Eleições 2018: Em cenário sem lula, Bolsonaro lidera intenções de voto com 23,9%

LinkedIn

O pré-candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, lidera as intenções de voto para as eleições de outubro, com 23,9% de preferência do eleitorado no cenário sem a presença do ex-presidente Lula (PT) entre os concorrentes. As informações constam no levantamento do instituto Paraná Pesquisas, divulgado nesta quarta-feira (15).

Na pesquisa sem Lula entre os candidatos, em que o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, aparece como nome do PT, Marina Silva (Rede) é a segunda colocada com 13,2% de apoio, em empate técnico com Ciro Gomes (PDT), que registra 10,2% de apoio.

Geraldo Alckmin (PSDB) vem a seguir com 8,5%, à frente de Alvaro Dias (Podemos), com 4,9%, e de Haddad, que possui 3,8% das intenções de voto. Nesse cenário, 6,8% dos entrevistados disseram não saber em quem votar, e 23,1% disseram que não votariam em nenhum dos candidatos.

Quando Lula é incluído entre os concorrentes, o ex-presidente lidera as intenções de voto com 30,8% de apoio, contra 22,0% de Bolsorado, que ocupa a segunda posição nesse cenário.

Lula, no entanto, está preso em Curitiba desde o início de abril cumprindo pena de 12 anos e 1 mês por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex no Guarujá (SP), e deve ficar inelegível pela Lei da Ficha Limpa, que barra a candidatura de condenados por órgãos colegiados da Justiça.

Nesse outro cenário do levantamento, Marina ocupa a terceira posição, com 8,1% das intenções de voto, na frente de Alckmin, que possui 6,6% de apoio, 5,9% de Ciro Gomes e 4,0% de Alvaro Dias. De acordo com a pesquisa, 4,6% dos entrevistados não saberiam em quem votar nesse cenário e 14,3% disseram que não votariam em nenhum dos candidatos.

O levantamento do Paraná Pesquisas entrevistou 2.002 eleitores, entre os dias 9 e 13 de agosto, em 168 municípios dos 26 Estados e no Distrito Federal. A margem de erro estimada do levantamento é de aproximadamente 2,0 pontos percentuais, de acordo com o instituto.

Por Reuters  

Deixe um comentário