IPCA-15 é o destaque no Resumo Econômico desta terça-feira

LinkedIn

Acompanhe os resumos das agendas econômicas do Brasil e do Mundo desta terça-feira (26/03).

BRASIL

No Brasil, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB) afirmou que vai observar o comportamento da economia brasileira ao longo do tempo. O comitê, que optou por manter a taxa básica de juros, a Selic em 6,5% ao ano, na última semana, acrescentou que essa análise sobre a economia não será concluída no curto prazo.

A prévia da inflação acelerou para 0,54% em março, puxada pelo aumento nos preços dos grupos de alimentos e de transportes, que subiram 1,28% e 0,59%, respectivamente. A variação é a maior para um mês de março desde 2015, quando atingiu 1,24%.

As informações são do Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), divulgado hoje pelo IBGE. Com o resultado, o IPCA-15 acumulado no primeiro trimestre (IPCA-E) ficou em 1,18% e o acumulado nos 12 meses passou de 3,73%, em fevereiro, para 4,18%, em março.

Em março, a expectativa mediana dos consumidores brasileiros para a inflação nos 12 meses seguintes variou 0,2% em relação a fevereiro, para 5,1%. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, houve redução de 0,2%.

Analisando a frequência da inflação prevista por faixas, a parcela dos consumidores que projetam valores entre os limites de tolerância da meta de inflação para 2019, de 4,25%, diminuiu de 60,5% em fevereiro para 58,3% em março, enquanto que a proporção de consumidores projetando valores abaixo do limite inferior (2,75%) subiu 1,1 ponto percentual, para 4,8%, a maior parcela nos últimos seis meses. A parcela dos que esperam uma inflação acima do limite superior (5,75%) aumentou de 35,8% para 36,9%.

Índice Nacional de Custo da Construção(INCC-M) permaneceu estável em março, repetindo a taxa do mês anterior, que foi de 0,19%. A taxa do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços passou de 0,36% em fevereiro para 0,41% em março. O índice referente à Mão de Obra não variou em março, no mês anterior a taxa havia sido de 0,05%.

No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, a variação correspondente a Materiais e Equipamentos foi de 0,38%, contra 0,23% no mês anterior. Dois dos quatro subgrupos componentes apresentaram acréscimo em suas taxas de variação, destacando-se materiais para estrutura, cuja taxa passou de -0,04% para 0,47%

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, as unidades habitacionais de propriedade privada autorizadas pelas licenças de construção em fevereiro tiveram uma taxa anual ajustada sazonalmente 1.296 milhão, 1,6% abaixo da taxa revisada de janeiro de 1.317 milhão e de 2,0% abaixo da taxa de fevereiro de 2018, de 1.323 milhão. As autorizações de famílias únicas em fevereiro foram de 821 mil, mesmo número do valor revisado de janeiro de 821 mil mas abaixo da projeção(0,7%). Autorizações de unidades em edifícios com cinco unidades ou mais estavam em uma taxa de 439 mil em fevereiro.

As propriedades privadas iniciadas em fevereiro tiveram uma taxa anual ajustada sazonalmente de 1.162 milhão(8,7%), abaixo da estimativa revisada de janeiro de 1.273 milhão(10,3%) e  9,9% da taxa de fevereiro de 2018 com estimativa de 1.290 mil(projeção era de 11,5%.

A conclusão de moradias de propriedade privada em fevereiro ajustada sazonalmente foi de 1.303 milhão, acima da estimativa revisada de janeiro de 1.247 milhão. Os números são do Census.

Os preços dos imóveis subiram em janeiro, alta de 0,6% em relação ao mês anterior, de acordo com o Índice de Preços Casa (IPH) mensal da FHFA (Federal Housing Finance Agency), sazonalmente ajustado. O aumento de 0,3% registrado anteriormente para dezembro de 2018 permaneceu inalterado. O HPI mensal da FHFA é calculado usando informações de preço de venda de hipotecas vendidas ou garantidas pela Fannie Mae e pela Freddie Mac. De janeiro de 2018 a janeiro de 2019, os preços das casas subiram 5,6%.

Com isso, os preços dos imóveis residenciais estão subindo, mas os ganhos estão encolhendo, uma vez que menos compradores conseguem pagar as casas disponíveis para venda. Nacionalmente, os preços subiram 4,3% ao ano em janeiro, abaixo do ganho de 4,6% em dezembro, de acordo com o índice de preços S & P CoreLogic Case-Shiller. O composto de 10 cidades subiu 3,2%, ante 3,7% no mês anterior. O composto de 20 cidades ganhou 3,6% ano a ano, ante 4,1% em dezembro.

A atividade manufatureira do quinto distrito cresceu moderadamente em março, de acordo com a última pesquisa do Fed de Richmond. O índice composto caiu de 16 em fevereiro para 10 em março, mas permaneceu em território expansionista. A queda veio devagar em ambos os índices de embarques, saindo de 12 em fevereiro para 2 em março e as novas encomendas saindo de 19 em fevereiro e ficando em 9 em março, mas o terceiro componente, o emprego, aumentou. O indicador saiu de 15 em fevereiro para 23 em março. Para os salários, o índice saiu de 29 em fevereiro para 33 em março. A média de trabalho na semana saiu de 17 em fevereiro para 5 em março. As empresas estavam otimistas, esperando que as condições melhorassem nos próximos meses.

Para finalizar os indicadores americanos, o índice Conference Board para o Consumo Confidente declinou em março, depois de ter aumentado em fevereiro. O Índice agora está em 124,1, abaixo dos 131,4 em fevereiro. O Índice de Situação Atual – baseado na avaliação dos consumidores sobre as condições atuais do mercado de trabalho e de negócios – declinou de 172,8 para 160,6. O Índice de Expectativas – baseado nas perspectivas de curto prazo dos consumidores para condições de renda, negócios e mercado de trabalho – diminuiu de 103,8 no mês passado para 99,8 este mês.

Ásia e Europa

No Japão, o Banco Central do Japão divulgou que o Índice de Preços ao Produtor de Serviços subiu 1,1% em relação ao ano anterior. O Índice de Preços ao Produtor de Serviços (com exceção do transporte internacional) subiu 1,0% em relação ao ano anterior.

Na Alemanha, o humor do consumidor em março de 2019 parece um pouco mais equilibrado do que no mês anterior. As expectativas econômicas estão aumentando novamente. No entanto, tanto as expectativas quanto a propensão a comprar diminuíram um pouco. Para abril, a GfK está prevendo um valor climático de consumo de 10,4 pontos, depois de uma revisão de março de 10,7 pontos.

O declínio nas expectativas econômicas chegou a um impasse em março – pelo menos temporariamente. Este indicador subiu sete pontos para atingir 11,2. Antes disso, o índice tinha caído cinco vezes seguidas. Os próximos meses vão mostrar se este é o início de uma reversão da tendência. No geral, o clima econômico perdeu quase 35 pontos nos últimos 12 meses.

As expectativas de renda para este mês tiveram alguns acessos. Depois de uma perda de 4,1 pontos, as expectativas de receita estão em 55,9 pontos. O indicador ainda está exibindo um bom nível geral. Um pequeno aumento também pode ser observado em comparação com o mesmo período do ano passado (+1,0 pontos). Portanto, a diferença entre as expectativas econômicas e de renda diminuiu em mais de 10 pontos em um único mês.

No Reino Unido, as aprovações de hipotecas caíram ao seu nível mais baixo em quase seis anos, um sinal do mal-estar do Brexit. Os credores aprovaram 35.299 empréstimos imobiliários em fevereiro, 11% a menos do que em janeiro e o menor desde abril de 2013, de acordo com dados dessazonalizados do grupo britânico Money Finance. Os números mais fracos do que o esperado ressaltam o impacto que a incerteza Brexit está tendo sobre o mercado imobiliário, particularmente em Londres, onde os preços dos imóveis estão caindo completamente em meio à pior queda desde a crise financeira, uma década atrás.

 

 

 

 

Deixe um comentário