Rating do Brasil; bolsas asiáticas renovando máximas; resultados nos EUA

Google+ LinkedIn

Os mercados asiáticos continuam renovando suas máximas nesta sexta-feira, e o otimismo toma conta dos mercados globais. A China divulgou seus indicadores de balança comercial. Suas exportações registraram uma alta de 10,9% enquanto suas importações caíram para 4,5%. A balança comercial teve um saldo positivo de 54,69B.

Mercados Globais

A redução das importações refletem a desaceleração do crescimento econômico. As exportações também desaceleraram, mas são consistentes e refletem uma sólida demanda global. Os dados são, no geral, bastante positivos para a economia chinesa e a moeda se fortaleceu com a notícia.

O índice para a Ásia subiu 0,44%, incluindo a alta de Xangai, Hong Kong, Singapura e outras bolsas. Hong Kong renovou o seu recorde de máxima histórica, após a forte sequência altas:

Os mercados da Europa também registram altas, e acompanham os futuros dos Estados Unidos. Divulgação de balanços continua nos EUA; o J.P. Morgan registrou um lucro líquido de US$ 4,2 bilhões no 4° trimestre de 2017, e ação cai 1,21% no pré-mercado. Já a BlackRock bateu as expectativas. O indicador destaque do dia é o índice de preços ao consumidor, que deve permanecer em 1,7%, indicando a resiliente inflação americana, que mostra sinais de dificuldade em atingir a meta do Banco Central americano.

Brasil

A principal notícia no mercado é o rebaixamento de rating pela S&P Global de BB para BB-, com perspectiva estável. O principal motivo de acordo com a agência, é o atraso na aprovação das reformas e a incerteza política: “O enfraquecimento da nossa avaliação institucional do Brasil reflete um progresso mais lento que o esperado e um menor apoio da classe política do País para implementar uma lei significativa para corrigir a derrapagem fiscal nas bases atuais”. A agência fará uma coletiva às 13h para comentar o rebaixamento de rating.

O mercado, naturalmente, abriu em campo negativo, e embora a reação tenha sido pessimista, espera-se que as perdas sejam limitadas. Os juros futuros abriram em alta com a notícia, mas já inverteram para baixa. O dólar registra uma alta de aproximadamente 0,2% enquanto o índice para o dólar registra uma queda de 0,5%.

Ainda no Brasil, a pesquisa mensal de serviços deu um novo sinal de recuperação, após quatro quedas seguidas, registrou uma alta de 1,0%. O acumulado em 12 meses ainda preocupa, em -3,4%. Veja abaixo o desempenho do volume de vendas em 2017:

Economista pela FEA-USP, mestre pela EESP-FGV, CNPI, tem 30 anos de experiência no mercado financeiro, tendo passado por diversas instituições financeiras, tanto como gestor de investimentos como Economista e Analista. Hoje é economista e analista da NOVA FUTURA CTVM.
http://pepasilveira.blogspot.com.br/

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.