IPCA-15: Preços relacionados a Educação são os que mais devem subir no país em Fevereiro de 2017

LinkedIn

De acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor 15 (IPCA-15), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação do país entre 15 de janeiro e 14 de fevereiro de 2017 foi de 0,54%. Analisando todos os itens que participam da composição do indicador, o grupo Educação (5,17%) registrou a variação mais elevada, enquanto Vestuário (-0,31%) e Alimentação e Bebidas (-0,07%) encerraram o período em queda.

A alta de 5,17% no grupo Educação reflete os reajustes habitualmente praticados no início do ano letivo, em especial os aumentos nas mensalidades dos cursos regulares, cujos valores subiram 6,94%. Esta alta gerou o maior impacto individual sobre o índice do mês (0,21 ponto percentual). Regionalmente, os cursos regulares tiveram aumentos entre 4,94% (São Paulo) e 10,13% (Salvador). A exceção foi Fortaleza, onde não foi apropriado nenhum aumento, devido à diferença no período de reajuste.

Além do grupo Educação (5,17%), o IPCA-15 foi pressionado pelas tarifas dos ônibus urbanos e intermunicipais, que subiram 3,24% e 3,84%, respectivamente. A alta de 3,24% nos ônibus urbanos foi consequência das variações apropriadas nas seguintes regiões: Fortaleza (17,05%), que refletiu os reajustes de 16,36% nas tarifas cobradas de segunda a sábado e de 17,80% nos dias de domingo, em vigor desde 14 de janeiro; Recife (13,46%), onde ocorreu reajuste de 14,28% no dia 15 de janeiro; Belém (11,85%), que refletiu o reajuste de 14,81% vigente a partir do dia 19 de janeiro; Brasília (7,09%), refletindo o reajuste de 25% nas tarifas, que voltou a vigorar a partir de 28 de janeiro; Belo Horizonte (6,02%), refletindo o reajuste de 9,40%, em vigência a partir de 03 de janeiro; Salvador (5,36%), onde o reajuste foi de 9,09% a partir de 02 de janeiro; Curitiba (5,10%) a partir de 6 de fevereiro, onde ocorreu reajuste de 14,86% de segunda a sábado e de 70,00% nos domingos, pois foi extinto o desconto dominical.

Nos ônibus intermunicipais (3,84%), as variações mais elevadas ficaram com o Rio de Janeiro (12,30%), devido ao reajuste médio de 12,00% em vigor desde 14 de janeiro; Curitiba (6,77%), onde ocorreu reajuste médio de 13,00% a partir de 6 de fevereiro; Belo Horizonte (4,57%), refletindo o reajuste médio de 9,46% desde o dia primeiro de janeiro; Salvador (2,47%), devido ao reajuste médio de 8,42%, que vigora desde 26 de dezembro.

Com o aumento das tarifas dos ônibus, o grupo Transportes ficou com variação de 0,66%, apesar da queda de 12,45% nas passagens aéreas.

Os alimentos (-0,07%), por outro lado, contribuíram para conter o índice do mês, após terem aumentado 0,28% em janeiro. Ainda que os preços do óleo de soja (4,42%), das hortaliças (4,00%) e de outros produtos tenham se mostrado mais caros de um mês para o outro, vários deles ficaram mais baratos. Alguns se destacaram pelas quedas expressivas, como o feijão-carioca (-14,68%), a batata-inglesa (-7,63%) e o tomate (-6,62%).

Clique aqui e saiba mais detalhes sobre o IPCA-15 de fevereiro de 2017.

Variação mensal dos principais grupos de produtos e serviços que compõem a pesquisa de preços do IPCA-15

Confira abaixo a variação mensal, a variação acumulada anual e a variação acumulada nos últimos doze meses dos preços médios dos principais grupos de produtos e serviços aferidos pela pesquisa do IBGE para o cálculo do IPCA-15 de fevereiro de 2017.

Mês (%) Ano (%) 12 Meses (%)
Índice Geral 0,54 0,85 5,02
Alimentação e Bebidas -0,07 0,21 5,56
Artigos de Residência 0,34 0,11 2,52
Comunicação 0,84 1,33 1,64
Despesas Pessoais 0,37 1,13 7,07
Educação 5,17 5,36 8,10
Habitação 0,18 -0,04 2,35
Saúde e Cuidados Pessoais 0,83 1,32 10,73
Transportes 0,66 1,37 3,13
Vestuário -0,31 -0,49 2,78

Deixe um comentário