Entenda a Operação Trapaça que envolve a BRF

LinkedIn

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira (5) uma nova fase da Operação Carne Fraca – batizada por Operação Trapaça – que tem como alvo um esquema de fraudes descoberto na BRF (BOV:BRFS3), companhia do setor de carnes e processados. O grupo é investigado por fraudar resultados de análises laboratoriais relacionados à contaminação pelas bactérias “Salmonella pullorum”.

As fraudes foram constatadas entre 2017 e 2015. No total, 11 pessoas tiveram o mandado de prisão decretada, entre elas está o ex-presidente da BRF, Pedro de Andrada Faria, e o vice-presidente Hélio Rubens Mendes dos Santos Júnior. Eles teriam tentado impedir a divulgação das fraudes nos exames dos produtos, que foram reveladas em um processo trabalhista de uma ex-funcionária.

A BRF também é dona da Sadia, Qualy e Perdigão. 

Operação Carne Fraca 2017

A operação foi deflagrada pela primeira vez em março de 2017, e tinha como alvo esquemas de fraudes envolvendo fiscais do Ministério da Agricultura possivelmente praticados por companhias controladas pela BRF. As sentenças devem sair ainda este ano.

Operação Carne Fraca – Trapaça

Inicialmente, a primeira fase da Operação Trapaça não envolve crime de corrupção. As apurações decorrem das descobertas das investigações  da PF da primeira e segunda fase que tinham dezenas de frigoríficos como alvos, entre eles unidades da BRF e JBS (JBSS3– dona da Friboi.

Ações da BRF

Os ativos da companhia registrado na bolsa paulista despencava 11% nesta segunda-feira, como o mercado atento à nova fase da operação.

As ações de outros grupos do segmento de proteínas também foram impactadas: a JBS recuava 3,4% e Marfrig (MRFG3perdia 1,58%. Fora do índice Minerva (BEEF3) perdia 2,68%.

Fonte: Estadão

Deixe um comentário