Ata do Copom e sensibilidade do mercado à incerteza política

LinkedIn

Atividade econômica

No Brasil, a ata da reunião do Copom reforça comunicado, indicando permanência da taxa de juros em 6,50% a.a. até o final de 2018. Sem surpresas, a ata reforçou aquilo que o Bacen vem sinalizando ao mercado, reiterando que a conjuntura econômica ainda prescreve política monetária estimulativa; com alto nível de ociosidade na economia. Os indicadores econômicos apontam para uma continuidade da recuperação após a greve dos caminhoneiros. Assim, a menos que haja uma piora relevante no balanço de riscos, o Banco Central deve manter abordagem no curto prazo.

Mercados acionários

Os principais índices acionários estão em alta nesta terça-feira, e os ganhos são alimentados pela desaceleração nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China. A sessão asiática fechou em alta, embora o fechamento em Xangai tenha ocorrido com queda de 0,58%. Na Europa e nos EUA, as bolsas estão em alta. No Brasil, o mercado cai ao passo que aumenta o risco político; a queda é limitada pela alta de empresas de materiais básicos, que sobem com a depreciação do real.

No mercado de divisas, o euro sobe com a fala do presidente do Banco Central Europeu. Mario Draghi declarou que não há pressa em realizar um aperto monetário, impulsionando a moeda da Zona do Euro e as treasuries de 10 anos. O índice para o dólar se apega ao patamar de 94,000, com queda de 0,1%.

Expectativas dos agentes

Mesmo com um clima mais ameno nas bolsas internacionais, o mercado doméstico permanece incerto. A sensibilidade do mercado em relação às pesquisas continua a ser bastante expressiva nas oscilações do mercado. A pesquisa Ibope/Estadão/TVGlobo indica um forte aumento nas intenções de voto ao candidato Haddad, enquanto as intenções de voto ao candidato Bolsonaro permaneceram inalteradas.

Deixe um comentário