SulAmérica prevê 2018 difícil, mas com boas oportunidades para o setor de seguros

LinkedIn

A SulAmérica (BOV:SULA11), maior seguradora independente do país, prevê para 2018 um ano mais difícil que 2017, de alta volatilidade. Segundo o presidente-executivo da companhia, Gabriel Portella, o cenário de juros menores e inflação mais baixa, favorável para a economia, será positivo também para o setor, mas constitui um grande desafio para as seguradoras, que terão o ganho obtido com a aplicação de suas reservas no mercado reduzido. Enquanto não pagam as indenizações aos segurados, as empresas aplicam o dinheiro, obtendo assim boa parte de sua remuneração.

Segundo o executivo, viver em um país com taxas de juros mais baixas será desafiador “tanto para as empresas como para as pessoas físicas, mas não devem faltar oportunidades (de crescimento), mesmo que em um ritmo mais lento do que gostaríamos”. Assim como outros segmentos, o de seguros ainda convive com incertezas em relação à velocidade de vendas de produtos como seguros massificados e de saúde, ligados a comportamento de emprego, renda e à própria dinâmica da economia.

Boas perspectivas para o segmento de Previdência

Mudanças em estudo na Superintendência de Seguros Privados (Susep), juntamente com a queda dos juros da economia, a reforma da Previdência Social e alterações na tributação dos fundos fechados, que passam a pagar o come-cotas, devem favorecer o aumento da procura pela previdência aberta, segundo Marcelo Mello, vice-presidente de Investimentos, Vida e Previdência da SulAmérica.

Para o executivo, independentemente da reforma previdenciária que vier a sair, existe grande espaço para crescimento da previdência complementar, sobretudo nas seguradoras independentes, que hoje participam com perto de 3% a 4% do mercado de previdência aberta, com o restante concentrado em seguradoras ligadas a grandes bancos. “Há grande espaço para crescer, e acho que as plataformas online vão ajudar muito neste processo”.

Mais um milhão procurando planos de previdência

Mello estima que, uma vez aprovada a reforma da previdência, ainda que ‘desidratada’, haveria um forte potencial, perto de um milhão de pessoas, buscando a previdência privada — trazendo possibilidades de 2018 ser ‘bem forte’ em termos de crescimento. “O cliente de previdência, com isso, mais as melhorias no ambiente regulatório, e num ambiente de juros menores, irá buscar produtos mais sofisticados, será mais exigente em termos de precificação, não aceitará pagar taxas altas. São muitas as variáveis positivas para a indústria continuar crescendo”, avalia.

Novos produtos vão ampliar leque de opções

Fontes do setor lembram que consulta pública feita pela Susep, que fechou no fim do mês passado, e ainda aguarda para o início de 2018 uma circular definitiva, cria várias novidades no segmento de previdência aberta, entre as quais três diferentes produtos – 1) produto de desempenho referenciado — em que as seguradoras poderão lançar produtos com garantia em algum índice de referênca (por exemplo, estabelecendo pagamento sobre um percentual da Selic ou outro indicador pré-determinado, ainda a ser definido); 2) produtos com resgate programado (hoje, na montagem de um produto de previdência, existe carência para resgate de 60 dias, e, geralmente, as pessoas montam dois produtos e vão ‘casando’ as datas e prazos para ter liquidez a cada 30 dias), abrindo-se a possibilidade de resgate (PGBL/VGBL) a cada 30 dias; 3) produtos com ciclo de vida, que adequam a idade da pessoa ao seu perfil de risco (um cliente mais novo, por exemplo, teria um produto com mais ações; para a pessoa mais idosa, haveria um menor percentual de ações e aumentaria aplicação em renda fixa). Pode haver, ainda, a regulação da cobrança de taxa de performance pelos fundos de previdência.

Novo aplicativo leva pediatra à casa do segurado

Durante encontro com jornalistas, a companhia anunciou um novo serviço no segmento de saúde que deve facilitar a rotina de clientes com crianças pequenas. Batizado de “Pediatra em Casa”, ele é incorporado ao aplicativo SulAmérica Saúde e permite agendar atendimento pediátrico em domicílio na cidade de São Paulo para dependentes com até 12 anos.

Voltado para atendimentos não emergenciais, o aplicativo possibilita até duas consultas/ano por dependente, sem fila de espera ou necessidade de deslocamento ao pronto-socorro. O recurso, segundo Maurício Lopes, vice-presidente de Saúde e Odonto da SulAmérica, está disponível para titulares elegíveis, incluindo segurados em trânsito na capital paulista, logo na página inicial do aplicativo, agregando mais um diferencial ao serviço principal, que já registra um milhão de downloads.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.