Reunião da OPEP é suplementar para a solução de problemas.

LinkedIn

 

Mercados Globais

Ontem os índices americanos fecharam em seus recordes históricos mais uma vez. Os múltiplos do mercado só apresentam um padrão razoável se consideradas hipóteses bem otimistas para o futuro próximo do comportamento dos balanços das empresas e da macroeconomia do país. Eles refletem, portanto, um estado de confiança que poucas vezes foi visto após uma eleição que suscitou tantas dúvidas e surpresas como essa. A crença na capacidade da política de estímulos, prometida por Trump, em gerar resultados para o setor privado, sem produzir um grande problema fiscal, que traria consequências nefastas para as taxas de juros mais longas, é o grande impulso que fez o S&P500 e o Dow Jones quebrarem todas as barreiras. Veja o gráfico do S&P500:

Um dos destaques vem da reunião a ser realizada amanhã, em Viena, entre membros da OPEP e não membros, como Rússia e México, para um acerto sobre a limitação da produção. Em mercados centralizados, as decisões de um cartel em reduzir a sua oferta para segurar preços podem ser anuladas pela expansão da produção dos outros competidores. A OPEP precisa convencer seus concorrentes a não aumentarem sua oferta em decorrência do recente aumento dos preços, pois isso levará seus membros a reagirem rompendo o acordo. Eles têm prejuízo caso o preço do petróleo caia e sua produção esteja menor. Essa reunião é importante mas não resolve o problema como um todo. Com preços superiores a US$ 40 e US$ 50, boa parte dos campos de xisto dos EUA pode voltar a produzir e levar a produção global a um novo e importante excesso. Some-se a isso, a forte disposição de Trump e seus secretários em estimular essa fonte de energia. Portanto, a reunião tem um caráter suplementar importante à da semana passada e influenciará os preços na semana que vem. Por conta do otimismo em relação a ela, os preços do petróleo WTI estão em alta, sendo cotados a US$ 51,20 o Barril.

Na Europa, os mercados sentiram alívio ao verem o BCE reduzir as quantidades de compra de títulos, que injetam moeda e reduzem os juros da economia, ao mesmo tempo em que o prazo do programa foi estendido. A partir de março de 2017, o BCE promoverá compras mensais de 60 bilhões de euros até dezembro de 2017. As taxas ficaram mantidas em 0% e -0,4%.

Os mercados de moedas estão mais pressionados hoje do que estavam ontem. O yen voltou a superar a barreira dos 114 yens/dólar e o euro está cotado a 1,061 dólar/euro. Os juros das treasuries de dez anos saíram de 2,33% para 2,45% e os da Itália (que tem a maior dívida da UE) de 1,95% para 2,05%

  Brasil

O governo Temer tem conseguido manter sua sustentação de forma favorável, na percepção dos mercados que vêm reduzindo os prêmios de risco político desde a “tacada” feita com o STF para manter Renan Calheiros na presidência do Senado. Com o caminho livre, o governo espera emplacar na semana que vem e PEC do teto e acordos com os estados. A reforma da previdência ainda enseja algumas modificações e vai mesmo ficar para o ano que vem. Não é demais lembrar que na semana que vem os executivos da Odebrecht fazem duas delações e isso poderá pesar no cenário político, pois há boatos segundo os quais alguns membros do governo podem ser citados.

Hoje foram divulgados a primeira quadrissemana de dezembro do IPC-Fipe e o primeiro decêndio do IGP-M. A primeira mostra a manutenção de uma tendência de queda em quase todos os itens e um final de ano menos pesado para o bolso dos consumidores. No IGP-M, a dissonância vem do IPA industrial, que saiu de 0,01% no mês passado para 0,8% nesse mês. Os culpados são o minério de ferro associado e a alta do dólar. Os itens ao consumidor ainda mostram trajetória benigna. Às 9:00 hs o IBGE divulga o IPCA, principal índice de inflação, e a expectativa do mercado é de um índice de  0,27% para novembro. Nossa expectativa é de 0,22%.

De qualquer forma, a semana termina com um quadro mais favorável para a redução dos juros por parte do BC na próxima reunião do Copom e uma percepção de risco em relação à trajetória fiscal melhor do que na semana anterior.

Deixe um comentário