Desemprego recua cai na região metropolitana de São Paulo

LinkedIn

Segundo levantamento feito pelo Fundação Sistema Educacional de Análise de Dados (Fundação Seade), a taxa de desemprego caiu 0,3% na região metropolitana de São Paulo, ao passar de 18,6% em junho para 18,3% em julho. O Departamento Intersindical da Estatística e Estudos Socioeconômicos também realizou a pesquisa (Dieese). O nível de emprego aumentou 0,7% com um saldo de 68 mil postos de trabalho.

Ainda, no período houve uma queda de 26 mil pessoas no total de desempregados, porém o número de pessoas a espera de um espaço no mercado de trabalho ainda segue elevado, são 2,051 milhões de pessoas – ou 98 mil a mais do que no mesmo período do ano passado.

Cesar Andaku, economista do Dieese, avalia que o mercado está reagindo melhor do que no começo do ano. “A partir de junho começamos a observar uma estabilização, mas devido à volatilidade na economia ainda é prematuro cravar que vamos ter uma sequência de queda”, disse ele. Em junho, a taxa tinha passado de 18,8% para 18,6%.

Andaku ressaltou que na comparação com 2016 houve uma piora. Em julho do ano passado, havia 17,4% da População Economicamente Ativa (PEA) a procura de uma vaga. De acordo com ele, a pequena melhora em julho reflete principalmente o crescimento de autônomos (3%), o que acredita ser uma alternativa para “driblar a crise econômica”.

Comércio e construção

O nível de emprego aumentou 0,7% com um saldo de 68 mil postos de trabalho, número acima do total de pessoas que passaram a disputar uma chance no mercado de trabalho. A maioria dos setores ampliou as contratações com destaque para o comércio, onde surgiram 30 mil empregos, com alta de 1,9% e a construção civil, com 22 mil novas vagas (3,8%).

Na indústria, o saldo foi positivo em 20 mil postos de trabalho (1,5%) e em serviços foram abertas 14 mil vagas (0,3%). A pesquisa não especifica os segmentos que efetuaram mais cortes do que admissões.

Em julho havia 9,159 milhões de pessoas ocupadas na região metropolitana de São Paulo, sendo que o número de autônomos cresceu 3%, enquanto o de assalariados ficou ligeiramente inferior a julho (-0,1%). O levantamento mostra ainda que melhorou a situação do emprego com 0,4% mais contratados com carteira assinada, ao mesmo tempo em que diminuiu em 1,7%, o total de trabalhadores sem carteira.

Rendimento

O rendimento médio cresceu mais entre os ocupados (1,8%) atingindo R$ 2.033 . Já os ganhos dos assalariados teve correção média de 0,7% com o valor de R$ 2.099.

Fonte: Agência Brasil. 

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.