Resumo do dia: as movimentações políticas do país

LinkedIn

Confira o que movimentou de mais importa na política nacional.

Supremo Tribunal da Justiça

O STF recebeu hoje a decisão da Câmara dos Deputados de não autorizar a Corte a analisar a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer. Essa é uma formalidade necessária para decidir o que acontecerá com o processo agora. Uma das possibilidades é que a denúncia fique suspensa até que Temer deixe o cargo e depois volte a ser investigado na primeira instância da Justiça.

Temer e Janot

A defesa do presidente Michel Temer se manifestou ao Supremo Tribunal Federal sobre o pedido do Procurador-Geral da República Rodrigo Janot de incluir o presidente no inquérito de formação de quadrilha no PMDB, no âmbito da Lava Jato.

Para o advogado de Temer, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, trata-se de “outra criação que tem alterado o Processo Penal brasileiro” e que representa “evidente desprezo pela governabilidade e pela tranquilidade da Nação”.

Além de Temer, Janot pediu, na última segunda-feira (1), que o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o ministro da Secretaria de Governo, Moreira Franco, sejam investigados no mesmo inquérito.

Aldemir Bendine

O juiz federal Sérgio Moro determinou a transferência de Aldemir Bendine, ex-presidente do Banco do Brasil (BB) e da Petrobras, para o Complexo Médico Penal de Pinhais, região metropolitana de Curitiba. A Polícia Federal (PF) havia pedido por isso de manhã sob o argumento da “necessidade de manter a separação de presos”, uma vez que alguns dos detidos sob custódia do órgão celebraram acordos de colaboração premiada. Bendine está preso desde o dia 27 de julho, por causa da Operação Lava Jato.

No começo da tarde, o ex-presidente do BB pediu que Moro reconsiderasse a decisão, porque, segundo o documento, ele possui uma filha com desordens psiquiátricas que necessitava visitar o pai semanalmente para que não houvesse uma piora do quadro clínico. Os seus advogados argumentaram que as visitas ao Complexo Médico Penal seriam agravantes à saúde mental delicada da jovem, uma vez que as revistas íntimas de lá são mais rigorosas.

Fim do financiamento privado de campanhas

O chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, general Sérgio Etchegoyen, afirmou em explanação na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, no Rio de Janeiro, que se preocupa que as facções criminosas aproveitem o fim do financiamento privado de campanhas políticas para eleger representantes dos seus interessem em 2018. Ele comparou essa possibilidade com as realidades no México e na Colômbia. “Ou o nosso voto vai refletir a vontade soberana de uma sociedade saudável, ou ele vai refletir a atuação do crime organizado”, afirmou.

Meta fiscal

O Ministro Dyogo Oliveira declarou que o governo avaliará nas próximas semanas se mudará ou não a meta fiscal do ano. Ele ainda disse que a equipe está avaliando a opção de elevar os impostos. O déficit primário de 2017 é previsto para R$139 bilhões.

Bolsa Família no Rio

O Ministro Osmar Terra afirmou que o governo irá dobrar o valor do Bolsa Família para famílias que vivem em áreas ou situações de risco no Rio de Janiero. A média passará de R$150 para R$300. Essa é uma Medida Provisória que irá atender 40 mil famílias e poderá ser implantada já em setembro. Isso custará mais R$6 milhões aos cofres públicos e o ministro ainda não sabe como os repasses serão feitos.

Deixe um comentário