Poupança tem resgates de R$ 11,2 bi em janeiro, maior saída desde 2016, diz BC

LinkedIn

A população brasileira sacou mais dinheiro do que depositou na poupança ao longo de janeiro deste ano. O saldo de saques menos depósitos para o mês ficou em R$ 11,232 bilhões, informou hoje (6) o Banco Central (BC). Ao todo, foram depositados na caderneta de poupança R$ 194,672 bilhões. As retiradas durante o primeiro mês do ano somaram R$ 205,905 bilhões.

Esse resultado representa a maior retirada de recursos da poupança para o mês de janeiro desde 2016, quando a diferença entre saques e depósitos foi de R$ 12,032 bilhões. A série histórica registra as movimentações da caderneta desde 1995.

A saídas coincidem com o momento de maior aperto financeiro da população, que tem as despesas de início de ano, como IPVA de carros e IPTU de imóveis, os gastos com cartões durante o fim de ano, as viagens de férias e as despesas de matrícula e material escolar dos filhos. Assim, o dinheiro do 13º salário aplicado em dezembro na poupança acaba gasto agora.

Os resgates também podem estar ligados a uma maior busca por diversificação e oportunidades nos mercados, após a definição do governo Jair Bolsonaro e as indicações de reformas que beneficiaram a alta da bolsa e dos fundos multimercados.

Rendimentos

Em janeiro, os rendimentos da aplicação mais popular do país resultaram em crédito de R$ 2,939 bilhões. O saldo atualmente depositado na poupança está em R$ 788,988 bilhões, segundo o BC.

Pela legislação em vigor, o rendimento da poupança é calculado pela soma da Taxa Referencial (TR), definida pelo BC, mais 0,5% ao mês. Mas, a partir de 4 de maio de 2013, os depósitos feitos estão sujeitos a duas formas de correção. A tradicional vale enquanto a taxa básica de juros (Selic) estiver acima de 8,5% ao ano.

Quando a Selic é igual ou inferior a 8,5% ao ano, como ocorre atualmente, a remuneração da poupança passa a ser a soma da TR com 70% da Selic. Hoje, a taxa Selic está em 6,5% ao ano, o que significa um rendimento de 4,55% ao ano, ou 0,38% ao mês, líquidos de imposto para a caderneta.

As informações são da Agência Brasil.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.