Resultados trimestrais nos EUA; e continuidade das altas na Ásia

LinkedIn

Mercados Globais

Após uma semana de otimismo nos mercados globais, as altas continuam. Há um grande apetite ao risco, influenciado pelo crescimento econômico, pela baixa inflação e pela política monetária acomodatícia dos principais bancos centrais.

Nos Estados Unidos, a agenda econômica carece de indicadores e as atenções serão voltadas aos resultados corporativos, já que lá se inicia o período de divulgações para o quarto trimestre nesta semana. As estimativas para os resultados são otimistas, condizentes com o crescimento econômico; e a semana já conta com a divulgação de grandes empresas do setor financeiro, como JP Morgan, Wells Fargo e BlackRock.

Ainda na semana, nos EUA, os agentes devem se atentar especialmente aos indicadores para a inflação americana. Os índices futuros de Wall Street, no entanto, oscilam próximo de zero. O índice para o dólar registra alta, acima de 92.000 pontos.

Na Ásia, as bolsas estenderam o rali em meio aos resultados corporativos. Alguns mercados se aproximam de suas máximas históricas, especialmente os emergentes. Xangai fechou em alta de 0,52%, Hong Kong em alta de 0,28% e Singapura em alta de 0,65%. Em Tóquio não houve negócios decido ao feriado.

Veja abaixo, o otimismo da principal bolsa asiática:

Na Europa, os mercados, mesmo preocupados com a capacidade do governo alemão de fortalecer sua coligação, registram altas moderadas. O principal índice para o continente, o Stoxx 600, registra alta de 0,22%.

Brasil

O mercado local abriu em queda, descolando-se das altas globais. O dólar se firmou em alta (+0,28%), junto aos juros com a possibilidade de acabar com a responsabilidade fiscal; o que parece ser encarado como um retrocesso pelo mercado.

O índice de preços ao consumidor semanal, apresentou uma alta de 0,10 ponto percentual acima da última divulgação. A variação foi de 0,31% e nesta apuração, a maior contribuição veio dos grupos Alimentação (+0,60%) e Transportes (+0,71%). Vale ressaltar que a gasolina teve um forte impacto, assim como o etano; enquanto a tarifa de eletricidade residencial deu uma folga ao índice, mantendo o grupo Habitação em queda.

O relatório Focus não trouxe muitas novidades ao mercado:

Deixe um comentário