Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira

Google+ LinkedIn

Investing.com – Confira as cinco principais notícias desta quinta-feira, 12 de julho, sobre os mercados financeiros:

1. Bolsas de todo o mundo se recuperam após mais recente choque da guerra comercial

Bolsas de valores de todo o mundo se recuperavam, com os mercados deixando de lado alguns dos problemas comerciais vistos na sessão anterior, quando os temores de uma escalada na guerra comercial EUA-China abalaram os ânimos dos investidores.

Na Ásia, as bolsas fecharam majoritariamente em território positivo, com os mercados chineses liderando os ganhos na região. Tanto o Shanghai Composite quanto o Shenzhen Composite, com menor capitalização, subiram mais de 2%, recuperando em grande parte as perdas de quarta-feira.

Já na Europa, as bolsas estavam em ligeira alta durante a metade da manhã, com quase todos os setores em território positivo. Entre os índices nacionais, o DAX da Alemanha, com forte presença de exportadores, subia 0,3%, enquanto o FTSE da Inglaterra tinha alta de 0,6%.

Em Wall Street, o mercado futuro norte-americano apontava para uma leve alta na abertura. Às 06h39, O índice blue chip futuros do Dow subia 220 pontos, ou cerca de 0,6%, os futuros do S&P 500 avançavam 12 pontos, ou quase 0,4%, enquanto o índice futuro de tecnologia Nasdaq 100 indicava ganhos de 30 pontos ou cerca de 0,4%.

O foco do mercado está em grande parte sintonizado com as próximas possíveis etapas na disputa comercial entre os EUA e a China. Os investidores temem que uma guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo possa atingir o crescimento global e prejudicar os ânimos.

2. Dólar atinge máxima de 6 meses frente ao iene

O dólar norte-americano chegava à nova máxima de seis meses frente ao iene em meio a expectativas crescentes de que o Federal Reserve aumentará as taxas de juros mais duas vezes este ano.

A moeda dos EUA subia 0,4% em relação ao iene, cotado a 112,42 (USD/JPY), o nível mais forte desde 10 de janeiro, depois de ter tido ganhos de cerca de 1% na sessão anterior, quando dados econômicos positivos dos EUA elevaram a confiança na maior economia do mundo.

O índice dólar (DXY) frente a uma cesta de seis moedas principais permanecia forte negociado a 94,50, perto da máxima de uma semana e meia, 94,56, que foi atingida durante a noite.

Enquanto isso, no mercado de títulos, os preços dos títulos do Tesouro dos EUA estavam mais baixos, o que faz com que os rendimentos subam; o rendimento do título do Tesouro dos EUA com vencimento em 10 anos avançava para 2,86%.

Já na Ásia, o yuan da China se fortaleceu 0,3% durante a noite, recuperando-se parcialmente de um grande deslize no dia anterior.

3. Dados da inflação dos EUA

O calendário de quinta-feira traz o ponto mais importante de dados econômicos da semana.

O Departamento de Comércio publicará os números da inflação em junho às 09h30, o que poderia oferecer mais sustentação à noção de que a inflação voltou à meta do Fed.

Espera-se que o índice de preços ao consumidor tenha subido 0,2% no mês passado e 2,9% no ano, de acordo com as estimativas.

Excluindo o custo de alimentos e combustíveis, o núcleo da inflação deve ter aumento de 2,3% em uma base ano após ano.

Dados divulgados na quarta-feira mostraram que junho teve o maior aumento anual nos preços nos EUA em seis anos e meio graças aos ganhos nos custos de serviços e veículos automotores.

Os dados reforçaram as expectativas de dois aumentos adicionais dos juros do Fed neste ano.

4. Petróleo se recupera após pior perda diária em 2 anos

O petróleo Brent avançava mais de US$ 1, recuperando algum terreno depois de sua maior queda de um dia em dois anos na sessão anterior, com notícias de que a Líbia retomaria as exportações de petróleo.

O rali recebeu um impulso adicional da Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês), que disse que a reserva de oferta de petróleo do mundo “pode ser esticada até o limite” devido a perdas de produção.

Os contratos futuros de petróleo Brent estavam em alta de US$ 1,48, ou cerca de 2%, e eram negociados a US$ 74,87 o barril após terem caído quase 7% na quarta-feira.

O petróleo bruto West Texas Intemediate avançava US$ 0,64, ou cerca 0,9%, para US$ 71,02 após ter caído 5% na sessão anterior.

5. Trump continua sua turnê europeia

O presidente dos EUA, Donald Trump, voa para a Inglaterra para conversas com o aliado mais próximo do país na Europa, e o chá com a rainha Elizabeth, tendo como pano de fundo os protestos e o que ele descreveu como turbulência no país em relação ao Brexit.

Recém-saída da cúpula da Otan, na qual Trump criticou a Alemanha e outras nações europeias por não contribuírem o suficiente com os gastos com a defesa, a primeira-ministra britânica, Theresa May, espera que essa viagem fortaleça os laços estreitos entre as duas nações e ajude a forjar um futuro acordo de livre comércio.

Maio vai sediar um jantar de gala para Trump que terá a participação de ministros e cerca de 100 líderes empresariais, incluindo os de Blackstone, Blackrock, Diageo, McLaren e Arup.

http://br.investing.com é o principal portal financeiro que oferece cotações em tempo real, gráficos streaming, notícias financeiras atualizadas, análises técnicas e mais.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.