Carf mantém autuação do Fisco em operação de socorro a Banco Panamericano

Google+ LinkedIn

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) manteve a maior parte de uma autuação de R$ 2 bilhões aplicada ao Grupo Silvio Santos Participações por uma operação de socorro ao Banco Panamericano, vendido em 2011 ao Banco BTG Pactual. Por maioria de votos, o órgão aceitou a contestação da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) sobre como a operação foi realizada.

A 1ª Turma da 4ª Câmara da 1ª Seção do Carf entendeu que a Silvio Santos Participações não poderia ter abatido os aportes feitos no Banco Panamericano no Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e na Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). No entendimento do órgão, o socorro financeiro configura investimento, não despesas que diminuem o lucro ou aumentam o prejuízo do conglomerado.

O órgão, no entanto, aceitou o pedido de reverter uma pequena parte da autuação, ao anular a cobrança de dois tipos de multa – isolada e mensal – referentes ao caso. O valor final da autuação após a exclusão das multas não foi divulgado.

Ao ser constatadas fraudes na administração do Banco Panamericano, em 2009, o Grupo Silvio Santos, que controlava a instituição financeira, emitiu debêntures (tipo de título privado) e conseguiu um empréstimo de R$ 3,8 bilhões do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) – fundo que socorre instituições financeiras em dificuldade – para fazer aportes no banco. Rebatizado de PAN, o Banco Panamericano primeiramente foi comprado pela Caixa Econômica Federal no fim de 2009, que o vendeu ao BTG Pactual em 2011.

A Silvio Santos Participações informou que discorda do entendimento da PGFN de que os aportes não podem ser descontados do IRPJI e da CSLL. O grupo informou que recorrerá da decisão à Câmara Superior do Carf, que julga os casos em última instância. Vinculado ao Ministério da Fazenda, o Carf julga multas e autuações a contribuintes na esfera administrativa, quando os casos ainda não foram à Justiça.

A Agência Brasil é um dos canais de comunicação do Grupo EBC - Empresa Brasil de Comunicação. O Grupo EBC é instituição pública de comunicação criada em 2007, que busca distinguir-se dos canais estatais ou governamentais através da produção de conteúdos diferenciados e complementares aos canais privados. Também fazem parte do Grupo EBC os seguintes canais de comunicação: TV Brasil, TV Brasil Internacional e Radioagência Nacional.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.