Bradesco eleva preço de ação da Embraer; mas papel cai 15%; empresa estuda dividendo especial

LinkedIn

Analistas consideraram o negócio entre a Embraer (EMBR3) e a Boeing positivos para a empresa brasileira, por abrir espaço para crescimento e troca de tecnologias com a maior empresa aérea do mundo.

Mesmo assim, os papéis da Embraer estão em forte queda na bolsa, de até 15%, uma vez que boa parte do mercado esperava um valor maior para o negócio, entre US$ 6 bilhões e US$ 10 bilhões, e a avaliação da Embraer ficou em US$ 4,750 bilhões, explica a Guide Corretora. Mesmo assim, a operação será positiva para a companhia.

Na conferência com analistas, as empresas informaram que o acordo final deve ser fechado em novembro deste ano e então submetido ao governo brasileiro. A Embraer deve ter um ganho fiscal de 20% e uma opção em 10 anos para vender sua parte de 20% na joint venture para a Boeing.

As dívidas da Embraer também devem ser transferidas para a nova empresa e a companhia diz que pretende pagar um dividendo especial ou lançar uma recompra de ações.

Bradesco eleva preço de ação

O Bradesco aumentou o preço- alvo para as ações da Embraer após a empresa anunciar a associação com a Boeing para a criação de uma empresa de aviação comercial para aeronaves de médio porte. O banco elevou o preço de US$ 29 para US$ 31, mas manteve a recomendação “neutra” para o papel.

Segundo relatório assinado pelos analistas Victo Mizusaki e Raphael Frankel, o acordo saiu de acordo com o previsto pela instituição, que a empresa teria um valor de US$ 4,2 bilhões. Como o negócio saiu com valor de US$ 4,75 bilhões, o banco estima que a Boeing estimou US$ 1,9 bilhões em sinergias. O Bradesco justificou sua recomendação neutra afirmando que o potencial de valorização do papel é baixo, 35%.

O banco estima também que a Boeing poderia ajudar a Embraer a distribuir seus produtos de defesa, que ficou de fora da joint venture de fabricação por envolver interesses estratégicos do Brasil. Mas o Bradesco vê pouco potencial nessa parceria pois a Boeing já é responsável pela venda do novo cargueiro da Embraer, o KC390.

Acordo extremamente positivo

A nova parceria com a Boeing é extremamente positiva para Embraer, pois ela fortalece a capacidade de vendas da empresa, fruto do posicionamento estratégico dos canais/rede de venda da Boeing, avalia a Guide Investimentos.

O acordo também cria maior valor agregado aos clientes das companhias, uma vez que o portfólio de Boeing/Embraer é complementar e a estrutura de suporte/assistência deve se tornar mais eficiente. As  sinergias de custo/ despesas e de cadeia de suprimentos são expressivos, algo que pode impulsionar a lucratividade e crescimento da companhia e, além disso, há um ganho com menor custo de capital.

A Guide avalia que, para a Embraer, novos aportes são interessantes, uma vez que o setor passa por um movimento de consolidação. Recentemente, houve a parceria Airbus-Bombardier, onde a Airbus adquiriu uma participação majoritária no programa C-Series da companhia francesa.

A nova parceria Boeing e Embraer é uma resposta à essa concorrência agressiva (também envolvendo players chineses), e abre mais espaço para oportunidade de crescimento no mercado global de aviação.

Para a Boeing, o movimento também é estratégico, uma vez que a empresa americana quer ter produtos no segmento de jatos para passageiros com capacidade para menos de 150 assentos, onde Embraer segue como líder mundial.

Sobre a reação negativa dos mercados, a Guide avalia que, em um primeiro momento, o valor envolvendo o segmento de aviação comercial da Embraer veio ligeiramente abaixo do esperado pelo mercado (a expectativa era de um número próximo de US$ 6-10 bilhões).

“Ainda assim, destacamos que o acordo avalia o segmento comercial da Embraer no mesmo patamar do valor de mercado atual da Embraer. Ou seja: há valor a ser destravado aos acionistas, em especial, quando nos referimos aos segmentos de Defesa e Executivo”, diz a corretora. Além disso, há ainda alguns obstáculos a serem esclarecidos sobre o novo negócio. Algo que contribuiu para a queda mais acentuada dos papéis, diz a Guide.

Melhores vendas e tecnologia

De acordo com o economista-chefe da corretora Nova Futura Investimentos, Pedro Paulo Silveira, a abertura de uma  joint venture entre a Embraer e Boeing pode fortalecer o poder das vendas da empresa brasileira, além de agregar novas tecnologias.

“A operação é positiva para a Embraer e estratégica para ambas as empresas”,afirma o economista. A combinação de negócios deve aumentar o potencial de vendas e criar mais valor aos seus clientes, com um portfólio de produtos sinérgicos e uma rede de assistência mais eficiente.

A Boeing vê na nova família de jatos comerciais da Embraer, chamada de E2, a possibilidade de crescimento orgânico. Do lado da Embraer, surge a possibilidade de ganhar um pedaço do mercado de jatos regionais de menos de 130 lugares, antes liderado pelo duopólio Boeing e Airbus, explica Beatriz Martins, Analista de Investimentos da DMI Group.

Porém, existe um receio dos fornecedores locais ao ampliar o acesso ao mercado internacional, já que o acordo não preserva os fabricantes nacionais. Ou seja, as empresas brasileiras poderiam perder espaço para a concorrência internacional.

Entretanto, muitas delas conseguem enxergar uma oportunidade de alcançar o mercado global. “A Agência Nacional de Desenvolvimento Industrial (ABDI), que já trabalha em parceria com a Embraer, entende que o acordo é uma oportunidade para o fortalecimento da cadeia de fornecedores, posicionando as nossas empresas de forma mais competitiva no mercado global”, explica seu presidente, Guto Ferreira.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.