Ibovespa fechou pouco abaixo da estabilidade nesta terça-feira

Google+ LinkedIn

O principal índice de ações da bolsa de valores brasileira fechou praticamente estável nesta terça-feira, após operar acima dos 68 mil pontos. Os ganhos recentes limitavam altas expressivas, ainda que a sessão tenha sido marcada por uma percepção mais otimista com a política.

Ibovespa Hoje

O Ibovespa fechou em queda de 0,06% nesta terça-feira, 08 de agosto de 2017, cotado em 67.898,94. Na véspera, o indicador havia subido 1,56%.

O resultado desta terça-feira foi influenciado pelo desempenho negativo das ações da mineradora Vale, que caíram mais de 1%, e da Petrobras. Por outro lado, os papéis do Itaú Unibanco e do Bradesco subiram mais de 1%. Essas empresas têm grande peso sobre o Ibovespa.

A maior alta do dia foi da JBS, que disparou 7,55%, a R$ 8,55. Na véspera, o presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) deu a entender que a saída de Wesley Batista da presidência da JBS seria positivo para a companhia. A assembleia de acionistas para tratar do tema está marcada para 1° de setembro.

Ibovespa em Agosto

Em agosto, após seis pregões, o principal índice de ações brasileiro acumula uma valorização de 3,00%. Ao longo do mês, foi realizado quatro pregões de alta contra dois de baixa. No pregão do dia 31 de julho, o indicador encerrou cotado em 65.920,36 pontos.

Ibovespa em 2017

Em 2017, após cento e cinquenta pregões, o Ibovespa acumula uma valorização de 12,74%. No último pregão de 2016, o principal índice acionário do país fechou cotado em 60.227,29 pontos. Ao longo do ano, foram registrados sessenta e sete pregões de baixa contra oitenta e três de alta.

Cenário Interno

Investidores estavam de olho nas articulações políticas do governo para conseguir dar andamento às reformas no Congresso Nacional, sobretudo a da Previdência, considerada essencial pelo mercado para equilibrar as contas públicas.

Desde a semana passada, após a Câmara dos Deputados ter barrado a denúncia por crime de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer, a equipe econômica tem intensificado o corpo a corpo junto a empresários, investidores e parlamentares no esforço para restaurar confiança e garantir a votação da reforma ainda neste ano e sem grandes alterações adicionais.

Cenário Externo

No exterior, o dólar caiu em relação a outras moedas diante de apostas maiores de que o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) não aumentará os juros outra vez este ano. Juros mais altos nos EUA tende a atrair para lá recursos aplicados em economias onde as taxas são hoje mais vantajosas, como a brasileira.

JL Torres é Sócio-Diretor da ADVFN Brasil. Além de ser um dos principais colaboradores do Jornal ADVFN, também é responsável pelas newsletters Mercado Diário e Semanário Bovespa

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.