Ibovespa segue em ritmo lento perto dos 87 mil

LinkedIn

A bolsa de valores de São Paulo segue em ritmo lento nesta quarta-feira, com os investidores voltando do feriado e atentos para os resultados dos ADRs nas negociações de ontem na bolsa de Nova York, quando a Petrobras perdeu força ante os preços do petróleo. Pesam ainda os nomes que estão sendo anunciados para a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro e para notícias corporativas.

Há pouco, o Ibovespa estava em queda de 1,23% aos 86.846 pontos. O giro financeiro seguia para os R$ 6,7 bilhões.

O boletim matinal da Mirae Asset mostrou:”O temor de que não ocorra entendimento entre Estados Unidos e a China sobre a guerra comercial x retração da economia mundial voltou a pesar no humor dos investidores. Soma-se a este sentimento o momento de fragilidade do governo Italiano e das negociações sobre o Brexit. Aqui o Ibovespa retorna do feriado no negativo, com os preços das ações ajustando a forte queda dos preços dos ADR’s.”

As ações com ganhos

BRF ON, alta de 4,27%; Gol PN, alta de 3,28%; JBS ON alta de 3,04%; Natura ON, alta de 2,49%; e Cielo ON, alta de 2,27%.

As ações com perdas

Petrobras ON, queda de 4,14%; Suzano Papel ON, queda de 3,32%; Petrobras PN, queda de 3,23%; Sid. Nacional ON, queda de 3,29%; e Gerdau PN, queda de 2,72%.

Mais negociadas

Petrobras PN, queda de 3,23%; Vale ON, queda de 1,95%; Brasil ON, queda de 0,41%; ItauUnibanco PN, queda de 33,84%; e Petrobras BR ON, alta de 0,38%.

Commodities

A Petrobras ainda não anunciou o preço do litro da gasolina e do diesel para esta quinta-feira (22) para as distribuidoras e sem tributos.

O petróleo referência, Brent, segue em queda de 1,10% aos US$59,90 o barril negociado na bolsa de Futuros de Londres.

O petróleo WTI segue em alta de 1,42% e cotado aos US$ 54,21 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 0,79% aos US$74,06 a tonelada seca e com 62% de pureza.

A celulose fibra longa negociada fechou US$1.199,99,00, alta de 0,05%, a tonelada. A celulose fibra curta fechou a US$1.050,00 a tonelada, estável.

Deixe um comentário