TOP 5 ADVFNnews - Confira as notícias mais lidas desta semana

LinkedIn

Fique por dentro do que rolou durante essa semana no Jornal ADVFN 

Para saber o que foi destaque na semana anterior, clique aqui

1. Em crise, BRF perde R$ 40 bi em 10 trimestres, mostra estudo

“A crise vivida pela BRF (BOV:BRFS3) resultou em perda de R$ 40 bilhões em dez trimestres seguidos, do terceiro trimestre de 2015 ao quarto trimestre de 2017, segundo estudo do doutor e professor de finanças corporativas na Fundação Getulio Vargas (FGV) EAESP, Oscar Malvessi. O estudo foi publicado pela Revista RI deste mês. Segundo Malvessi, o tamanho da queda equivale a praticamente a duas vezes o seu próprio valor de mercado no início da fusão entre Sadia e Perdigão.” Leia

2. AO VIVO: TST julga processo bilionário contra Petrobras

“O Tribunal Superior do Trabalho (TST) julgou nesta quinta-feira (21), a maior ação trabalhista da história da Petrobras (BOV:PETR4). Caso a empresa perca a ação, terá que desembolsar mais de R$ 15 bilhões, conforme balanço do primeiro trimestre de 2018, e a folha de pagamento ainda cresceria em até R$ 2 bilhões por ano.” Leia

3. A BRF vai vender a Minerva?

“De acordo com uma notícia publicada pelo jornal Valor Econômico nesta quinta-feira (21), a BRF (BOV:BRFS3) está negociando com bancos a venda em bloco (block trade) de ações da Minerva Foods (BOV:BEEF3). O Valor afirmou que a informação é a partir de “três pessoas a par do assunto”. Leia

4. Termina amanhã reserva para ação do Agibank; assessoria recomenda não entrar

“Termina amanhã, dia 20, a oferta inicial de ações (IPO na sigla em inglês) do Agibank, banco digital que está abrindo seu capital. Segundo informações de mercado, a demanda pelo papel já supera em duas vezes a oferta, considerando o preço proposto, entre R$ 13,87 e R$ 16,95, com média de R$ 15,41.” Leia

5. Banco do Brasil fecha acordo com EDP no mercado de energia livre

“O Banco do Brasil (BOV:BBAS3) e a EDP (BOV:ENBR3) anunciaram nesta quarta-feira (20) um acordo de R$ 86 milhões para o fornecimento de 400 gigawatts-hora (GWh) no mercado livre de energia.” Leia

Deixe um comentário