ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for smarter Negocie de forma mais inteligente, não mais difícil: Libere seu potencial com nosso conjunto de ferramentas e discussões ao vivo.

Estudo mostra alta de preços de imóveis em 26 cidades e queda em 18

LinkedIn

Os preços médios dos imóveis de 26 das 44 grandes cidades brasileiras analisadas pelo Índice Properati-Hiperdados (IPH) apresentaram alta em setembro. Segundo o IPH, que desconsidera a inflação no período, as variações mensais apontam para uma persistente instabilidade no mercado.

Se for considerado o IGP-M em setembro, de 0,20%, porém, cinco cidades teriam tido aumentos inferiores à inflação. Portanto, considerando as 18 que tiveram queda e as 6 que subiram menos que a inflação, a maioria, ou seja, 23 cidades das 44 pesquisadas, não conseguiram repor o IGP-M do período.

Um milhão de imóveis

O índice é calculado com base em dados do portal e aplicativo imobiliário Properati pela Hiperdados, plataforma de gestão de informações. O levantamento traz a medição da variação dos preços médios do setor imobiliário com uma base de mais de um milhão de imóveis anunciados no site do Properati.

São Paulo e Rio

Pelo levantamento do IPH, a cidade de São Paulo fugiu à tendência de fortes oscilações nos preços verificada em outras capitais. O valor médio dos imóveis da capital se manteve nominalmente estável, apresentando alta de 0,13% – ainda ligeiramente abaixo do IGP-M no mês, de 0,20%.

O Rio de Janeiro continua registrando oscilações contínuas, em parte pelo impacto da Olimpíada e da ParaOlimpíada, que influenciaram um movimento de valorização no início do ano. O custo dos imóveis na capital carioca caiu 0,97% em setembro. No mês anterior, o indicador teve alta de 0,15%; em julho, queda de 2,1%.

 

tabelaimoveisset2016

Em Porto Alegre, o preço dos imóveis segue em queda livre: a desvalorização média chegou a 2,15% em setembro. Em agosto, a queda foi levemente maior, de 2,29%; em julho, havia sido de 1,9%.

Já em Florianópolis os imóveis colocados à venda seguem movimento de recuperação após dois meses de quedas seguidas, tendo registrado, em setembro, alta média de 2,13%. Em agosto, a média dos preços caiu em 2,15%; já em julho, a queda foi de 1,3%. Em Curitiba, houve inversão de tendência: o IPH registrou queda de 2,81% em setembro ante o aumento de 1,62% observado no mês anterior.

Outro caso de mudança de rumo nos preços médios foi Goiânia: os imóveis se desvalorizaram em 2,50% em setembro após um aumento de 2,25% no mês de agosto. Já Brasília apresentou alta de 0,74% nos preços médios de seus imóveis, após recuo de 1,73% observado em agosto.

Belo Horizonte teve nova desvalorização: 1,89% nos valores médios dos imóveis da cidade. Em agosto, a queda foi menor, de 0,62%. Salvador registrou em setembro uma alta nominal de 0,81%, um pouco acima da alta verificada pelo IPH em agosto, de 0,74%.

O Índice Properati-Hiperdados para setembro ainda registrou alta nos preços dos imóveis de Belém (2,67%), Natal (1,64%), Fortaleza (1,08%), Brasília (0,74%), Vitória (0,20%), Santo André (0,10%) e São Caetano do Sul (0,05%). Em contrapartida, houve queda em João Pessoa (-2,16%), São Bernardo do Campo (-,1,90%), Diadema (-1,32%) e Niterói (-1,04%).

Queda dos juros básicos pode ajudar preços

Segundo Wagner Dias, Diretor de Operações do Hiperdados, os preços devem permanecer instáveis nos próximos meses. “Tudo indica que o Banco Central, por meio do Comitê de Política Monetária (Copom), deve baixar os juros em suas próximas reuniões, pois a inflação está em queda”, diz. “Com o juro nominal mais baixo, o consumo tende a reaquecer, pois as linhas de crédito ficarão mais baratas e o preço dos imóveis vai voltar a reagir”, explica.

Dias prevê uma estabilização dos preços a longo prazo: “Com a queda dos juros, os preços vão começar a ficar estáveis, podendo até ficar acima da inflação a partir do segundo trimestre de 2017”.

Já Renato Orfaly, Country Manager do Properati no Brasil, avalia que os donos de imóveis e os consumidores procuram aproveitar o momento de instabilidade nos preços, cada um a seu próprio modo. “Os proprietários de imóveis testam preços para obter melhores negócios e os compradores aproveitam a oportunidade neste momento de indefinição para barganhar”, diz.

Portal argentino

O portal de venda e aluguel de imóveis Properati nasceu na Argentina, em setembro de 2012 e chegou ao Brasil em março de 2014, com investimentos dos fundos Eastpoint Ventures, Patagonia Ventures, GroupArgent, Gravlax Ventures e NXTPLabs. O Properati tem hoje mais de um milhão de imóveis cadastrados no país.

O post Estudo mostra alta de preços de imóveis em 26 cidades e queda em 18 apareceu primeiro em Arena do Pavini.

Deixe um comentário