Consulte a Bússola de Investimentos ADVFN desta quarta-feira, dia 10

LinkedIn

• A Apple (BOV:AAPL34) fechou ontem o valor de mercado de US$ 800 bilhões, primeira vez na história para uma companhia de capital aberto.

• A BR Properties (BOV:BRPR3) registrou lucro consolidado de R$ 182,76 milhões no primeiro trimestre de 2017 (+69,8% em 12 meses).

• O lucro líquido do BTG Pactual (BOV:BBTG11) no primeiro trimestre aumentou na comparação com o trimestre anterior devido à melhora operacional, mas recuou na comparação contra um ano antes, quando o resultado tinha sido impulsionado por venda de ativos.

• A Equatorial (BOV:EQTL3) registrou lucro consolidado de R$ 64,08 milhões no primeiro trimestre de 2017 (-62,5% em 12 meses).

• A Gafisa (BOV:GFSA3) não conseguiu reverter perdas e registrou lucro consolidado de R$ 49,34 milhões no primeiro trimestre deste ano.

• A Gol (BOV:GOLL4) registrou lucro líquido de 232,7 milhões de reais no primeiro trimestre, queda de 69,3 por cento em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira pela companhia aérea.

• A Iguatemi (BOV:IGTA3) encerrou o primeiro trimestre com lucro líquido de R$ 50,6 milhões, ficando 27% acima das expectativas compiladas pela Bloomberg, de R$ 39,8 milhões, e 30,8% superior ao mesmo intervalo de 2016. “Tivemos um primeiro trimestre positivo e abril também foi muito bom. Se continuarmos com esse movimento, podemos terminar o ano no topo do guidance (previsão)”, disse à Reuters a vice-presidente de finanças da empresa, Cristina Betts.

• O Itaú Unibanco (BOV:ITUB4) afirmou que vem mantendo discussões com a corretora de valores mobiliários XP Investimentos em relação à aquisição de participação acionária minoritária na empresa que não ensejará alteração de controle.

• A Lojas Americanas (BOV:LAME3) aprovou um novo programa de recompra de até 1,42% de suas próprias ações em circulação no mercado.

• A Metal Leve (BOV:LEVE3) vendeu a participação que detinha em sua subsidiária de sinterizados para a austríaca Miba Sinter Holding pelo valor simbólico de R$ 1,00, podendo ser ajustado em decorrência de mudança significativa na dívida líquida da empresa vendida, estimada em R$ 82 milhões.

• O prejuízo líquido ajustado do primeiro trimestre da Ouro Fino (BOV:OFSA3) foi R$ 5,9 milhões, alta de 228% ante o prejuízo líquido ajustado de R$ 1,8 milhão do mesmo período do ano anterior. Esses resultados refletem a queda do Ebitda ajustado e aumento da despesa financeira líquida parcialmente compensados pelo efeito de imposto de renda e contribuição social, informou a companhia. A receita líquida de vendas caiu 23,3%, passando de R$ 98 milhões para R$ 75,2 milhões. Após o resultado, o Bradesco BBI revisou o seu preço-alvo de R$ 36 para R$ 27, refletindo o balanço e a expectativa de recuperação mais lenta do que anteriormente estimado. A recomendação para o papel segue neutra.

• Em comunicado ao mercado, a Petrobras (BOV:PETR4) esclareceu que não há negociações em andamento visando aliança estratégica com a norte-americana Exxon. No entanto, afirmou que está em constante contato com empresas do setor de petróleo e gás natural para avaliação de oportunidades e compartilhamento de experiências. Além disso, a Petrobras aprovou a recomposição de sua carteira de projetos de parcerias e desinvestimentos. Dentre eles, encontram-se a alienação da Refinaria de Pasadena e da participação na Petrobras Oil & Gas, proprietária de ativos na África.

• A Sanepar (BOV:SAPR4) registrou lucro líquido de R$ 160,05 milhões no primeiro trimestre de 2017 (+10,9% em 12 meses).

• A Telefônica Brasil (BOV:VIVT4) registrou lucro consolidado de R$ 996,19 milhões no primeiro trimestre de 2017 (-18,2% em 12 meses).

• A Tenda (BOV:TEND3) registrou lucro consolidado de R$ 17,83 milhões no primeiro trimestre de 2017 (+266,9% em 12 meses).

 

 

Bolsas mundiais
Os principais índices mundiais registram um dia misto, digerindo os dados da China, os comentários do presidente do Federal Reserve de Dallas Robert Kaplan e também a decisão surpreendente de Donald Trump de demitir o chefe do FBI James Comey.

O dia é de queda do dólar, que recua contra pares do real como rand e peso mexicano após Kaplan lançar dúvidas sobre ritmo da alta dos juros. Ele afirmou que está muito consciente de que as pressões inflacionárias têm sido “mais suaves” recentemente e disse que está observando atentamente os acontecimentos enquanto pondera sobre a política monetária. Ainda assim, ele disse ver como “equilibrados” os riscos para sua visão de que o Fed precisará aumentar a taxa de juros mais duas vezes este ano.

Na China, por sua vez, o índice de preços ao produtor avançou 6,4% ante o ano anterior, contra expectativa de economistas de uma alta de 6,9% e desacelerando contra a alta de 7,6% de um mês antes. Em março, o índice de preços ao produtor da China havia desacelerado pela primeira vez em sete meses com a queda do minério de ferro e do carvão. Já o índice de preços ao consumidor chinês avançou 1,2% sobre o ano anterior, contra 0,9% em março e acima da expectativa de analistas. Com os dados de inflação ao produtor abaixo do esperado, o índice de Xangai fechou na mínima desde meados de outubro, ao mesmo tempo que os investidores seguem preocupados sobre o aperto das regulações financeiras.

No mercado de commodities, o minério de ferro e aço sobem em Dalian, enquanto os metais recuam em Londres com receios sobre crédito na China e economia americana. Já o petróleo sobe, retomando patamar de US$ 46 perdido ontem, após dados da API apontarem queda dos estoques nos EUA e antes de dados do Departamento de Energia.

Desempenho dos principais índices:
Ibovespa (Brasil) +1,40%

Dow Jones (Estados Unidos) -0,23%

Nasdaq Composite (Estados Unidos) -0,12%

FTSE 100 (Reino Unido) +0,65%

DAX Index (Alemanha) +0,12%

Cac 40 (Reino Unido) +0,00%

Nikkei 225 (Japão) +0,29%

Commodities:
Ouro +0,17%

Prata +0,34%

Cobre -0,06%

Petróleo +0,89%

Petróleo Brent Crude +0,96%

Um pouco de política
A Comissão Especial da Reforma da Previdência concluiu na noite de ontem a votação dos destaques ao relatório do deputado Arthur Maia (PPS-BA), com o governo vencendo na comissão ao conseguir rejeitar a maior parte das mudanças do texto. Agora, o texto está liberado para ser levado ao plenário da Câmara. A expectativa é que a votação ocorra nos dias 24 e 31 de maio, em dois turnos. No total, foram apreciados 10 destaques remanescentes da reunião anterior, encerrada após a invasão do plenário da comissão por um grupo de agentes penitenciários que protestava contra o relatório de Maia. Com exceção de um destaque, a orientação do governo foi para que a base aliada rejeitasse todos os adendos, sob a justificativa de finalizar a votação o texto sem grandes modificações. A única alteração aprovada por todos os partidos com representação na comissão é a que devolve à Justiça estadual a competência para julgar casos relacionados a acidentes de trabalho e aposentadoria por invalidez.

Para a Eurasia, as concessões do governo à previdência acabaram sendo “modestas” no plenário e a versão final do texto está bem próxima à proposta apresentada em dezembro do ano passado. A maior consultoria política do mundo mantém a previsão de que o 1º turno de votação da reforma ficará entre 22 e 29 de maio, data que dependerá da contagem de votos do governo.

O depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o juiz federal Sérgio Moro ocorrerá nesta quarta-feira às 14h na sede da Justiça Federal em Curitiba e alterou a rotina na capital paranaense. Manifestantes favoráveis e contrários ao ex-presidente estão na cidade, que preparou um esquema especial para garantir a segurança de todos os que pretendem acompanhar o depoimento, um dos mais aguardados da Operação Lava Jato. Será a primeira vez que Lula ficará frente a frente com Moro, responsável pelos processos da operação na primeira instância.

Porém, em uma última tentativa, a defesa de Lula recorreu ao STJ após o TRF-4 contrariar pedidos semelhantes feitos na véspera pelo ex- presidente; as ações pedem que o STJ considere Moro suspeito para julgar Lula, direito de a defesa de Lula gravar a fala de Lula e adiamento do depoimento. Lula é acusado de ter recebido propina da empreiteira OAS por meio da reserva e da reforma de um apartamento triplex no Guarujá, litoral de São Paulo; ele nega as acusações.

Ainda no âmbito da Lava Jato, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) os primeiros pareceres favoráveis à redistribuição, para outro ministro da Corte, de inquéritos da chamada lista de Fachin, por não guardarem relação direta com a investigação do esquema de corrupção na Petrobras. As manifestações a favor da redistribuição foram dadas em dois inquéritos: um relacionado ao ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e ao deputado federal Pedro Paulo (PMDB-RJ); e outro envolvendo o deputado Betinho Gomes (PSDB-PE).

Agenda de indicadores
Além dos dados de inflação, a agenda doméstica reserva o fluxo cambial semanal às 12h30. Nos EUA, atenção para os dados de preços de exportações e importações do mês de abril, que serão divulgados às 9h30 e, às 15h, para os dados do orçamento do governo do país divulgados pelo Tesouro americano. Antes disso, às 11h30, serão revelados os dados semanais de estoque de petróleo. A expectativa é de uma queda nos estoques de petróleo de 2,08 milhões e de alta de 28.220 barris de gasolina.

 

Deixe um comentário