Confira as notícias que serão destaque nesta terça-feira

Google+ LinkedIn

Confira as notícias que serão destaque nesta terça-feira:

Depois de reestruturar dívida, Centauro parte para IPO

A Centauro, varejista de produtos esportivos, está acelerando os passos para abrir capital. A companhia, que encerrou o processo de reestruturação de uma dívida de mais de R$ 300 milhões, já está selecionando bancos de investimento para conduzir sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

Devem integrar o grupo os atuais credores como Itaú Unibanco, Bradesco e Banco do Brasil, além de outros players. A oferta da Centauro deve ser primária e secundária. Assim, além de injetar dinheiro novo em caixa, possibilitando o pagamento de dívidas, serviria ainda para a saída da GP Investimentos.

A reestruturação da dívida da Centauro se concentrou justamente nos principais credores – Itaú, Bradesco e BB –, o que foi considerado suficiente para restabelecer a saúde financeira da varejista.

Petrobrás e Odebrecht tentam acelerar venda da Braskem

Petrobrás (BOV:PETR4) e Odebrecht formaram um grupo de trabalho para discutir mudanças no acordo de acionistas da Braskem, da qual são sócias. Até agora, foram definidos apenas os representantes de cada um dos lados que participarão das negociações e a contratação de escritórios de advocacia para auxiliar no processo. Nenhuma proposta foi apresentada de fato.

O pedido de mudar o acordo de acionistas partiu da Petrobrás, que gostaria de concluir as alterações até o fim do ano, para acelerar também a venda da sua participação de 47% na empresa petroquímica.

Governo dá pontapé inicial para concessão de Congonhas e mais 13 aeroportos

O governo iniciou na última sexta-feira, 1, os preparativos para a concessão de mais 14 aeroportos, entre eles o de Congonhas, em São Paulo. O processo começou com a abertura de um prazo de 30 dias para que se apresentem empresas interessadas em elaborar estudos de viabilidade econômica, técnica e ambiental para embasar o edital do leilão.

Estão na lista de novas concessões, aprovada no último dia 23, os aeroportos de Congonhas (SP), Recife (PE), Maceió (AL), Aracaju (SE), João Pessoa (PB), Campina Grande (PB), Juazeiro do Norte (CE), Vitória (ES), Macaé (RJ) e dos terminais mato-grossenses de Várzea Grande, Rondonópolis, Sinop, Alta Floresta e Barra dos Garças.

Amazon planeja entrar em outros setores no Brasil

As vagas em aberto na Amazon sinalizam que, depois de quase cinco anos de atuação no Brasil, a empresa tem planos para começar a atuar em outros ramos, além do de livros. A multinacional atua em 12 países. O Brasil é o único onde só esse produto é ofertado e não há uma operação mais ampla de varejo.

A empresa tem uma política de não revelar os seus próximos passos, segundo o gerente regional Alex Szapiro. “Nós não vamos ficar só em livros. Não comentamos planos, infelizmente não podemos especular, mas dou uma dica: as vagas em aberto permitem inferir.”

Especialistas em impostos e contadores com experiência são alguns dos profissionais que a Amazon procura —como livros são produtos isentos, isso indica que a varejista deve começar a atuar com outros bens.

 

Bancos e poupadores podem chegar hoje a acordo sobre plano econômico

A costura de um acordo entre bancos e poupadores sobre as perdas provocadas por planos econômicos nas décadas de 1980 e 1990 chega à reta final nesta semana.

Representantes dos dois lados se reúnem nesta terça-feira (5) em encontro que deverá selar os termos finais da negociação, conduzida pela ministra Grace Mendonça, da Advocacia-Geral da União.

Um dos pontos mais sensíveis nesta etapa são os valores a serem pagos pelos bancos aos correntistas.

A negociação caminha para que sejam aplicados descontos na faixa de 30% do total devido. Os bancos pedem mais e defendem uma redução que poderia chegar a 50%, tendo em vista pedidos para que seja considerada uma multa moratória, que costuma variar de 10% a 20% do valor principal.

O percentual de desconto dependerá de como serão combinados esses fatores.

A estimativa é que os bancos terão de pagar algo entre R$ 11 bilhões e R$ 16 bilhões, a depender dos valores e da abrangência do acordo –valor muito inferior ao que se chegou a ser ventilado, ao redor de R$ 50 bilhões.

 

Gostaria de sugerir algo ou tem alguma dúvida relacionada ao tema? Entre em contato conosco no e-mail brunar@advfn.com.br

 

Bruna Rodrigues é estudante de jornalismo pela universidade FIAM-FAAM. Repórter da ADVFN e responsável pelos Destaques do Dia, Criptomoedas e Boletim Focus. Contato: brunar@advfn.com.br

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.