Ibovespa abre em queda de 0,45%; bolsas da Europa recuam após PMI fracos

LinkedIn

O Índice Bovespa abriu em queda nessa sexta-feira puxado pelas ações dos bancos e estatais e acompanhando o mercado internacional. Às 11h12, o Ibovespa registrava recuava 0,45%, aos 58.729,52 pontos.

No cenário local, as atenções se voltaram para as declarações do presidente do Banco Central (BC) em evento ontem à noite. Ele deu destaque para o ajuste fiscal, que é árduo e exige trabalho contínuo e que é importante para resgatar a confiança dos agentes econômicos. “Vejo como imperativas as ações voltadas à reconstrução do balanço do setor público, recompondo o espaço fiscal por meio da racionalização dos gastos para colocar a dinâmica da dívida em ordem”, afirmou.

Entre as principais baixas da carteira do Ibovespa estavam as ações ordinárias (ON, com voto) do Banco do Brasil (BOV:BBAS3), que caíam 1,96%, seguida pelas ações preferenciais da série A (PNA, sem voto) da Usiminas (BOV:USIM5), queda de 1,94%. Petrobras ON (BOV:PETR3) caía 1,48% e a PN (BOV:PETR4) caía 1,21%. Nos bancos, Itau Unibanco PN (BOV:ITUB4) caía 1,10% e Bradesco PN (BOV:BBDC4) recuava 0,94%.

Na outra ponta, destaque para alta das ações das empresas de papel e celulose. Forte alta para as ações ordinárias da Fibria (BOV:FIBR3), de 7,61%. Suzano PNA (BOV:SUZB5) subia 6,95%.

Bolsas da Europa em queda após dados econômicos fracos

No exterior, as bolsas recuavam após a alta de ontem com a decisão sobre os juros pelo Federal Reserve. O Stoxx 50 caía 0,66%, enquanto o alemão DAX recuava 0,42% e o francês CAC caía 0,51%. No Reino Unido, o Financial Times tinha leve alta de 0,06%. Os recuos na Europa eram puxados pelos dados econômicos fracos no continente. O PMI Composto da zona do euro recuou de 52,9 para 52,6 em setembro, o  menor nível em 20 meses. Já o PIB da França recuou 0,1% no segundo trimestre ante o primeiro. A previsão do mercado era de estabilidade na comparação trimestral. Nos Estados Unidos, o índice Dow Jones caía 0,22% e o S&P 500, 0,34%. O Nasdaq registrava queda de 0,34%.

No mercado de commodities, o petróleo WTI para novembro avançava 0,84%, a US$ 48,05 por barril. O Brent para novembro subia 0,84%, a US$ 48,05 por barril.

Dólar estável e juros em queda

No mercado de câmbio, o Banco Central manteve a oferta de até 5 mil contratos de swap cambial reverso para hoje, equivalente a US$ 250 milhões. O dólar chegou a abrir em queda, mas se recuperou um pouco e estava próximo da estabilidade, com alta de 0,01%, cotado a R$ 3,22. No turismo, a moeda americana se mantinha estável, cotado a R$ 3,35.

Os juros futuros com vencimento em janeiro de 2017 caíam 0,07%, passando de 13,835% para 13,825%. Os contratos de DI com vencimento em janeiro 2018 recuavam 0,57%, passando de 12,270% para 12,200%. Os juros com vencimento em 2021 caíam 0,43%, passando de 11,740% para 11,690%. Na economia brasileira, o Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) da Fundação Getulio Vargas (FGV) desacelerou de 0,27% para 0,18% na terceira quadrissemana de setembro. O destaque do indicador foi para a desaceleração em Alimentação, Educação, Leitura e Recreação e Transportes.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.