Bitcoin: Coréia do Sul proibe negociações anônimas e deixa cerca de 1 milhão de usuários no limbo

LinkedIn

As autoridades coreanas consideraram o dia 30 de janeiro a data em que todos os cidadãos que negociam criptomoedas devem fazê-lo através de apenas uma conta que tenha a identidade verificada a sua conta bancária.

Os bancos têm trabalhado para implementar o sistema necessário, mas as exchanges não estão em condições de cumprir as novas leis.

Especificamente, as quatro principais exchanges parecem ter recebido tratamento preferencial com base em seu tamanho:

… Os bancos decidiram fornecer um novo serviço de conta virtual que usa um sistema de nome real apenas para quatro empresas: Upbit, Bithumb, Coinone e Cobit, citando o porte das exchanges como o diferencial.

Outras exchanges e seus respectivos usuários usando contas corporativas e não virtuais podem, portanto, ser deixadas no limbo a partir de hoje.

Na segunda-feira, a principal plataforma de comércio eletrônico WeMakePrice até anunciou que começaria a aceitar até 12 moedas como pagamento através de uma parceria com a maior exchanges por volume de negociação a Bithumb.

Enquanto isso, a HTS Coin, uma das menores exchanges que enfrentam atrasos na obtenção de suporte de contas virtuais dos bancos, reclamou que começou a construir um esquema de identidade com seu parceiro bancário em dezembro. Mas, segundo a exchanges, foi posteriormente cancelado.

“Nós já executamos procedimentos suficientes para confirmar a identidade ao receber um novo usuário através de uma conta corporativa”, disse um porta-voz à Korea Business. “É injusto permitir apenas algumas exchanges de emitir novas contas virtuais”.

Deixe um comentário