Fluxo Cambial: Brasil acumulou superavit US$ 3,912 bilhões nas cinco semanas de Outubro de 2017

LinkedIn

De acordo com o Banco Central (BC), a entrada de dólares na economia brasileira superou a saída de recursos em US$ 3,912 bilhões no décimo mês de 2017. Esse saldo é resultado de um ingresso total de US$ 57,567 bilhões e de uma retirada total de US$ 53,654 bilhões ao longo de vinte e um dias úteis no mês de Outubro.

O cálculo do fluxo cambial brasileiro, saldo entre a entrada e a saída de dólares do país, possui dois tipos de contas: a conta comercial, na qual são fechados os contratos de câmbio para operações de exportação e importação, e a conta financeira, que inclui as demais operações de câmbio, como os investimentos estrangeiros diretos, os recursos para aplicações financeiras, as remessas de lucros e dividendos e os empréstimos tomados no exterior.

Clique aqui em veja mais detalhes!

No décimo mês do ano, a conta financeira apresentou um saldo positivo de US$ 762 milhões, fruto de ingressos no valor de US$ 41,596 bilhões e de retiradas no valor de US$ 40,834 bilhões.

Por sua vez, a conta comercial encerrou o mês com um superávit de US$ 3,150 bilhões. As exportações no período somaram US$ 15,970 bilhões, enquanto que as importações totalizaram US$ 12,820 bilhões. As exportações foram compostas por US$ 2,226 bilhões em Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC), US$ 3,894 bilhões em Pagamento Antecipado (PA) e US$ 9,851 bilhões referentes a outros tipos de entradas.

Variação Anual

O fluxo cambial positivo de US$ 3,912 bilhões registrado no Brasil no décimo mês de 2017 foi 55,46% inferior ao registrado em Outubro de 2016. No décimo mês do ano anterior, o fluxo cambial brasileiro ficou negativo em US$ 8,784 bilhões, resultado de um saldo comercial positivo de US$ 2,657 bilhões e de um saldo financeiro negativo de US$ 6,1,28 bilhões.

A melhora no saldo comercial de 2017 (18,57%) decorreu, principalmente, do aumento das exportações (16,22%) entre Outubro de 2016 (US$ 13,741 bilhões) e Outubro de 2017 (US$ 15,970 bilhões). As importações, por sua vez, também aumentaram (mas em um ritmo menor) de um ano para outro (15,66%), de US$ 11,084 bilhões em Outubro de 2016 para US$ 12,820 bilhões em Outubro de 2017, não sendo tão preponderantes para o resultado final.

Já o saldo financeiro apresentou uma considerável piora (-87,56%) entre o décimo mês de 2016 e o de 2017. A entrada de recursos no país através da compra de ativos financeiros brasileiros diminuiu 5,55% entre Outubro de 2016 (US$ 44,041 bilhões) e Outubro de 2017 (US$ 41,596 bilhões). Já a saída de recursos em decorrência da venda de ativos financeiros nacionais subiu 7,70% entre o décimo mês de 2016 (US$ 37,913 bilhões) e o décimo mês de 2017 (US$ 40,834 bilhões).

Variação Mensal

O fluxo cambial positivo de US$ 3,912 bilhões registrado no Brasil no décimo mês de 2017 foi 53,70% melhor que o registrado no mês anterior. No nono mês de 2017, o fluxo cambial brasileiro ficou positivo em US$ 2,545 bilhões, resultado de um saldo comercial positivo de US$ 2,609 bilhões e de um saldo financeiro negativo de US$ 64 milhões.

A melhora no saldo comercial de Outubro de 2017 (20,73%) decorreu, principalmente, pelo aumento nas exportações (5,49%) entre Setembro (US$ 15,140 bilhões) e o mês atual (US$ 15,970 bilhões). As importações, por sua vez, subiram menos que o aumento das exportações de um mês para o outro (2,31%), passando de US$ 12,530 bilhões em Setembro para US$ 12,820 bilhões em Outubro.

Já o saldo financeiro apresentou um resultado bem melhor (1291,07%) entre Setembro e Outubro de 2017. A entrada de recursos no país através da compra de ativos financeiros brasileiros caiu 1,42% entre o nono (US$ 42,196 bilhões) e o décimo (US$ 41,596 bilhões) mês de 2017. Já a saída de recursos em decorrência da venda de ativos financeiros nacionais também diminuiu (-3,37%): de US$ 42,260 bilhões em Setembro para US$ 40,834 bilhões em Outubro.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.