Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Pré-Market: Petróleo e dólar desafiam mercado

LinkedIn

O dólar faz uma pausa no recente rali em relação às moedas rivais, enquanto o petróleo avança para além da faixa de US$ 70, tanto em Nova York quanto em Londres, com o investidor ainda avaliando uma série de riscos ao mercado financeiro. As renovadas tensões geopolíticas no Oriente Médio, após uma ação militar na Síria e na península arábica envolvendo o Irã, sustentam o barril da commodity nos maiores níveis desde 2014.

Tal comportamento sustenta as bolsas em alta, com o sinal positivo prevalecendo desde a Ásia, passando pela Europa até chegar em Wall Street. Os mercados emergentes também ensaiam um alívio, mas a pressão sobre o ringgit malaio, após a oposição vencer as eleições presidenciais, mostra que parece não haver uma trégua nos negócios nesta semana. Já a provável formação de um governo populista na Itália não atrapalha a recuperação do euro.

A libra esterlina também ganha terreno em relação ao dólar, à espera da decisão de política monetária do Banco Central da Inglaterra (BoE), enquanto o iene é cotado no menor nível em mais de três meses. Ainda assim, a moeda norte-americana mede forças e avança frente ao dólar neozelandês, após o BC local (RBNZ) sinalizar uma queda na taxa de juros. Nos bônus, o juro projetado pelo papel de 10 anos dos Estados Unidos (T-note) oscila abaixo de 3%.

Após a decisão do presidente Donald Trump de abandonar o acordo nuclear com o Irã, o mercado financeiro só tem olhos para o comportamento do petróleo. O aumento nos preços do barril amplia a expectativa de mais oferta da commodity, estimulando os produtores norte-americanos e mantendo os estoques elevados, apesar dos esforços do cartel da Opep em reduzir a oferta global, sustentando os preços artificialmente.

Assim, ainda é dúvida o impacto do rali do petróleo na inflação dos EUA e, consequentemente, na resposta a ser dada pelo Federal Reserve. Isso porque a pressão para o repasse nos preços ao consumidor tende a ser amortecida com o aumento da oferta da commodity no país, mesmo em tempos de maior demanda, com a chegada do verão (no Hemisfério Norte).

Com isso, o petróleo tipo WTI deve seguir orbitando entre US$ 65 e US$ 75 por barril, ao passo que o Brent segue rumo à marca de US$ 80. Mas a tensão geopolítica após a decisão da Casa Branca de retirar os EUA do pacto iraniano deve manter os preços mais pressionados no curto prazo, alimentando temores de que a produção e exportação do país persa seja afetada.

Tal perspectiva pode obrigar o Fed a ser mais duro (“hawkish”) na condução do processo de normalização monetária, subindo a taxa de juros norte-americana em um ritmo mais rápido que o esperado. Essa aceleração tende a atrair recursos aplicados em ativos mais arriscados, como os brasileiros, em direção ao risco zero dos EUA, fortalecendo o dólar e os bônus do país (Treasuries).

No Brasil, é crescente a percepção de que o cenário otimista com a economia em 2018 precisa ser revisto. Afinal, a atividade não decolou e a recuperação econômica ainda patina, diante da demora na retomada do emprego, adiando o aumento da renda e a volta do consumo. Com isso, o buraco nas contas públicas segue aberto – e cada vez maior.

Um problema adicional na questão doméstica é a perda de atratividade no chamado diferencial de juros, com o retorno oferecido pelo prêmio de aplicar no país sendo menos sedutor que o de outros países de risco menor, como nos EUA, onde a trajetória da taxa é ascendente – pagando mais rendimento.

Como o Banco Central brasileiro reiterou que vai continuar cortando a Selic neste mês, renovando o piso histórico, o investidor tende a migrar o capital – especulativo, em grande parte – em busca de maior retorno e segurança. Esse movimento tende a sustentar o dólar acima da faixa de R$ 3,50 no curto prazo, testando níveis cada vez mais altos.

Ontem, a moeda norte-americana flertou o nível de R$ 3,60 e pode ir buscar a faixa de R$ 3,70 até a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na semana que vem – caso o BC não faça mais nada para suavizar o comportamento do câmbio. Afinal, uma queda adicional de 0,25 ponto no juro básico reduz ainda mais o poder de atração da renda fixa local.

E não há, por ora, no horizonte à frente, a perspectiva de o dólar retroceder à marca de R$ 3,30. Ao menos até agosto, quando a questão eleitoral passa a dominar de vez o mercado financeiro doméstico, podendo estressar ou aliviar os ativos locais, a depender da corrida presidencial e da colocação dos candidatos na disputa.

Um dos principais instrumentos de defesa do BC são as volumosas reservas cambiais, que estão na ordem de US$ 380 bilhões. Tal montante assegura que não deve faltar de dólares no mercado, como ocorre na vizinha Argentina. Mas essa estratégia deve ser a última opção da autoridade monetária, que pode elevar a quantidade extra de contratos de swap cambial ou ainda garantir liquidez ofertando linhas de financiamento com garantia de recompra.

Na agenda do dia, o destaque são os dados de inflação. Na China, o índice de preços ao consumidor (CPI) perdeu força pelo segundo mês seguido, com alta de 1,8% em abril, em base anual, após avançar 2,1% em março, na mesma comparação. Já o índice de preços ao produtor chinês (PPI) encerrou cinco meses consecutivos de desaceleração e cresceu 3,4% no mês passado, em relação ao mesmo mês no ano anterior, ante alta de 3,1% em março.

Mais indicadores de preços recheiam o calendário econômico desta quinta-feira. O destaque fica com a inflação ao consumidor no Brasil (9h) e nos Estados Unidos (9h30). Por aqui, o IPCA deve ganhar força e subir 0,25% em abril, após registrar leve alta em março (+0,09%), quando apurou o menor resultado para o mês na série do IBGE, iniciada em 1994.

Já a taxa no período acumulado dos últimos 12 meses até abril deve voltar à faixa de 2,8%, mas ainda nos menores níveis desde o fim do ano passado. Juntamente com o IPCA, saem os números de abril sobre o custo na construção civil e os dados atualizados da safra agrícola e da produção de grãos neste ano. Antes, às 8h, é a vez da primeira prévia de maio do IGP-M. Na safra de balanços, destaque para os resultados trimestrais de Banco do Brasil, antes da abertura, e de B3 e BRF, após o fechamento.

No exterior, o CPI norte-americano deve apagar a queda de 0,1% registrada em março e subir 0,3% em abril, com o núcleo do indicador, que exclui itens voláteis, mantendo o ritmo de alta, de +0,2%. No mesmo horário, saem os pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos nos EUA. À tarde (15h), é a vez do orçamento do Tesouro do país no mês passado.

Na Europa, merece atenção a decisão de juros do BC inglês (BoE), às 8h, juntamente com a publicação do relatório trimestral com as projeções para as principais variáveis macroeconômicas. Aliás, diante de dados mais comedidos de atividade e inflação, o BoE deve optar pela manutenção da taxa de juros em 0,50%.

Deixe um comentário

Seu Histórico Recente
BOV
VALE5
Vale PNA
BOV
IBOV
iBovespa
BOV
PETR4
Petrobras
BOV
IGBR3
IGB SA
FX
USDBRL
Dólar EUA ..
Ações já vistas aparecerão nesta caixa, facilitando a volta para cotações pesquisadas anteriormente.

Registre-se agora para criar sua própria lista de ações customizada.

Faça o login em ADVFN
Registrar agora

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

Support: (11) 4950 5808 | suporte@advfn.com.br

V: D: 20231003 01:07:04