Há também especulações de que a empresa pretende vender sua área de fertilizantes. Vale liderou as altas do Ibovespa, atrás apenas de Usiminas PNA (BOV:USIM5), com 7,35% de alta. Gerdau PN (BOV:GGBR4), com 5,66% e Metalúrgica Gerdau PN (BOV:GOAU4), com 5,43%, assim como CSN ON (BOV:CSNA3), com 4,36%, completaram a lista das maiores altas do Ibovespa. CSN e Usiminas refletem tanto o ganho da siderurgia quanto do minério, já que também são produtoras.

Petrobras teve alta de 1,93% em seu papel ON (BOV:PETR3) e 1,19% no PN (BOV:PETR4). Ainda entre os papéis de maior destaque do índice, Itaú Unibanco PN (BOV:ITUB4), maior peso do indicador, subiu 0,96% enquanto o concorrente Bradesco PN (BOV:BBDC4) ganhou 1,96% e Banco do Brasil ON (BOV:BBAS3), 3,23%. A unit (recibo de ações) do Santander (BOV:SANB11) subiu 0,74%. A expectativa é de que o Itaú feche a compra da operação de varejo do Citibank no Brasil na semana que vem.

Exportadoras perdem com dólar mais baixo

As maiores quedas do Ibovespa foram lideradas por Suzano Papel PNA (BOV:SUZB5), com -3,62%, Fibria ON (BOV:FIBR3), -3,32%, Qualicorp ON (BOV:QUAL3), -2,61%, Cielo ON (BOV:CIEL3), -2,42% e Rumo Logística ON (BOV:RUMO3), -1,28%. A queda do dólar derrubou os preços das exportadoras de celulose.

Bolsas nos EUA sobem e juros recuam

Nos EUA, a perspectiva de ajustas modestos nos juros impulsionou as bolsas. O Índice Dow Jones fechou em alta de 0,90%, o Standard & Poor’s 500, 1,09% e o Nasdaq, 1,03%.  O Nasdaq é puxado também pelo anúncio da Microsoft, de recompra de US$ 40 bilhões em ações no mercado. Já os papéis de 10 anos do Tesouro dos EUA tiveram queda forte em suas taxas, de 0,036 pontos percentuais, para 1,654%. O dólar se valorizou diante do euro e da libra, mas se valorizou diante do iene, por conta das mudanças na política monetária anunciadas hoje pelo Banco Central do Japão.

Na Europa, onde os mercados já estavam fechados quando saiu a decisão, o Índice Stoxx 50 subiu 0,58%.O Financial Times, de Londres, ganhou 0,06%, o DAX, de Frankfurt, 0,41% e o CAC, de Paris, 0,48%.

Petróleo sobe mais de 2%

Já o petróleo subiu, acompanhando a desvalorização do dólar e novos dados de estoques americanos em baixa, no menor nível desde fevereiro. O barril do tipo WTI com vencimento em novembro subiu 2,9%, para US$ 45,34 em Nova York, enquanto o tipo Brent, de Londres, ganhou 2,1%, para US$ 46,83.

Dólar e juros caem no Brasil

O dólar comercial acentuou a queda, acompanhando o mercado internacional, e fechou o dia vendido a R$ 3,211, ou -1,53%. O dólar turismo recuou 0,29%, para R$ 3,39 na venda.

Os juros futuros passaram a cair mais também depois da decisão do Fomc. O contrato para janeiro de 2017 fechou projetando 13,89%, ante 13,93|% ontem. Para 2018, o contrato projetava 12,35%, ante 12,47% ontem. para janeiro de 2019, a estimativa do mercado era de 11,80%, ante 11,95% ontem. E, para 2021, a taxa está em 11,86%, ante 12,06% ontem.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.