Papel da Petrobras cai 4,9% no exterior após estatal rever reajuste do diesel

LinkedIn

Os recibos de ações (ADRs) da Petrobras (BOV:PETR4caíram 4,9% nas negociações após o fechamento dos mercados. Como o papel já havia caído 3% no pregão normal, a queda de ontem foi de quase 8%.

A explicação foi a decisão da empresa de rever o reajuste de 5,7% no preço do diesel nas refinarias anunciado horas antes. A decisão foi vista como uma possível intervenção do governo Jair Bolsonaro na política de preços da empresa. O presidente deu declarações favoráveis aos caminhoneiros recentemente, na tentativa de evitar uma nova paralisação diante de sinais de descontentamento e protestos pela alta do diesel.

O reajuste seria o primeiro em 20 dias, dentro da política da empresa de suavizar o impacto da alta dos preços do produto no exterior para evitar o impacto nos preços internos e evitar novo confronto com os caminhoneiros. Os motoristas voltaram a ameaçar parar as rodovias depois que os preços começaram a se recuperar no exterior. Em nota, a empresa informou que avaliou no fim do dia, com o fechamento do mercado, que há margem para espaçar em mais alguns dias o reajuste do diesel. Mas, para muitos investidores, a medida foi vista como um sinal de interferência do governo, o que foi negado pela empresa.

O objetivo é tentar evitar uma greve dos caminhoneiros que está por vir, afirma Pablo Stipanicic Spyer, diretor da corretora Mirae Asset. “Secundariamente, há o impacto nos preços, já que a inflação do IPCA veio um pouco mais forte em março, e segurar o preço do diesel reduz a pressão”, diz. Apesar de a Petrobras afirmar que os preços estão dentro da paridade, o reajuste já era esperado e o recuo da empresa pode ser atribuído a esses dois fatores, em especial evitar nova paralisação dos caminhoneiros, diz o executivo.

A expectativa é de que os preços das ações da estatal retomem os negócios na B3 hoje em queda forte, repercutindo o recuo no exterior, afirma Spyer. “Um alívio para o papel pode vir da alta dos preços do petróleo no exterior, de 1,4%”, observa.

Mas o cenário geral da bolsa também não é positivo, pelo clima pesado na área política e novos confrontos entre o governo e o centrão, que ameaça adiar a votação do projeto de reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ), prevista inicialmente para a semana que vem.

“Atrasos na tramitação da reforma podem ocorrer, trazendo desconforto para o governo e instabilidade para os mercados, e isso deve levar a uma abertura do Índice Bovespa mais negativa, movimento acentuado pela Petrobras, e uma alta do risco-país no exterior, hoje”, afirma Spyer.

Deixe um comentário