Fundos captam R$ 50 bi de janeiro a março; ações atraem mais recursos que renda fixa

LinkedIn

Os fundos de investimentos fecharam o primeiro trimestre com uma captação líquida de R$ 49,9 bilhões, acima da média para o período nos últimos quatro anos, de R$ 40 bilhões, mas bem abaixo dos R$ 109,9 bilhões do primeiro trimestre do ano passado. Foi também a segunda maior captação no período nos últimos quatro anos.

O perfil da captação, porém, mudou bastante este ano, com forte queda nas aplicações em fundos de renda fixa e aumento das aplicações em fundos multimercados e de ações, que responderam por 84% do total. Os fundos renda fixa captaram no primeiro trimestre R$ 5,8 bilhões, ante R$ 73,3 bilhões em 2017.

Já os fundos multimercados captaram R$ 33,3 bilhões, ante R$ 22,6 bilhões em 2017, e os fundos de ações, que tiveram resgates de R$ 500 milhões no primeiro trimestre, captaram R$ 8,8 bilhões este ano. “Não me lembro quando tivemos isso, fundos de ações captando mais que renda fixa”, afirma Carlos André, vice-presidente da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). “Mais do que a captação dos multimercados, que foi a maior, chamou a atenção essa entrada em fundos de ações”, destaca.

O patrimônio total dos fundos de investimentos chegou a R$ 4,3 trilhões, enquanto o número de administradores, instituições que se responsabilizam por controlar o trabalho dos gestores, subiu de 78 para 83. O número de fundos também aumentou, de 15.125 em para 16.221, com destaque para o maior número de novos fundos de ações e multimercados.

Em 2018, até março, foram criados 90 fundos multimercados e 47 de ações, enquanto 7 fundos de renda fixa foram fechados, o que confirma o maior interesse dos investidores pela diversificação. Essa tendência começou no ano passado, quando foram criados 704 carteiras de multimercados e 109 de ações, enquanto 27 fundos renda fixa deixaram de existir.

A diversificação aparece também no número de gestores, que passou de 547 para 571 de março do ano passado para março deste ano. E o total de contas de investidores subiu de 12,6 milhões para 14,1 milhões.

Com a maior procura por ações e multimercados, a parcela de fundos renda fixa caiu, de 49% do total de patrimônio dos fundos para 46%, enquanto ações subiu de 4% para 6% e os multimercados, de 19% para 21%.

A captação de recursos até março foi impactada ainda por dois grandes fundos de empresas, um renda fixa e um fundo de recebíveis Fidic, que tiveram resgates de R$ 29,5 bilhões. Isso reduziu a captação no segmento corporate. Já os fundos poder público, voltados para governos, registraram a maior captação no primeiro trimestre, como ocorre todos os anos, pela entrada dos pagamentos de impostos.

Os poderes públicos captaram R$ 21,5 bilhões, para R$ 22,9 bilhões no primeiro trimestre do ano passado. O segmento private captou R$ 9 bilhões, menos que os R$ 14,2 bilhões do mesmo período de 2017, e o varejo, R$ 6 bilhões, bem abaixo dos R$ 16 bilhões do ano passado.

Em termos de rentabilidade, a bolsa se saiu melhor este ano no primeiro trimestre, com o Índice Bovespa subindo 11,7%, para 7,9% no mesmo período do ano passado, observa Carlos Arnaldo. Isso ajudou a ampliar a captação dos fundos de ações e dos multimercados.

Já na renda fixa, o IMA-Geral, índice que acompanha a rentabilidade de todos os títulos do governo no mercado, subiu 3,5% neste ano, para 5,4% no ano passado, acompanhando a queda na taxa básica Selic. O IMA-B, que acompanha a rentabilidade dos papéis corrigidos pela inflação, acumulou 4,9% neste ano, menos que os 6,9% do ano passado.

Com base nesses números do mercado, Carlos André destaca que nenhuma categoria de fundo de ações conseguiu superar o Índice Bovespa. A explicação é que a alta do índice foi concentrada nos papéis mais líquidos, e como os fundos de ações são mais diversificados não conseguiram acompanhar o referencial.

O maior destaque foi a categoria ações dividendos, com 10,4%, seguida dos fundos Índices Ativo, com 10,3%. “Mas o ambiente continua positivo para a bolsa, temos condições predominantemente positivas aqui e lá fora, com inflação e juros muito baixos, retomada da economia e um ambiente externo que deve beneficiar a atividade e as empresas e o mercado de capitais como um todo”, afirma.

Na renda fixa, os destaques foram os fundos renda fixa duração alta (longo prazo) grau de investimento, que fecharam o trimestre com ganho bruto médio de 3%, sem desconto de imposto de renda. Os duração livre soberanos (papéis do governo) subiram 2,2% e os duração livre grau de investimento acumularam ganho médio de 1,9%. superando o IMA-S e o rendimento líquido da poupança, de 1,2%. “No ano passado, os juros eram mais altos e isso beneficiou a rentabilidade da renda fixa, o que não aconteceu este ano”, explica Carlos André.

Nos multimercados, o rendimento foi bom, repetindo a performance do primeiro trimestre de 2017. “Todos os tipos superaram o IMA-S, especialmente os Macro, com 4,3%, e os Livre, com 3,7%”, diz o executivo. Eles tiveram rendimento próximo do índice de Hedge Funds da Anbima, que acumulou 4,4% no primeiro trimestre.

“O desempenho reflete as condições macroeconômicas favoráveis e este ano eleitoral pode trazer mais volatilidade, mas essa volatilidade pode se transformar em oportunidade para os gestores entregarem desempenho positivo, como no ano passado”, acredita.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.