Amazon adia início do marketplace no Brasil, diz BTG

LinkedIn

A Amazon (BOV:AMZO34) preferiu analisar o mercado mais alguns meses antes de começar a investir pesado no Brasil dentro do segmento conhecido como “marketplace”, que é quando uma plataforma permite que vários lojistas vendam suas mercadorias por ela, avalia o BTG Pactual em um relatório enviado a clientes nesta quinta-feira (24/08). As empresas B2W (BOV:BROW3), dona dos sites Americanas.com e Submarino, Magazine Luiza (BOV:MGLU3) e Walmart (BOV:WALM34) já atuam nesta área no país.

Segundo o banco, a gigante do varejo online está, aos poucos, deixando de vender apenas livros, e-books e o leitor Kindle, para iniciar uma plataforma que irá ofertar celulares e equipamentos eletrônicos com apenas alguns parceiros que tenham um nível mais elevado de qualidade na entrega e atendimento.

“A empresa enfrentou recentemente algumas questões relativas aos níveis de serviço em sua operação de mercado de livros no Brasil, incluindo pós-venda e logística, e com isso se tornou muito diligente na seleção dos parceiros certos (lojistas, operadores de logística e atendimento). Também está contratando mais e mais especialistas em atendimento e marketplace”, explicam os analistas Fabio Monteiro e Luiz Guanais.

O banco ressalta, contudo, que a entrada da Amazon não significa que os sites locais não poderão ter sucesso em um ambiente que já é competitivo. O BTG estima em 10 o número de empresas que genuinamente espiram se tornar grandes no segmento marketplace. “Entretanto, as perspectivas para empresas como a B2W, Mercado Livre e Magazine Luiza irão definitivamente se tornar mais desafiadoras do médio para o longo prazo”, indicam os analistas.

A recomendação é de compra para as ações da B2W e Magazine Luiza.

https://www.linkedin.com/company/moneytimes

Deixe um comentário