Volume de crédito nos bancos cresce 1,1% em novembro com cartões; juro do cheque especial sobe

LinkedIn

Os bancos emprestaram mais em novembro, mas aumentaram as taxas do cheque especial e do cartão de crédito. É o que mostram os dados do Banco Central (BC). O saldo das operações de crédito do sistema financeiro totalizou R$ 3,2 trilhões em novembro, com crescimento de 1,1% no mês. Em 12 meses, o aumento foi de 4,4%, indicando aceleração em relação a outubro, quando o aumento foi de 3,6%. O crescimento foi puxado pelas operações com pessoas físicas, cujo saldo aumentou 1,4%, somando R$ 1,8 trilhão, ou mais da metade do total. O crédito a pessoas jurídicas cresceu 0,8%, atingindo R$ 1,4 trilhão.

As taxas dos empréstimos, porém, subiram em algumas linhas, em especial as que já são as mais caras: cheque especial e cartão de crédito. No cheque especial, o juro ao ano subiu 5,3 pontos percentuais, para 305,7% ao ano, o que equivale a 12,38% ao mês, para 12,26% ao mês em outubro. Já no crédito rotativo do cartão, o custo para quem pagou a parcela mínima subiu de 253,2% (11,08% ao mês) ao ano para 255,6% (11,15% ao mês). Já a taxa para quem não pagou o mínimo passou de 291,1% (12,04% ao mês)  para 296,8% (12,17% ao mês). A taxa para o crédito parcelado caiu ligeiramente, de 152,3% ao ano para 152,0% (8% ao mês).

Os juros para financiamento de veículos ficaram em média em 23,1% ao ano (1,75% ao ano), praticamente estável em relação aos 23,2% de outubro. O consignado para trabalhadores do setor privado custou 40% ao ano (2,84% ao mês), ante 40,3% em outubro, e para aposentados, em 27,2% ao ano (2,02% ao mês), um pouquinho abaixo dos 27,3% de outubro. Para funcionários públicos, o consignado custava 24,5% ao ano (1,84% ao mês), ante 24,6% em outubro.

Já nos empréstimos direcionados, o crédito imobiliário ficou estável, em 13,5% ao ano nas taxas livres e 8,6% nas reguladas.

Cartão, veículo e crédito pessoal puxam aumento

No crédito a pessoas físicas (R$ 936 bilhões), as operações com recursos livres cresceram 2,1% no mês e 10,4% em 12 meses, com destaque para cartão à vista, financiamentos de veículos e crédito pessoal. O crédito direcionado às famílias cresceu 0,6% no mês e 5,3% na comparação interanual, impulsionado pelos financiamentos rurais e imobiliários, totalizando R$ 835 bilhões.

Entre as operações para pessoas jurídicas, a carteira livre aumentou 1,7% no mês (+10,3% em doze meses), atingindo R$ 779 bilhões. Destacaram-se desconto de duplicatas e recebíveis, capital de giro, veículos e “compror”, crédito para as empresas comprarem mercadorias. Nas operações com recursos direcionados, saldo de R$ 652 bilhões, recuos de 0,3% no mês e de 9,6% em doze meses.

Concessões crescem 1,7% em novembro e PF, 3,8%

As concessões de crédito alcançaram R$330 bilhões em novembro, com aumento de 1,7% no mês (+3,8% em pessoas físicas e -1,1% em jurídicas). No acumulado do ano, as concessões totais aumentaram 11,8% (13,8% na carteira de pessoas jurídicas e 10,3% na de pessoas físicas).

O Indicador de Custo de Crédito (ICC), que reflete o custo médio de toda a carteira de crédito do sistema financeiro, manteve-se em 20,9% a.a., com queda acumulada de 0,9 p.p. em doze meses. No crédito livre excluindo-se as operações rotativas, o ICC situou-se em 29,3% (-0,1 p.p. mês, -2,1 p.p. doze meses). O spread do ICC do crédito total alcançou 14 p.p. (+0,1 p.p. mês) e o spread do ICC com recursos livres sem operações rotativas, 19,8 p.p. (-0,1 p.p.).

ICC

A taxa média de juros das contratações em novembro permaneceu estável relativamente ao mês anterior em 24,6% a.a. (-2,2 p.p. nos últimos doze meses). Na carteira livre, a taxa situou-se em 37,9% (-0,1 p.p. no mês), com redução de 0,3 p.p. em pessoas físicas (51,6%), destacando-se quedas no não consignado (-3,1 p.p.) e no financiamento de veículos (-0,7 p.p.). No crédito livre a empresas, a taxa de juros alcançou 20,3% a.a. (-0,1 p.p.). A taxa de juros do crédito livre, excluindo-se as operações rotativas, recuou 0,3 p.p., para 29,2% a.a.

O spread bancário referente às contratações totais do mês subiu 0,2 p.p., para 18,2 p.p. Nas operações livres não rotativas, spread de 20,9 p.p., após aumento de 0,2 p.p.

Deixe um comentário