Balanço anual da BR Pharma (BPHA3) mostra que a empresa teve um 2017 catastrófico

LinkedIn

A companhia BR Pharma anunciou um prejuízo líquido de R$ 1.62 bilhão em 2017, valor 155,65% maior que o prejuízo líquido de R$ 634.34 milhões apurado no ano anterior. O desempenho da companhia no ano também bem  inferior à média dos cinco anos anteriores (prejuízo médio anual de R$ 735.04 milhões).

A receita líquida da companhia diminuiu 65,61% de um ano para o outro, passando de R$ 1.5 bilhões em 2016 para R$ 516.79 milhões em 2017. Esse montante também foi bem menor que o valor médio dos últimos cinco anos (R$ 2.25 bilhões), quando a receita líquida da companhia BR Pharma diminuiu, em média, 36,87% por ano.

Os ativos totais da BR Pharma totalizaram R$ 144.94 milhões no 4º trimestre de 2017, soma 90,06% menor que o saldo de R$ 1.46 bilhão registrado no encerramento do mesmo período do ano anterior.

O patrimônio líquido da companhia, por sua vez, apresentou retração de 532,86%, ao comparar todos os valores contábeis que os seus sócios possuíam no fechamento do 4º trimestre de 2017 (patrimônio líquido negativo de R$ 1.32 bilhão) com a mesma data em 2016 (patrimônio líquido positivo de R$ 304.34 milhões).

A dívida líquida ficou em R$ 1.01 bilhão no encerramento do 4º trimestre de 2017, aumento de 78,06% ante os R$ 568.66 milhões registrados no ano anterior.

Todos estes dados referem-se à consolidação do resultado financeiro da companhia BR Pharma (BOV:BPHA3) com o resultado financeiro de todas as suas companhias subsidiárias (empresas controladas, de maneira direta ou indireta, pela companhia) relacionadas ao ano de 2017.

Resultado da BR Pharma no 4º Trimestre de 2017

A companhia BR Pharma anunciou um prejuízo líquido de R$ 165.28 milhões no 4º trimestre de 2017, valor 48,71% menos ruim que o prejuízo líquido de R$ 322.21 milhões apurado no mesmo período do ano anterior. Já a receita líquida da companhia diminuiu 73,27% de um ano para o outro, passando de R$ 234.21 milhões no 4º trimestre de 2016 para R$ 62.6 milhões no 4º trimestre de 2017.

Acesse o balanço financeiro completo desta companhia, clicando aqui. Não deixe de conferir também seus indicadores fundamentalistas, clicando aqui.

Conheça a Brasil Pharma

A empresa foi constituída em dezembro de 2009. Em maio de 2010, adquiriu a Rede Nordeste de Farmácias (RNF), então detentora de lojas no estado de Pernambuco e, na mesma época, também adquiriu outras drogarias operadas sob a bandeira Farmácia dos Pobres, consolidando a plataforma na região nordeste do País.

Em julho de 2010, adquiriu a rede de drogarias Rosário Distrital, rede fundada em Brasília com mais de 37 anos de atuação no mercado farmacêutico, líder em Brasília e região Centro-Oeste. Em outubro do mesmo ano, adquiriu a Centro-Oeste Farma, empresa responsável pela administração do centro de distribuição da rede Rosário Distrital.

Ainda em outubro de 2010, adquiriu a rede Guararapes Brasil, empresa líder em varejo farmacêutico no estado de Pernambuco, com mais de 47 anos de atuação neste mercado. A partir dessa aquisição, a Rede Nordeste de Farmácias passou a operar conjuntamente com a Guararapes Brasil, ambas sob a marca Farmácias Guararapes, reforçando sua plataforma de operações na região nordeste.

Em dezembro de 2010, adquiriu a Farmais, maior rede de franquias de varejo farmacêutico do País, com principal presença no estado de São Paulo.

Dando um grande passo em direção à institucionalização, em junho de 2011, realizou sua oferta pública inicial (IPO), por meio da qual distribuiu, já considerando o desdobramento de ações (aprovado em 23/12/2011), um total de 48 milhões de ações ordinárias, ao preço de R$ 8,63 por ação, totalizando captação de R$ 396,6 milhões, líquidos. As ações foram registradas no Novo Mercado, segmento com o maior nível de governança corporativa da BM&FBOVESPA, sob o ticker BPHA3.

Em fevereiro de 2012, adquiriu a rede de drogarias Sant’Ana, líder no varejo farmacêutico no estado da Bahia em faturamento, ampliando a sua operação na região nordeste.

Em março de 2012, inaugurou seu Centro de Serviços Compartilhados (CSC), uma central de gestão criada para unificar as atividades de back-office das nossas redes, objetivando padronizar processos e dar mais agilidade às operações, de modo a tornar a Companhia mais competitiva. A centralização no CSC de funções de apoio, tais como Contabilidade, Recursos Humanos, Suprimentos, TI, entre outros, permite que as equipes de Operações de lojas foquem apenas nas atividades estratégicas relacionadas às vendas.

Também em março de 2012, adquiriu a rede de drogarias Big Ben. A rede é a maior, em faturamento, do Pará, estado que, segundo dados do IMS Health, representa aproximadamente 50% das vendas do mercado de varejo farmacêutico na região Norte. Com essa aquisição, iniciou suas operações na região norte e expandiu suas operações na região nordeste.

Em abril de 2012 realizou uma parceria com a Beauty’in, da empresária Cristiana Arcangeli, para o desenvolvimento de produtos de saúde, higiene, beleza e bem-estar.

Em junho de 2012, concluiu sua 2ª oferta pública de distribuição de ações (Follow-on) com a distribuição de 59,8 milhões de ações, precificadas a R$ 9,25 cada, das quais 52,8 milhões de ações em distribuição primária (considerando 7,8 milhões em lote suplementar – Green Shoe) e 7 milhões de ações em distribuição secundária. Captou, somando ao lote suplementar, um total de R$ 476,2 milhões, líquidos.

Ainda em junho de 2012, concluiu a integração da rede Guararapes pela rede Big Ben, de forma que as duas plataformas já funcionam como uma única.

Usuários ADVFN acompanham, gratuitamente e em tempo real, a cotação de todas as ações negociadas na BM&FBOVESPA através das ferramentas Monitor, Cotação e Gráfico.

Deixe um comentário