Após 24 anos, Roberto Teixeira da Costa, fundador da CVM, deixa conselho da SulAmérica

LinkedIn

Foram quase Bodas de Prata. Após 24 anos, Roberto Teixeira da Costa, primeiro presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), vai deixar o Conselho de Administração do Grupo SulAmérica (SULA11). Conforme a convocação para a assembleia deste ano, ele não terá seu mandato renovado.

Aos 83 anos, Teixeira da Costa mostra uma disposição incomum para o trabalho. Faz questão de se manter atualizado e de discutir desde estratégias empresariais com amigos, como Jorge Paulo Lemann, que foi seu estagiário na Deltec, pioneira do mercado de capitais, até o impacto das moedas virtuais e do blockchain no mercado de capitais.

Teixeira da Costa dirigiu um dos primeiros departamentos de análise de ações do país na Deltec e depois foi gestor do primeiro fundo de ações aberto do mercado, o Crescinco, no Banco de Investimentos do Brasil (BIB).

Ele se preocupa com o papel do conselheiro nas empresas diante dos avanços na economia e nas relações com os executivos e acionistas. “É uma situação delicada, pois o conselheiro tem um limite, não pode interferir na gestão e, ao mesmo tempo, recebe tudo pronto dos diretores, então tem o risco de se tornar um carimbador apenas”, diz. Além disso, fica cada vez mais difícil pensar em estratégias de longo prazo com as novidades do mundo digital modificando mercados a cada descoberta. Isso exige um esforço de atualização imenso dos conselheiros, que terão de se reinventar, acredita.

Teixeira da Costa também continua a se reinventar. Vai fazer um curso na London Business School e pretende se dedicar a escrever livros sobre o mercado financeiro de capitais.

Deixe um comentário