Consulte a Bússola de Investimentos ADVFN desta quinta-feira, dia 27

LinkedIn

• Segundo a Coluna do Estadão, os executivos da Caixa avaliam comprar a fatia do BTG Pactual (BOV:BBTG11) no banco Panamericano (BOV:BPAN3) caso a instituição não seja fortemente atingida pela Operação Conclave. A ação foi deflagrada na semana passada e investiga supostas irregularidades na compra pelo banco público de 40,35% da instituição que pertencia ao grupo Silvio Santos. Após a transação, descobriu-se um rombo de cerca de R$ 4 bilhões, cuja real situação financeira havia sido maquiada. Fontes do mercado ouvidas pelo jornal dizem que a compra de mais ações pela Caixa seria feita com ajuda do BNDES. A assessoria da Caixa informa que “não vai se pronunciar” sobre o assunto envolvendo o Panamericano. O BNDES não se manifestou ontem.

• O Bradesco (BOV:BBDC4) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,64 bilhões no primeiro trimestre de 2017, crescimento de 13% na comparação anual. A maior parte do resultado (70,4%) veio das atividades financeiras, enquanto o restante é foi gerado pelas atividades de seguros, previdência e capitalização.

• A Cia. Hering (BOV:HGTX3) aprovou a distribuição de dividendos aos acionistas, no montante de R$ 74,99 milhões, correspondente a R$ 0,4661 por ação. O pagamento será efetuado no dia 31 de maio.

• A empresa de meios eletrônicos de pagamento Cielo (BOV:CIEL3) informou nesta quinta-feira que obteve autorização do Banco Central para passar a observar regras aplicáveis aos bancos, podendo operar como instituição de pagamento credenciadora. Com isso, a Cielo passará a estar sujeita à regulação específica e supervisão do Banco Central, informou a companhia por meio de fato relevante.

• A CSN (BOV:CSNA3) retomou as exportações de minério de ferro, mas está utilizando o Porto do Sudeste, controlado pelo grupo Mubadala, enquanto tenta reparar estragos causados por acidente em equipamento em seu porto próprio há quase duas semanas, disse uma fonte próxima da companhia à Reuters nesta quarta-feira.

• A Duratex (BOV:DTEX3) não conseguiu reverter perdas e registrou prejuízo consolidado de R$ 7,51 milhões no primeiro trimestre deste ano.

• A Estácio (BOV:ESTC3) registrou lucro consolidado de R$ 121,82 milhões no primeiro trimestre de 2017 (-5,2% em 12 meses).

• Em julgamento na quarta-feira, ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) apontaram responsabilidade de ex-diretores do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), entre eles o ex-presidente da instituição, Luciano Coutinho, em suposto favorecimento da JBS S/A (BOV:JBSS3), dona das marcas Friboi e Seara, na compra do frigorífico americano Swift Foods, em 2007. Conforme antecipou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, auditoria da corte mostrou que os executivos participaram de irregularidades na aprovação de um aporte de US$ 750 milhões (R$ 2,3 bilhões, em valores atuais) para a aquisição da empresa estrangeira.

• O lucro líquido do Klabin (BOV:KLBN11) caiu 44%, para R$ 602 milhões no primeiro trimestre de 2017, enquanto a receita líquida somou R$ 1,87 bilhão. “Para a Klabin, neste primeiro trimestre de 2017 vale ressaltar o aumento de 13% no volume de vendas de produtos de conversão, reflexo não só das duas recentes aquisições no mercado de papelão ondulado, mas também pelo bom desempenho da Klabin neste segmento e pelo consistente aumento de vendas de sacos industriais ao mercado externo”, diz a companhia no comunicado.

• A Localiza (BOV:RENT3) registrou lucro consolidado de R$ 120,26 milhões no primeiro trimestre de 2017 (+16,7% em 12 meses).

• O Magazine Luiza (BOV:MGLU3) aprovou a emissão de R$ 200 milhões em notas promissórias.

• A Multiplan (BOV:MULT3) registrou lucro consolidado de R$ 54,28 milhões no primeiro trimestre de 2017 (-22,6% em 12 meses).

• A Natura (BOV:NATU3) conseguiu reverter perdas e registrou lucro consolidado de R$ 188,97 milhões no primeiro trimestre deste ano.

• A Odontoprev (BOV:ODPV3) registrou lucro consolidado de R$ 69,03 milhões no primeiro trimestre de 2017 (+0,2% em 12 meses).

• A Petrobras (BOV:PETR4) divulgará o resultado do primeiro trimestre de 2017 no dia 11 de maio, após o fechamento do mercado. Até aquela data, a companhia estará em período de silêncio, ficando impossibilitada de prestar esclarecimentos relacionados aos seus resultados financeiros e perspectivas.

• A Prumo Logística (BOV:PRML3) assinou contrato definitivo com a Euro Consult Engenharia para o desenvolvimento de um centro de conveniências no Complexo Industrial do Porto do Açu. O empreendimento, que contará com restaurantes, farmácias, bancos, além de escritórios para agentes marítimos, contadores e outros prestadores de serviços, será desenvolvido em um terreno de 8 mil m2.

• A Restoque (BOV:LLIS3) não conseguiu reverter perdas e registou prejuízo consolidado de 10,25 milhões no primeiro trimestre de 2017.

• A Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo alterou o cronograma da etapa inicial da revisão tarifária da Sabesp (BOV:SBSP3). A tarifa média máxima preliminar será divulgada até 30 de junho.

• O Conselho de Administração da TIM (BOV:TIMP3) aprovou e elegeu Mario Cesar Araujo para presidente do conselho da companhia.

• A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) disse, em ofício divulgado ao mercado pela Usiminas (BOV:USIM5), que não vê elementos para concluir que procedimento da Usiminas para substituir conselheiros tenha tido objetivo de prejudicar a acionista CSN.

• A Vale (BOV:VALE5) apresentou hoje pela manhã o resultado de suas operações no primeiro trimestre de 2017. No período, a companhia registrou lucro líquido de R$ 7,89 bilhões, crescimento de 401,7% em comparação com o último trimestre do ano passado. Na comparação anual, o resultado veio 25% maior. A receita líquida trimestral totalizou R$ 26,74 bilhões, 12,8% menor do que no terceiro trimestre de 2016, impactada negativamente pelo menor volume sazonal de vendas de ferrosos e paradas para manutenções programadas e interrupções operacionais no segmento de metais básicos.

• A Via Varejo (BOV:VVAR11) anunciou que fechou o primeiro trimestre com lucro atribuído aos sócios de R$ 97 milhões, contra 9 milhões registrados no mesmo período de 2016. A receita líquida da companhia atingiu R$ 5,99 bilhões no período, em linha com as estimativas de R$ 6 bilhões. Já o Ebitda ficou em R$ 308 milhões no período, frente ao Ebitda negativo de R$ 55 milhões registrados no primeiro trimestre de 2016. A margem Ebitda da varejista saltou de -0,9% um ano antes para 5,1% nos três primeiros meses de 2017.

Bolsas mundiais
A sessão é de queda para as bolsas europeias, após decisão de política monetária do BCE (Banco Central Europeu) manter a taxa de juros a zero e programa de quantitative easing nos mesmos patamares de 60 bilhões de até euros mensais. No mercado de câmbio, o peso mexicano e dólar canadense sobem após Casa Branca dizer que Trump não vai retirar imediatamente os EUA do tratado comercial da América do Norte.

Na Ásia, o iene recua após BOJ (Bank of Japan) manter seus estímulos à economia. O BoJ fez sua mais otimista avaliação da economia em nove anos em sua reunião de política monetária, e descreveu a recente fraqueza da inflação como temporária, sinalizando confiança de que uma recuperação sustentada ajudará a alcançar sua ambiciosa meta de preços. Mas o presidente Haruhiko Kuroda admitiu que as percepções do público sobre as futuras altas de preços permanecem fracas, sugerindo que o banco central vai ficar atrás em relação às autoridades monetárias de Estados Unidos e Europa em encerrar seu forte programa de estímulo. Já na China, os mercados acionários reverteram as perdas na sessão e encerraram em alta nesta quinta-feira, com uma forte recuperação das empresas menores elevando a confiança em meio a preocupações persistentes sobre o crescimento econômico e regulamentos mais rígidos.

Entre as commodities, o petróleo cai e se aproxima de US$ 49 com mercado pesando produção maior e queda de estoques, ainda elevados, nos EUA. O dia foi de leve queda para o minério negociado em Qingdao, mas vale ficar de olho: o sell-off da commodity pode dar sinais de piora, com BHP e Banco Mundial alertando sobre oferta.

Desempenho dos principais índices:
Ibovespa (Brasil) -0,50%

Dow Jones (Estados Unidos) -0,05%

Nasdaq Composite (Estados Unidos) +0,26%

FTSE 100 (Reino Unido) -0,73%

DAX Index (Alemanha) -0,09%

Cac 40 (Reino Unido) -0,3%

Nikkei 225 (Japão) -0,19%

Commodities:
Ouro -0,35%

Prata -1,20%

Cobre -0,79%

Petróleo -1,61%

Petróleo Brent Crude -1,67%

 

Um pouco de política
Em destaque nesta data, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou a reforma trabalhista na madrugada desta quinta-feira (27), após a rejeição de dez destaques apresentados pelos partidos de oposição e de partidos da base aliada que pretendiam modificar pontos do projeto (PL 6.786/16) aprovado na noite de ontem (26). Os outros destaques que seriam votados nesta quinta-feira foram retirados e o texto segue para o Senado. A sessão que aprovou a reforma foi aberta na manhã dessa quarta-feira e foi encerrada às 2h06. Vale destacar que a votação do texto-base teve 296 votos a favor, ante 177 contra.

A Eurasia destacou que a aprovação reforma trabalhista é bom presságio para a Previdência. “Cerca de 300 votos a favor de um projeto altamente controverso que exigiu apenas maioria simples para passar é uma forte vitória por qualquer padrão”. Já Lucas de Aragão, sócio da Arko Advice, afirmou que a votação da reforma trabalhista na Câmara não chega a empolgar, mas mostra que as reformas estão encaminhadas.

A reação inicial do governo à aprovação da reforma trabalhista foi de comemoração. O apoio de 296 deputados na noite desta quarta-feira foi avaliado como uma “vitória com larga margem”. Apesar do tom, governistas reconhecem que o placar gera apreensão sobre o futuro porque revela que será necessário esforço extra para aprovar a reforma da Previdência – tema ainda mais polêmico e que exige apoio de 308 votos. Apesar da comemoração minutos após a vitória, governistas já admitem nos bastidores que o esforço necessário para conquistar os votos necessários para a reforma da Previdência poderá ser ainda maior do que o imaginado inicialmente. Enquanto parte do governo trabalha com a possibilidade de que o tema poderia ser votado ainda em maio, já há quem acene com a necessidade de prazo ainda mais longo para conquistar apoio dos parlamentares.

Agenda de indicadores
Os destaques domésticos ficam com o resultado primário do governo central, ainda sem hora marcada, e o leilão tradicional de LTN e NTN-F, às 11h30. Nos Estados Unidos, atenção à balança comercial, aos estoques no atacado, às encomendas de bens duráveis de março, que serão conhecidos às 9h30, mesmo horário em que serão divulgados os pedidos de auxílio-desemprego de abril. Às 11h, serão divulgadas as vendas pendentes de moradias e, ao meio-dia, a sondagem industrial do Fed de Kansas.

Os investidores também devem acompanhar de perto a coletiva de imprensa com o presidente da autoridade monetária, Mário Draghi, às 9h30. Mais cedo, às 9h, a Alemanha divulga a inflação ao consumidor medida pelo CPI.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.